quarta-feira, 28 de agosto de 2019

"O Assassinato de Roger Ackroyd" de Agatha Christie


Voltei após muitas década a um policial de Agatha Christie, com uma obra que não devo ter lido antes "O Assassinato de Roger Ackroyd".
Numa pequena aldeia o médico Sheppard, narrador da história, depara-se com o suicídio de uma doente sua e confidente de Roger Ackroyd, este também amigo do doutor. Ela enviara uma carta a Roger a contar que estava a ser chantageada por alguém próximo, após o jantar ele começa a ler perante o clínico. Este pouco depois regressa a casa e recebe um telefonema do assassinato do amigo, e descobre que nenhum dos pernoitara com o morto se apercebera do crime, que estava fechado no seu escritório. Porque telefonaram a Sheppard  do exterior?
Os indícios apontam para o enteado da vítima, ausente mas que esteve na área no período da homicídio, ou talvez um estranho que visitou o prédio, mas poderá ser qualquer um dos hóspedes da casa: cunhada, sobrinha, mordomo, governanta, secretário particular, um militar amigo e até uma criada. A polícia está determinada a provar a culpa do enteado mas a sobrinha pede ao médico para este interceder para que o seu vizinho reformado ajude o resolver este caso para não se cometer um erro, só então Sheppard descobre que ao lado vive o famoso Hercule Poirot. Este aceita, coloca o médico como seu ajudante neste processo sem esquecer a irmã deste, uma mulher curiosa e perspicaz pronta a palpitar.
Este romance talvez tenha uma das tramas e solução mais elaboradas das muitas obras de Christie, escrito escorreita, mas sem nenhum destaque estilístico em termos literário, vale pelo enredo e interesse num crescendo ao longo do livro até ao surpreendente final que até a mim me apanhou desprevenido após sentir que dominava as regras das intrigas imaginados por esta autora.
Um policial que mostra o expoente alto da genialidade da autora em criar romances deste género. Gostei e é uma leitura cheia de emoção e prazer lúdico.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

"Regressa, Coelho" de John Updike

Excerto
"é tudo vida, sexo, fogo, respiração, uma combinação com oxigénio a todo o momento deslizamos à beira da conflagração"

"Regressa, Coelho", o segundo romance da tetralogia Coelho do norteamericano John Updike, decorre em 1969 cerca de uma década após as desilusões do início da vida adulta do primeiro volume que apresentei aqui.
Agora Coelho já tem vários anos de vida familiar rotineira, a mãe envelheceu e tem a doença de Parkinson, ele trabalha como tipógrafo, o filho Nelson é adolescente, a mulher Janice tem emprego na empresa do pai dela, enquanto na sociedade há a revolução sexual, hippie e a contestação à guerra do Vietname. A monotonia do lar é afetada por uma crise quando a mulher se satura do marido, arranja um colega como amante e toda a situação se desmorona. Coelho a seguir conhece num bar de negros uma jovem de um meio rico, fugida de casa que sobrevive vendendo-se. Ele decide acolhê-la e traz para casa um conjunto de novos problemas que agravar-se-ão com o aproveitamento de um amigo dela preto, traficante de drogas, despudorado e revoltado contra a comunidade branca. 
A obra faz um retrato das fragilidades das famílias perante as novas ideias sociais de comportamento sexual, emancipação das mulheres e conflito de gerações; agravadas pelo racismo, o capitalismo desumano, a política interesseira, o sonho comunista e as feridas da guerra do Vietname. Como no primeiro romance, as tensões irão num crescendo até uma catástrofe a cerca de um terço do fim da obra, dando-se então o retorno a um novo equilíbrio de sentimentos e razão após a crise.
Neste volume a religião passa para um plano supérfluo e a vida sexual das personagens torna-se o foco das relações humanas: medos, sonhos, experimentação, desinibição do pudor e desilusão. Deste modo e numa linguagem realista sem tabus há a descrição de relatos de práticas e pensamentos sexuais, sem filtro linguístico, o que leva ao uso de calão e ditos eróticos e grosseiros que podem ferir algumas suscetibilidades, contudo não têm fins de escrita erótica, mas evidenciam o peso da intimidade e dos desejos na estabilidade emocional das pessoas num estilo nu e cru.
Tirando o reparo de pudor a eventuais interessados no livro, gostei do romance que novamente não faz juízos de valor, é de fácil leitura e um retrato intenso de uma época nos Estados Unidos.

