sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

"MaddAddam" de Margaret Atwood

Ao fim de vários anos regressei à trilogia "Oryx and Crake" da escritora canadiana Margaret Atwood com o terceiro romance "MaddAddam". Para uns leitores este conjunto será classificado de ficção científica ou uma distopia, mas para mim é mais um alerta, em forma de ensaio ficcional, criativo e especulativo sobre os riscos que podem  resultar do modelo de desenvolvimento científico, tecnológico e socioeconómico da sociedade atual hedonista, sem ética e moral, ou seja, uma civilização global desequilibrada, uma natureza descaracterizada e um ambiente doente que já se começa a insinuar e poderá permitir a revolta e vingança de alguém com pretensão de justiceiro que leve á autodestruir da humanidade acompanhado do desejo de substituir o Homem por um outro ser humano idealmente perfeito.

MaddAddam, que li em inglês  e penso não estar traduzido em Portugal e cujo o título traduziria por LoucoAdão, vai buscar muita da sua inspiração ao criacionismo do Génesis da Bíblia e ao anseio do homem participar da criação para criar um mundo sem os defeitos do atual, logicamente, tal como em Frankeinstein, este desejo de fazer o papel de deus tende a gerar outra realidade monstruosa.

No primeiro volume, "Oryx and Crake", assistimos à vida da elite ligada às multinacionais, com os seus estrategas e criativos genéticos e de produtos consumíveis geradores de prazer que escravizam a maioria da população e a tornam refém desta globalização amoral e do nascer da revolta e vingança de Oryx que cria um novo homem e arquiteta e implementou a destruição da humanidade.

No segundo, "The Year of the Flood" vemos a vida no exterior dos  complexos de luxo das elites, os bairros degradados, violentos com clubes de prazer numa sociedade consumista onde, em paralelo, surgem movimentos ambientalistas e humanistas que se tornam num nova religião até que que a pandemia provocada intencional leva ao dilúvio seco e ao fim do homem.

Neste terceiro volume estamos perante os sobreviventes do dilúvio seco que, à semelhança do velho Noé, viram os sinais dos tempos e se prepararam para sobreviver, bem como o encontro destes com o "homem novo" - geneticamente modificado para ser pacifista, vegetariano, sem ambição e maldade, mentalizados para viver numa sociedade igualitária, comunal e sem complexos de sexualidade - mas desta ligação nascerá uma nova mitologia com os seus deuses e guias superiores, talvez os primórdios de uma futura religião ambientalista, mas teísta. A obra abre a porta ao cruzamento genético dos dois tipos de seres humanos, mas tal não é explorado, talvez uma oportunidade para uma tetralogia.

A narrativa está cheia de criaturas aberrantes dos tempos próximos filhas da engenharia genética. A escrita está inundada de neologismos, palavras compostas fruto dessa criatividade e invenção da sociedade consumista e hedonista. por vezes o texto é quase infantil para evidenciar a ingenuidade do homem novo sem maldade, outras bem adulto, com insinuações eróticas nas interpolações ao passado e para explicar a vida dos sobreviventes, alguns nada perfeitos outros idealistas, mas que conhecemos em volumes anteriores, cujas vidas ao serem narradas aos espécimes criados por Oryx gerarão uma nova mitologia e crença.

Regressei a esta sequela tendo em conta que o mundo da atual pandemia me tem levado a desanimar com o comportamento humano de uma forma demasiado abrangente. Assim, com esta desilusão e ao saber deste substituto perfeito que me chocara no primeiro romance, esperava agora voltar a ter saudades do homem atual com as suas virtudes e defeitos. Confesso que o objetivo não foi alcançado completamente, mas também não desejo que a humanidade seja substituída por homúnculos belos e ingénuos à imagem de outra mente humana desiludida com a humanidade.

Para quem gosta de ficção que especula a evolução do mundo atual para o abismo, é uma excelente história. Gostei e cativou-me, apesar de não considerar o estilo de escrita nestes dois últimos volumes da trilogia como tendo um grande valor literário, mas vale muito pela imaginação, momentos de tensão, suspense, criatividade e alerta para o mundo de hoje.


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

"Anúncio de um crime" de Agatha Christie

 

Excerto

"- Nós esquecemo-nos que os criminosos também são pessoas. 
- ...Humanos. E muitas vezes pessoas dignas de compaixão. Mas também muito perigosas."

Acabei de ler mais um romance policial da mestre inglesa Agatha Christie: "Anúncio de um Crime".

