quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

"Anúncio de um crime" de Agatha Christie

 

Excerto

"- Nós esquecemo-nos que os criminosos também são pessoas. 
- ...Humanos. E muitas vezes pessoas dignas de compaixão. Mas também muito perigosas."

Acabei de ler mais um romance policial da mestre inglesa Agatha Christie: "Anúncio de um Crime".

A população da Chipping Cleghorn é surpreendida pelo anúncio no jornal local de um crime a cometer numa vivenda da aldeia a uma determinada hora dessa tarde. Uns apenas suspeitando tratar-se de um jogo, outos chocados e todos cheios de curiosidade decidem fazer uma visita à anfitriã da moradia onde ocorrerá o evento. Assim, vão aparecendo como por acaso onde a dona, conhecendo a vizinhança, também os esperava. À hora marcada ocorre o que parece uma tentativa de assalto, morte do ladrão e o ferimento da dona da casa. Só que aquilo que inicialmente parecia um roubo que correu mal em breve torna-se evidente numa tentativa de homicídio que a polícia tentará revelar com escassas pistas, mas eis que Miss Marple surge em cena com a sua sensibilidade humana e apontará para o seguimento de pistas e à resolução do caso.

Na sua linguagem fácil e na ambiência da Inglaterra rural cheia de hábitos tradicionais, a escritora, usando o conhecimento do comportamento psicológico das pessoas, faz-nos conduzir em suspense por uma fila de suspeitos e a uma intricada cadeia de vários crimes cujo autor no fim será desmascarado de forma surpreendente, sem nunca se perder na narrativa o estilo de vida social calmo e humano de Chipping Cleghorn.

Tenho gostado de todos os romances de Agatha Christie e este não foi exceção e é interessante como ela numa toada calma consegue manter vivo o suspense e a ocorrência de crimes que parecem improváveis nestes ambientes.

9 comentários:

Pedrita disse...

os romances dela são traduzidos com nomes diferentes, aqui no brasil tb, há o mesmo livro com vários nomes, então eu sempre me perco se já li. e como é a responsável pelo meu gosto pela leitura, comecei a ler na infância, aí não sei mesmo se já li. com esse acontece isso. beijos, pedrita

Joaquim Ramos disse...

A temática deste livro fez-me lembrar, mal comparado, o As Dez Figuras Negras, obra maior da literatura policial de A. Christie, que tanto enalteci aqui e que o Carlos também acabou por ler, depois de algumas dúvidas sobre se seria muito forte para sua mãe. Ela chegou a ler?
Agatha Christie é mestre inigualável. O único que para mim se pode comparar é George Simenon, o pai do comissário Maigret, mas mesmo assim a uma certa distância.
De Miss Marple nunca li nada, mas se calhar é menos aparatosa que Poirot.

Carlos Faria disse...

As dez figuras negras para mim está no pódio das melhores obras dela, este é agradável, gostei, temos surpresas, mas o intricado e a criatividade deste que acabei de ler fica aquém ou mesmo de Morte no Nilo, mesmo assim é muito bom.

Carlos Faria disse...

No Brasil penso que se chamou Convite para um homicídio, mas em Portugal isso também acontece de editora para editora, este também tomou o título de "Participa-se um crime"
Sei que está entre as obras maiores dela, mas os meus favoritos até hoje já os disse no comentário anterior, além de Crime no Expresso Oriente. Mas é também muito bom.

Carlos Faria disse...

Joaquim Ramos
Esqueci-me de dizer, sim minha mãe leu as 10 figuras, mas eu fiquei mais deslumbrado do que ela que sentiu pena das personagens.

Kelly Oliveira disse...

Comecei ler um livro dela esses dias, mas tive que abandonar. Estou meio enrolada nas leituras. Bom ver resenha dos livros dela aqui.

Carlos Faria disse...

Kelly
Mesmo não sendo o meu favorito, é um dos melhores dela na opinião dos seus admiradores e também o considero muito bom.

Kelly Oliveira disse...

Carlos você já leu alguma coisa do Harlan Coben? É um autor de romance policial também. Estou lendo um livro dele e gostando muito.

Carlos Faria disse...

Nunca ouvira falar, mas foi procurar e descobri que muita da sua obra está editada em Portugal