domingo, 18 de agosto de 2019

"Zero K" de Don DeLillo

Excertos
"Todos querem ser donos do fim do mundo."
"O que é o eu?... Mas seremos alguém sem os outros?"
"A morte é um hábito que custa a perder."

Não sei bem como classificar o mais recente romance do americano Don DeLillo: "Zero K"; ficção científica ou especulação científica? Para o primeiro género, a obra passa-se na atualidade e na Terra, sem imaginar civilizações longínquas ou futuras. Para a segunda denominação que inventei, a estória fala de facto do uso atual da criogenia, a conservação do corpo pelo frio de doentes incuráveis antes de morrerem naturalmente, técnica usada na crença de que tal os permitirá um dia "ressuscitar" no futuro e curá-las dos seus males quando se encontrar a solução para tal. Algo que algumas pessoas, por norma muito ricas, se estão a sujeitar com base nesta especulação científica. O vencer a morte é o tema que em forma de ensaio e sem se dirigir para a criogenia já Yuval Noah Harari discute no livro Homo Deus que li este ano e com as mais diversas questões de ética e moral que a ciência pode colocar à humanidade, salvá-la ou destruí-la.
O romance é narrado por Jeffrey Lockhart, que tem dúvidas em como organizar a sua vida adulta: anda à procura de emprego e rejeita a influência do nome de seu pai, um multimilionário de Nova Iorque. Este convida-o a visitar um laboratório que patrocina algures na Ásia, lá descobre que se trata de um local de recolha de órgãos e conservação dos corpos de pessoas por criogenia. Nesta deslocação verifica que a sua madrasta, arqueóloga e com uma doença degenerativa, optou por esta solução e está à espera de se submeter à passagem para depois esperar por uma nova vida no futuro. Entretanto, Jeff recorda a sua relação com a mãe falecida, é confrontado com questões sobre a vida e a morte nas conversas com a madrasta e exposto a uma encenação sobre a crise global: guerras, catástrofes naturais, solidão e desespero que convidam à fuga deste mundo à espera de um outro diferente, havendo voluntários saudáveis para esta passagem denominados arautos e para os quais foi criada a zona Zero K que atrai o pai para acompanhar a mulher.
Entre os problemas da sua vida e daqueles com quem se relaciona socialmente, Jeff analisa a problemática em torno deste assunto: a ética, as incertezas, a solidão da espera e a ânsia de domínio da morte.
Uma escrita escorreita, em tom realista e sóbria, a que me habituei na literatura norteamericana atual que descreve de forma nua as situações incómodas da sociedade de hoje consumista, onde escasseia a esperança e os valores humanos. Contudo gostei do livro, apesar da perspetiva sombria que atravessa a obra.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

"Um Crime Capital" de Francisco José Viegas

Excerto
"Falta-te alguma experiência literária para seres um bom polícia. Todos nós devíamos, antes de entrar para isto, ler uma biblioteca."

