sábado, 26 de dezembro de 2015

"Flores" de Afonso Cruz

Afonso Cruz caracteriza-se por uma escrita poética e metafórica original com intercalações subtis de referências a situações e factos reais presentes ou históricos, o romance "Flores", segue este estilo cheio de beleza e sentimento deste escritor Português e em ascensão no mundo literário atual.
O protagonista vê a sua vida familiar a desmoronar, em muitos aspetos por culpa própria, e apercebe-se da solidão do seu vizinho velho que perde a memória do seu passado, então numa forma de compensação pessoal tenta reconstituir a vida do idoso que se esqueceu do seu primeiro beijo, da sua paixão e até da sua maldade, assim lentamente vai-se reconstruindo uma vida vivida num presente cheio de incertezas e onde a filha serve de ponte entre a infância e a velhice e de referência do desnorte dos adultos.
Um livro cheio de ternura, onde se observa os desperdícios e erros da vida adulta, o momento onde se destroem oportunidades nascidas ainda em criança, que depois desaproveitadas parecem perdidas no ocaso da vida, mas onde o protagonista tenta ainda recuperar o importante que temperou uma vida e deste modo constrói-se uma obra cheia de sentimento, saudade e mensagens subliminares que serve de lição de vida. Gostei e recomendo a qualquer tipo de leitor

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

FELIZ NATAL

Imagem daqui

Para todos os leitores, habituais ou ocasionais deste blogue Geocrusoe, quer sejam amantes de livros ou de outras formas de expressão cultural, geólogos ou com outras formações profissionais ou sem elas e diferentes preferências, apresento os meus sinceros votos de que tenham:

UM FELIZ NATAL DE 2015

domingo, 20 de dezembro de 2015

"O adeus às armas" de Ernest Hemingway


Em "O Adeus às armas" Ernest Hemingway, prémio Nobel de 1954, relata o nascimento e a sobrevivência do amor no tempo da I Grande Guerra, tendo como pano de fundo a derrota e posterior retirada italiana perante os austro-húngaros na batalha de Carporetto, a nordeste de Veneza, conflito onde o escritor participou como voluntário americano motorista de ambulâncias e viveu um caso de paixão, à semelhança do protagonista do livro, um oficial voluntário do mesmo País, sendo por isso, uma obra fortemente baseada na sua experiência pessoal.
Neste misto de descrição do conflito real, o seu caso e o poder da paixão ficcionado, Hemingway aproveita, não só para pôr questões sobre a guerra, mas também expor a crueldade desta e ainda fazer uma reflexão à sua renúncia face à superioridade do amor, onde tudo mais passa a secundário.
Escrito sem muitas figuras de estilo, Hemingway utiliza uma linguagem, por vezes quase jornalística, na descrição da paisagem e da guerra, outras vezes, com recurso a diálogos quase ridículos como o serão todas as conversas de apaixonados à semelhança das cartas de amor de Fernando Pessoa, criando assim uma narração ao mesmo tempo encantadora e dura, como só ele é capaz quando fala de conflitos bélicos e dos prazeres da vida, um belíssimo romance que recomendo a qualquer tipo de leitor.  

