sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

O GRABEN DE PEDRO MIGUEL

Tal como já referi, as falhas normais estão associadas a movimentos de distensão, ou seja, a locais onde a superfície da Terra está estender-se ou, como alguns dizem, a ser esticada.
Quando falhas normais, aproximadamente paralelas, inclinam em sentidos opostos para o espaço entre elas formado, cria-se uma espécie de vale, de fundo mais ou menos largo, e gera-se um bloco abatido entre as falhas. A esta estrutura chama-se em geologia Graben, uma palavra de origem alemã que significa fosso ou trincheira.
Todos os post com a designação de "O Faial cortado à faca" e com a etiqueta "graben" mostram partes de uma das mais importantes estruturas geomorfológicas ou tectónicas do Faial, muito evidente na metade oriental da ilha, cujo eixo central se situa na freguesia de Pedro Miguel e designada por: Graben de Pedro Miguel.
(clique nas fotos para as ampliar e ler as anotações)
A zona central do Graben de Pedro Miguel e a freguesia que lhe deu o nome. Foto tirada da Lomba dos Frades, que inclina para norte, vendo-se ao fundo, com menor evidência, a falha da Ribeira do Rato (mais à direita) e a escarpa da falha da Lomba Grande, que inclinam ambas para sul.
Quando se faz uma modelação do relevo do Faial, o Graben de Pedro Miguel destaca-se imediatamente como uma grande depressão ou vale a leste da Caldeira localizada no centro da ilha (imagem proveniente do Centro de Vulcanologia da Universidade dos Açores).

Visto do canal Faial-Pico é muito evidente o Graben de Pedro Miguel, embora possa parecer que a zona central seja mais larga, devido às lombas da Espalamaca e Grande se destacarem mais na paisagem do que as falhas da Lomba dos Frades e da Ribeira do Rato, que são as mais interiores do graben e definem o eixo desta importante estrutura geológica.

Existem algumas pequenas falhas geológicas além das que mencionei nesta imagem e visíveis na foto, mas seleccionei apenas as mais evidentes, com melhor expressão no relevo e já referidas anteriomente neste blog.

Todas estas falhas geológicas são sinais evidentes de que a superfície do Faial está sempre a ser alterada, tal como a da Terra através as tectónica de placas, mas esses são assuntos para outros post.

6 comentários:

feldspato disse...

Esta demonstração está fantástica. A "promessa" de explicar este graben no contexto da tectónica de placas também me interessa. E, já agora, poderia acrescentar a sua opinião sobre a "teoria" da microplaca dos Açores defendida pelo seu conterrâneo V.H.F.

geocrusoe disse...

ao feldspato, julgo que da família das plagioclases mais ricas em cálcio.
Não fiz uma promessa exactamente nos termos em que disse.
No que se refere à minha opinião sobre a teoria em causa, é mais uma no conjunto das várias e cada um, face aos dados que tem, deve por si verificar qual a mais consistente. Em meios académicos pode-se discutir as inconsistências de cada uma, o que ultrapassa em muito a divulgação científica neste blog. Assim, aqui tentarei apresentá-las em paralelo e de uma forma mais acessível e interessante aos visitantes, podendo casualmente existir algum indício das minhas posições.

José Quintela Soares disse...

Gostei muito de ler este texto.
Até um leigo entende.
Obrigado.

nanda disse...

As nossas ilhas são de uma riqueza geológica fantástica,associando vulcanismo e tectónica.
Bom fim de semana

Desambientado disse...

As fotografias estão excelentes.
O mapa com a rede hidrográfica é do CLIMAAT?

Bom fim de semana.

geocrusoe disse...

ao desambientado
recebi o mapa quando estava a desenvolver actividades no CVARG, por isso o referi como fonte, não sei se são os autores do mesmo.