sábado, 19 de setembro de 2020

"CONTOS de Tchékhov" - Volume II - Anton Tchékhov

 


Penso que nenhum escritor é tão famoso pela obra contista como Tchékhov, uma das estrelas maiores da sublime literatura russa do século XIX, sei que escreveu centenas de contos e penso que estão todos publicados nesta coleção da Relógio d'Água com mais de uma dezenas de volumes. Não costumo falar da editora, mas são tantos os livros com narrativas dele que se não os referenciarmos podemos estar a falar de coletâneas completamente diferentes. Não sei o critério de distribuição dos contos nesta série, mas não é cronológica.
No volume II "Contos de Tchékhov" temos 11 narrativas, algumas com cerca de uma dezena de páginas e outras acima de 50, talvez só numa o desfecho é uma lição de moral, na sua maioria são relatos da personagens comuns acomodadas ou vítimas da vida, por vezes vivendo com dificuldades, noutras vencendo como oportunistas e há ainda os desiludidos e os indecisos, um conjunto de protagonistas que não são heróis diferentes da população em geral, mas todos são únicos e essa particularidade é tratada com mestria pelo contista.
Não sei russo para falar da escrita original, mas a tradução origina textos magníficos, ricos em vocabulário, inclusive de uso na época, e tratados com um cuidado que faz sentir dentro do leitor o frio da Sibéria, a injustiça da estratificação social, a fome do pobre, a modorra do ocioso ou indeciso, a esperteza do oportunista ou a fé e superstição do crente. Narrativas que transmitem reflexos multifacetados de uma jóia excelentemente talhada que me deslumbra e fazem o retrato do povo Russo à época, apesar de uma realidade bem diferente da de hoje podemos ver muitos casos similares no presente.
Vale a pena ler, isto é literatura no seu estado puro sob a forma de conto, gostei muito...

11 comentários:

Pedrita disse...

no brasil o maior contista é machado de assis. grande tchékhov. vi incríveis adaptações para o teatro e cinema de suas obras. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Sim, penso que Machado de Assis seja o maior contista da língua portuguesa... no século XX talvez Lispector, ambos ligados ao Brasil.

ematejoca disse...

Embora os contos de Anton Tchékhov sejam pérolas da literatura russa, ainda amo mais a sua obra teatral.

Carlos Faria disse...

Ainda não entrei nessa formato em Tchékhov... mas despertou-me o interesse.

Joaquim Ramos disse...

Tenho o primeiro volume dos contos para ler, sei que vou gostar pois são imensos os elogios. De Machado de Assis li apenas O Alienista, mas tenho mais dois na estante. Muito bom. Da Clarice Lispector tenho alguma dificuldade em falar porque tive uma má experiência. Comprei Todos os Contos e só gostei (imensamente) de um - Obsessão - por isso vou lhe dar mais uma oportunidade com A Hora da Estrela. Parece uma heresia, tal o número de vozes que a aclamam, mas foi assim...

Carlos Faria disse...

Não nos devemos sentir obrigados a gostar porque existem muitos elogios a uma obra ou autor, considero Lispector uma excelente contista, mas não me cativa assim tanto, gostei muito do romance dela A paixão segundo G H, mas pode haver quem deteste... já Tchékhov adoro e o Alienista é genial.

morgana disse...

O melhor dele sao as pecas:
A gaivota
O jardim das cerejeiras
As tres irmas
O tio vania (a melhor) A escrita e existencialista mas de vanguarda.

morgana disse...

O melhor dele sao as pecas:
O tio vania
As tres irmas
A gaivota
O jardim das cerejeiras

O tio vania e a mais sublime.

Carlos Faria disse...

Dele ainda só conheço os contos... espero chegar ao resto.

Kelly Oliveira Barbosa disse...

Tchekhov é um dos meus autores favoritos. Contista então, é até então, o meu preferido.

"isto é literatura no seu estado puro sob a forma de conto" - Concordo!!

Carlos Faria disse...

Estamos plenamente de acordo