sexta-feira, 13 de novembro de 2020

"A Nuvem de Smog e a Formiga Argentina" de Italo Calvino

 

Li "A Nuvem de Smog e A Formiga Argentina" do italiano Italo Calvino, um livro constituído por dois contos que precisamente formam o seu título.

Apesar de diferente, ambos os contos evidenciam um desequilíbrio incómodo com a natureza envolvente, a obra tem o subtítulo de "Uma narrativa lírico-simbólica da relação de um homem com uma realidade" e, de facto, ambas narrativas são algo absurdas e narradas por um personagem masculino.

No primeiro conto, o narrador vem para uma cidade liderar o projeto jornalístico do trabalho de uma empresa em prol da melhoria da qualidade do ar, sendo que o seu gestor integra a de outra poluidora da atmosfera. O jovem vai aprendendo a arte de comunicar em conformidade com os objetivos do empregador, sendo que em paralelo observa o smog e o pó que conspurca tudo sobre a cidade, descobre a vida no bairro onde mora. Entretanto mantém uma relação com uma apaixonada rica que o visita, mas que vive fora da realidade do mundo do cidadão comum, com o avançar ele descobre um mundo de limpeza.

No segundo, uma família vem viver para uma cidade e descobre que a sua zona é dominada pela formiga argentina, esta tende a ocupar todos os espaços livres  e na luta do marido este descobre  um conjunto de vizinhos que vivem obcecados nessa guerra, embora cada um de forma distinta e por vezes com métodos contraditórios, havendo ainda quem renegue ver o problema por orgulho, para um final encontram um local onde gozam a ausência do novo inimigo.

Gostei do livro, embora os contos nos deixem algo incomodados, a obra evidencia que já na década de 1950 o autor se questionava sobre problemas do ambiente e os interesses que permitiam alastrá-los.

7 comentários:

Pedrita disse...

amo esse autor, mas esses dele eu não li. adorei os títulos. amo a criatividade do calvino. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Como são contos podem estar noutras coletâneas de contos do autor, mesmo que Calvino considerasse que deveriam estar juntos eles não foram publicados juntos originalmente. Também gosto muito de Italo Calvino

Carla disse...

Olá Carlos,
Conheço o autor pelo nome mas nunca li nada dele.
O que aconselhas ler primeiro?
Boas leituras.

Carlos Faria disse...

Carla
Se quiser ler algo literariamente muito rico e elaborado "As cidades Invisíveis", mas é difícil.
Se quiser ler algo mais no mundo do surrealismo e fantástico as fábulas de O visconde cortado ao meio ou O Barão cortado ao meio, são fáceis e cheia de uma mensagem subtil
Há ainda em género ensaio "Porque ler os clássicos"
Mas ele tem muito mais obras

Carlos Faria disse...

Carla
O Barão Trepador

Kelly Oliveira disse...

Acho que nunca tinha visto no seu blog resenhas sobre contos - posso estar esquecida. É incrível o que podemos encontrar nessas narrativas curtas.

Carlos Faria disse...

Kelly
Tenho vários postais sobre contos, simplesmente nos livros de Tchekhov, Munro, Lispector entre outros, são muitos os contos para fazer resenha. Sim há coisas muito interessantes nas narrativas curtas que muita gente perde por o conto ser menos valorizado de forma tão injusta.