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

"Suite Francesa" de Irène Némirovsky





"Suite Francesa" de Irène Némirovsky é um relato escrito a quente, com dois tempos, o da fuga dos franceses durante conquista de Paris pelos alemães na II Grande Guerra e depois a vida diária num burgo de província durante o domínio alemão até à declaração guerra com a União Soviética.
O romance foi programado para cinco movimentos, mas é uma obra incompleta, pois a própria escritora durante este trabalho estava em fuga como judia, tendo sido depois capturada e morta num campo de concentração, quando lhe faltava ainda escrever os últimos três andamentos desta suite, embora pelas notas anexas no livro se saiba o essencial do que seria a terceira parte, enquanto os últimos dois, como ela própria dá a entender, estivessem ainda no segredo dos deuses, se é que estes já soubessem qual seria o fim da guerra então em curso.
Confesso que nunca lera nenhuma obra assim, não apenas por ser uma maravilha literária pelo ritmo do desenrolar a estória que decorre quase em simultâneo com os acontecimentos históricos narrados, como também pela qualidade da escrita e, sobretudo, pelo retrato que a autora faz do momento da ocupação, onde, em vez da via fácil de demonizar o invasor, mostra os fracos do povo invadido e mesmo assim tal não é feito como um julgamento da França, país que nunca lhe concedera a nacionalidade sendo ela já uma fugitiva da revolução russa.
Mais interessante ainda é que na segunda parte, com a escritora mesmo em fuga aos alemães por ser judia, embora católica, os militares germânicos são tratados como pessoas iguais: têm sentimentos, virtudes e defeitos humanos, sem merecerem nenhum ódio especial.
O livro tem ainda dois prefácios sobre como foi descoberto o manuscrito desta escritorajá no século XXI, que já era de reconhecida no início da guerra por editores europeus, bem como as notas da autora sobre a forma de construção da obra e a correspondência em torno da sua fuga e detenção.
Há obras-primas únicas de grande qualidade e esta é uma delas, o sucesso editorial que está a ocorrer em torno deste livro, mesmo na orgulhosa França assim desnudada, tem toda a razão de ser. Classificação máxima como obra de ficção que procura fazer um verdadeiro retrato da história e curiosamente feito a quente, sem o julgamento dos vencedores ou o complexo dos vencidos.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

"Não se paga! Não se paga!" de Dario Fo


Há muito tempo que aqui não falava de teatro, ontem foi dia de ver o grupo amador Faialense "Teatro de Giz" que tem encenado nesta ilha autores de grande reconhecimento internacional, desta vez o laureado com o Nobel da literatura: Dario Fo, com a sua obra "Não se paga! Não se paga!".
Uma paródia sobre uma revolta popular contra os preços, que depois contagia todos, inclusive os mais conservadores e legalistas e até agentes de autoridade. Ocorrem momentos hilariantes, outros menos realistas mas que a brincar levam ao desabafo sobre muitas verdades amargas sentidas por quem tem de sobreviver no dia-a-dia e, em paralelo, há uma crítica à politica da Igreja Católica sobre o controlo da natalidade.
A representação e encenação está muito bem conseguida, envolvendo todo o espaço e vale a pena assistir se vive no Faial e ainda não foi ver, hoje é o último dia. Diverti-me imenso.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

"A Pérola" de John Steinbeck


Não sei se "A Pérola" é um conto ou uma novela, mas sei que é uma excelente fábula do laureado com o Nobel da literatura John Steinbeck, maravilhosamente escrita e procura mostrar que apesar das dificuldades da pobreza, o encontrar de um tesouro desejado pode não ser o fim de todos os problemas e até atrair muitos outros males que estão no coração das pessoas.
A forma de passar a música os sentimentos sentidos pelo pescador de pérolas perante a realidade que sente e vê à sua volta é genial e a escrita é tão bela que várias vezes repeti parágrafos para me deliciar. Um lindo conto ou novela, com uma lição de moral subjacente que recomendo a qualquer tipo de pessoa que goste de ler.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

"A Troca" de David Lodge


O romance "A troca" de David Lodge é uma sátira passada no mundo académico que envolve a troca de dois docentes entre duas universidades - uma norteamericana e progressista, a outra inglesa e conservadora - precisamente no período da revolução sexual, da revolta estudantil e da contestação à guerra do Vietname, de onde resultam choques de morais e tradições, não só entre gerações, como também entre culturas e costumes diferentes num período altamente conturbado e de afirmação de liberdades e direitos individuais e de cidadania com reflexos na estabilidade de cada um dos estabelecimentos, nos professores em causa, na gestão da crise estudantil que vai atingir até os núcleos, os valores e os problemas de casamento dos protagonistas neste mundo em mudança e espaços trocados.
Uma escrita cheia de ironias, onde o desenrolar das ações vai levar a situações embaraçosas, hilariantes e incompreensões sobre o modo como cada professor envolvido na troca vê o modo de ser e de agir no País estrangeiro, mas que após a apreensão inicial, prosseguem para um papel interventivo e de novas experiências, não só profissionais, mas também no campo da desinibição dos constrangimentos sentimentais, sociais e de relacionamentos amorosos que toda esta instabilidade gerou que retrata um período da história do século XX onde a mudança radical de costumes foi precedida de exageros até que se estabeleceu um novo equilíbrio aparente. Uma obra que é a primeira de uma trilogia passada no mundo académico. Um romance divertido, satírico e pouco extenso, o que o torna muito fácil de ler.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