A população da Chipping Cleghorn é surpreendida pelo anúncio no jornal local de um crime a cometer numa vivenda da aldeia a uma determinada hora dessa tarde. Uns apenas suspeitando tratar-se de um jogo, outos chocados e todos cheios de curiosidade decidem fazer uma visita à anfitriã da moradia onde ocorrerá o evento. Assim, vão aparecendo como por acaso onde a dona, conhecendo a vizinhança, também os esperava. À hora marcada ocorre o que parece uma tentativa de assalto, morte do ladrão e o ferimento da dona da casa. Só que aquilo que inicialmente parecia um roubo que correu mal em breve torna-se evidente numa tentativa de homicídio que a polícia tentará revelar com escassas pistas, mas eis que Miss Marple surge em cena com a sua sensibilidade humana e apontará para o seguimento de pistas e à resolução do caso.

Na sua linguagem fácil e na ambiência da Inglaterra rural cheia de hábitos tradicionais, a escritora, usando o conhecimento do comportamento psicológico das pessoas, faz-nos conduzir em suspense por uma fila de suspeitos e a uma intricada cadeia de vários crimes cujo autor no fim será desmascarado de forma surpreendente, sem nunca se perder na narrativa o estilo de vida social calmo e humano de Chipping Cleghorn.

Tenho gostado de todos os romances de Agatha Christie e este não foi exceção e é interessante como ela numa toada calma consegue manter vivo o suspense e a ocorrência de crimes que parecem improváveis nestes ambientes.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

"A gaivota * O tio Vânia * Três Irmãs * O Ginjal" de Anton Tchékhov

 

Excertos

"Pois é, chego cada vez mais à conclusão de que o problema não são as formas velhas ou as formas novas, mas precisamente o que escrevemos, sem pensarmos em quaisquer formas, escrevemos porque isso jorra livremente da nossa alma." A Gaivota.

"É assim a vida, não há nada a fazer. Tudo o que nos parece muito importante, com muito significado, muito sério - há-de chegar um tempo em que é esquecido, ou que não parece importante." Três Irmãs.

Terminado o mês em que talvez menos lí nas últimas décadas, mas coincidente com o que mais teatro li, logo no início deste acabei de ler o livro do escritor russo Anton Tchékhov que reúne quatro peças de teatro: A Gaivota, O Tio Vânia, Três Irmãs e O Ginjal

Em A Gaivota, numa casa de família cruza-se uma atriz com passado glorioso com seu filho jovem pretendente a escritor melodramático em busca de novas formas e visitantes que vão desde um escritor consagrado, uma pretendente a atriz e gente entendida no mundo das letras. Ao longo da trama apercebemo-nos das invejas e hipocrisia dos estabelecidos e das inseguranças e sonhos dos mais novos até à sua desilusão, podemos dizer que é uma peça de teatro a  interrogar-se sobre esta arte, os males do meio e os riscos e necessidades de inovação, sem dúvida questões caras ao autor.

N'O Tio Vânia temos gente comum num espaço familiar com desconfianças mútuas sobre os úteis, acomodados e oportunistas e necessidades de mudança de comportamento e incertezas. Uma peça que reflete sobre gente comum de famílias históricas em declínio, um retrato social da Rússia pouco antes da revolução e onde estão subentende aspetos do fim do império monárquico para o soviético.

Nas Três Irmãs, é uma história de gente comum e passa-se na casa de família destas com um irmão mais velho que passa de esperança de todas para a desilusão. Esta situação permite discutir com amigos e dissertar sobre as dificuldades do presente como potencial trampolim e construção de um futuro glorioso, mas incerto e longínquo da humanidade.

N'O Ginjal numa quinta familiar de aristocratas em queda, veremos o declínio da classe dominante no passado a ser ultrapassado pelos investidores capitalistas que pisam a tradição e a cultura para progredir e enriquecer, expelindo despudoradamente os senhores do passado em benefício individual.

Todas as peças mostram Tchekhov a testar novas formas de teatro, retratos de época e a questionar as mudanças de valores, da arte e os conflitos da sociedade de então através de gente tipicamente da Rússia rural da classe antes dominante ou da cultura e em conflito com as novas personalidades. São obras de vanguarda, mas fáceis de ler pela linguagem comum das personagens, só que ainda hoje parecem diferentes do teatro tradicional. Alguns dos atores por vezes debitam textos extensos para construir conceitos perante outros que perturbam e entram e saem de cena como nos momentos de tensão dos romances de Dostoievsky e, tal como este, as perguntas ficam no ar, cabendo ao espetador/leitor questionar-se. Gostei muito.