"Um crime capital" foi o primeiro livro que li de Francisco José Viegas, homem dos meios da comunicação social e da cultura em Portugal e com vários livros publicados de poesia e policiais traduzidos e é nesta última categoria que o presente romance se insere.
Após a realização de um concerto de música erudita integrado na organização do "Porto 2001 - Capital Europeia da Cultura" um casal de ouvintes é descoberto morto na bancada do anfiteatro, pouco depois um brasileiro do sistema informático do evento é baleado. São estes os pontos de partida para o velho polícia da judiciária Jaime Ramos investigar, então cruzar-se-á com uma antiga amante envenenada que lhe deixa recordações antigas, com uma rede de contrabando de quadros de pintura brasileira que tem como base a cidade do Porto e usa este evento europeu em proveito próprio, com a descoberta de adultério entre casais de sócios inimigos públicos mas cooperantes na clandestinidade e com um advogado de um clã do Brasil da alta-finança e comércio de arte que faz a ligação entre o interesses nestes dois países lusófonos.
Este romance é um exemplo de que uma obra do género policial pode também ser uma boa obra de escrita literária, fornecedora de informação cultural  que aproveita um acontecimento histórico, neste caso a Porto-2001, tendo mesmo sido publicado em folhetins num jornal da cidade durante aquele importante evento cultural, mantendo um vertente lúdica, de mistério e qualidade cultural.
Um romance que descreve com poesia e realismo a paisagem e o clima da cidade do Porto, que fala de prazeres particulares em forma de hábitos e tem a inteligência de apresentar pintores brasileiros e falar de livros, semeando interesses culturais sem maçar o leitor e assegurando o ritmo da narrativa. Jaime Ramos é um detetive à moda antiga, com gostos pessoais bem vincados, fugindo à disciplina burocrática e desencontrado com este presente informatizado e acelerado, ama o seu Porto belo, chuvoso e com passado e de onde é capaz de fugir à revelia das regras para pensar com cabeça fria e à distância, numa ilha dos Açores de onde descreve maravilhas que passam fora da rota do vulgar turista deste Arquipélago.
Gostei muito e lê-se com facilidade e com qualidade de escrita, informação e formação. Espero voltar ao escritor.

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

"Corre, Coelho" de John Updike


Excerto
"A princípio, acontece muitas vezes que o caminho certo parece errado."

Estreei-me em John Updike, um dos escritores norteamericanos mais premiado, com o primeiro volume da sua tetralogia mais famosa em torno da personagem Coelho, Rabbit no original, romance com o título "Corre, Coelho". Havia tempo que tentava conhecer este autor, mas pretendia começar por este conjunto, só que nunca encontrava os 4 volumes juntos, esta semana numa promoção, quando a editora já nem existe, eis que finalmente os encontro de forma a completar o ciclo.
Harry Angstrom, conhecido por Coelho, tem 26 anos em 1959, foi uma estrela de basquetebol no liceu numa cidade de média dimensão na Pensilvânia. Ao acabar os estudos casou-se apressadamente por uma gravidez não desejada e entrou numa vida rotineira e vazia, tem um emprego frustrante de vendedor de máquinas de cozinha e a mulher desmazelada e alcoólica espera novo filho. Cansado disto, decide abruptamente abandonar o lar, recolhe-se em casa do seu antigo treinador que o apresenta a uma prostituta por quem ele se sente atraído e encontra uma companheira com virtudes por que ele ansiava. Só que um pastor Pentecostal com preocupações sociais tenta a reconciliação dele com a sua paroquiana, apesar de Harry ter formação Luterana, e eis que a esposa tem uma filha e surge uma oportunidade, pouco depois seguida de um acidente. Destas situações brotarão as temáticas desenvolvidas no romance: o amadurecimento humano, a desilusão no arranque da vida adulta, as questões de família face ao vazio matrimonial onde a relação sexual conta mas quando ainda subsistem tabus face à excitação da descoberta de uma companhia alternativa sem preconceitos, situações que levam as questões de moral e de religião com as diferenças de pensamento em credos distintos que se misturam com os problemas do dia-a-dia de cidadãos comuns numa sociedade capitalista, oca pronta para acusações.
John Updike tem uma boa escrita mas tipicamente norteamericana: escorreita, elegante e cheia de figuras de estilo, só que dá a impressão de estarmos perante um texto informal, quer pela menção de pormenores banais e corriqueiros, quer pela referência a marcas comerciais conhecidas, diálogos básicos e ainda um retrato da sociedade não floreado. Algumas vezes a narrativa entra em cenas mais íntimas, contudo sem descer à vulgaridade na descrição e sem ser chocante, mas subentende-se a prática do ato. Este é um aspeto que por vezes é difícil de integrar em literatura sem ser uma expressão de arrojo ou afronta, mas o escritor fá-lo de forma equilibrada e tem importância para as decisões das personagens, mas o romance não faz um julgamento individual dos vários comportamentos, o que também evidencia ponderação na obra.
Gostei da estória, da escrita, das abordagens e pretendo continuar. Só não o faço de imediato pois quando leio estórias por muito tempo em contínuo ocorre uma imersão minha nas personagens o que por vezes me perturba, mas espero voltar muito em breve a esta tetralogia. Fácil leitura.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