"O Francoatirador paciente" de Arturo Pérez-Reverte


O romance "O francoatirador paciente", de Arturo Pérez-Reverte, é um thriller que ao longo do seu desenrolar passa de Madrid, para Lisboa, Verona, Roma e vai até Nápoles e leva a reflexões sobre a arte urbana e contemporânea através de um mergulho e exploração do mundo dos autores de graffiti, a sua forma de contestar os defeitos da sociedade atual e, inclusive, de denúncia da subjugação da cultura ao dinheiro e à regulamentação oficial.
Este foi o primeiro livro que li deste escritor espanhol que sei possuir uma obra que varia entre romances de maior profundidade em questões contemporâneas e outros mais ligeiros, penso que o presente se situa num campo intermédio.
Uma escrita contemporânea cheia de gírias do meio dos graffiti, mas agradável e correta. Um thriller cujo suspense não esmaga a força das mensagens que o autor vai semeando no texto. Uma obra fácil , mas sem ser ligeira e recheada de reflexões pertinentes sobre o mundo urbano atual. Uma protagonista homossexual mas nada tem de manifesto sobre o tema ou de preconceito. Uma viagem ao submundo de contestação juvenil, dos gangues e de seitas adolescentes, mas sem ser agressivo ou apoiante da delinquência. Uma crítica ao império do dinheiro sem ser uma oposição barata ao sistema e um final inesperado fazem deste romance uma agradável obra de lazer e aprendizagem de uma realidade pouco conhecida que cobre as paredes das nossas cidades ocidentais.
Sem ser uma obra pretensiosa, gostei e recomendo a qualquer leitor e fiquei interessado em continuar a descobrir mais obras de Arturo Pérez-Reverte. 

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Decameron ou Decamerão de Giovanni Boccaccio


"Decameron" ou Decamerão, de Giovanni Boccaccio, é uma obra que reúne 100 contos narrados ao longo de 10 dias úteis, por 10 jovens (7 raparigas e 3 rapazes) na sequência da decisão destes em se recolherem num espaço rural para gozar a sua juventude, ouvindo histórias e canções por puro prazer para esquecer a amargura dos tempos que a cidade de Florença vivia em virtude de estar assolada pela peste negra que martirizava a Europa.
Todos os dias um jovem diferente foi coroado rei ou rainha e assume o tema do seu reinado, vão-se então narrando estórias eróticas, de crítica social e à hierarquia da igreja, de infidelidade conjugal, de inteligência feminina ou masculina, de bondade, de amizade que na sua maioria abrigam uma lição de moral.
Tanto a linguagem como os temas abordados têm uma liberdade de expressão que surpreende, desde a ironia subtil, à ligeira brejeirice subentendida, aos ataques mordazes dos pecados do clero e da castidade, mas também se passa por momentos dramáticos de sentimentalismo exacerbado, outros racionais e outros de magia. Assim o livro constrói um ramalhete de lazer nada previsível numa obra da idade média, sendo por isso considerado um marco da literatura para a passagem desta da subserviência religiosa para a esfera profana.
Pela quantidade de contos e sua independência, é possível evitar a saturação intercalando as narrações com pausas para  a leitura de outros livros. Apesar da sua ligeireza e facilidade, poderá chocar algumas mentalidades mais conservadoras que não reconheçam que a brincar se pode fazer importantes denúncias morais, aspeto inclusive assumido por Boccaccio na sua nota final. 