"Contos Escolhidos" de Maupassant

Há uns anos atrás pediram-me para cooperar num quiosque de venda de livros antigos numa feira para recolha de fundos de uma instituição de proteção de animais. Enquanto exercia a função de voluntário vendedor fui explorando o espólio e entre as obras descobri este "Contos Escolhidos" do francês do século XIX Guy Maupassant, editado em 1966, com folhas já muito amarelas e várias delas ainda por abrir, desconhecendo o autor decidi comprar para um dia o descobrir, e apesar do tempo decorrido posso agora dizer que valeu a pena, tal como os outros usados que então adquiri.
Um conjunto de 26 contos ao estilo realista, na sua maioria pequenos, passados frequentemente no meio rural da Normandia, onde se narra uma ocorrência com gente comum ou onde alguém conta uma memória de algo que com ela se passou ou assistiu e muitas vezes com um final inesperado ou com uma crítica de costumes ou a vícios pessoais.
Escrita fácil acessível e deliciosa de se ler. Gostei muito e um bom indício para mais leituras de contos de Maupasant.

domingo, 4 de agosto de 2019

"O Pátio Maldito" de Ivo Andric


O croata, Ivo Andric é um dos dois escritores laureados com o Nobel da literatura, então como jugoslavo, que penso já ter lido tudo o que está neste momento editado e disponível em Portugal,  "O Pátio Maldito", a terceira obra que leio dele, soube-me a pouco, este pequeno livro tinha potencial para uma narrativa longa mas ficou-se por uma novela com pouco mais de 100 páginas. Todas as premissas do que foi o efeito do império otomano sobre os povos dos Balcãs e o sudeste da Europa, incluindo península itálica com o venezianos e a Igreja Católica está lá... mas o autor limitou-se a um retrato ligeiro que deixa à imaginação o leitor aprofundar.
Dois frades de um convento limpam a cela e os despojos deixados por frei Petar velho e recém-falecido, mas o jovem frei Rastislav apenas recorda as memórias dos relatos Petar de quando foi a Istambul e preso por suspeita de espionagem, tendo então ficado vários meses detido n'O Pátio Maldito de onde contava: a vida do diretor da prisão de marginal a polícia; do jovem de Esmirna detido por gostar de ler e se ter encantado com a biografia do irmão de um sultão que lutou pelo trono e vencido tendo sido utilizado pelo ocidente como refém ao em benefício dos interesses de uma ordem religiosa, do Vaticano, de França e de Nápoles; do detido que apenas via denunciantes nos outros detidos e da panóplia de prisioneiros e de tipos de carácter que por ali encontrou das várias nacionalidades do império Otomano.
Muito bem escrito, embora de uma forma literariamente  conservadora, Andric mostra a diversidade das gentes do império muçulmano que dominou a Europa oriental por 500 anos, exposta na vitrina que era a prisão da capital e vista pelos olhos de um cristão bósnio.
Gostei, mas soube-me a pouco, pois tinha assuntos para estas 100 páginas se multiplicarem por quatro o cinco vezes de uma forma deliciosa.