sábado, 7 de novembro de 2015

"Thérèse Desqueyroux" de François Mauriac

"Thérèse Desqueyroux", do francês laureado com o Nobel da literatura em 1952 François Mauriac, baseia-se num caso real em França: uma tentativa de de envenenamento do marido e absolvição da esposa devido ao próprio testemunho da vítima por questões de interesse. Esta obra relata não só a relação no casal após o julgamento, a forma como o marido iniciou a sua vingança e as reflexões introspetivas da esposa sobre o seu passado que a levou ao crime.
O desenrolar da situação, ora com pequenos diálogos, ora contado na terceira pessoa pelo narrador que passa abruptamente por extensas reflexões e descrições feitas na primeira pessoa de Thérèse, por onde esta  se vai conhecendo, compreendendo as razões do seu casamento, pessoais e familiares, a sua visão  do marido e levanta um conjunto de interrogações a si mesmo, que vão desde a sua liberdade, às formas de como com a sua orgulhosa inteligência e cultura se deixou atar numa rede de interesses, aos sentimentos do amor, frustração, descoberta do mundo real e a questão de Deus.
Apesar de momentos tensos e de uma grande violência psicológica, na realidade a obra mostra como os interesses conjugados de ambas as partes foram capazes de chegar a uma solução e como esta gerou um desconforto na sociedade. Uma pequena obra de grande interesse. Gostei.

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

"Sangue Sábio" de Flannery O'Connor



"Sangue Sábio" de Flannery O'Connor, que acabei de ler, é um pequeno romance diferente do habitual. Mostra o peso das religiões cristãs no sudeste dos Estados Unidos, tema também presente nos seus livros de contos, um deles li e falei aqui.
Com recurso à linguagem popular das pessoas humildes do Tennessee, situação que é difícil de transpor numa tradução e seguramente perde muito com esta, esta edição não é um bom exemplo de um tradutor, a obra, apesar de conter momentos irónicos e divertidos, não deixa de ser amarga, deprimente e com situações duras, fruto de pressão psicológica causada pelo fanatismo religioso instalado na sociedade, sobretudo evangélico, aspeto brilhantemente trabalhado através da criação do protagonista, um jovem pregador que vindo do serviço militar para se libertar deste peso cria e anuncia a sua "igreja sem Cristo".
Todas as personagens do romance tem uma componente desequilibrada e ou oportunista, tanto crente como descrente, criando situações bizarras e mesmo momentos de violência, apesar de tudo, gostei do retrato apresentado de uma sociedade onde a fé pode ser tão perversa como o racismo.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

"Meursault, contra-investigação" de Kamel Daoud


O livro "Meursault, contra-investigação" que acabei de ler, do argelino Kamel Daoud, prémio Goncourt de 2014 é uma reação à famosa novela "O Estrangeiro" de Camus, prémio Nobel de 1957, que reli antes para melhor a compreender.
Para quem não se lembra, ou não sabe, Meursault é o estrangeiro membro da comunidade colonial em Argel e o assassino do árabe na obra de Camus, de cuja vítima nada soubemos na novela, exceto a existência de uma pretensa irmã, pois nem travou conhecimento com o seu criminoso.
Agora Daoud atribui um nome ao árabe: Moussa, uma comunidade de bairro e uma família, curiosamente não tem uma irmã mas sim um irmão: Haroun, situação explicada nesta ficção, e é este familiar mais novo que narra todo o impacte do crime e o seu contexto sociocultural.
Haroun serve-se da narração de "O Estrangeiro" para não só falar do absurdo na novela de Camus, mas também para contrapor o choque de culturas entre o colono e o povo local, a importância da língua francesa no contexto é interessante, e fala-se até da diferença do ocupante matar um anónimo autóctone e o desprezo votado à vítima em contraponto com os assassinatos na luta pela liberdade da Argélia ou na retaliação do irmão.
Harroun narra a sua vida e desenha situações paralelas e opostas sobre as quais reflete e compara com as de "O Estrangeiro". Em ambos os mundos o narrador está desadaptado dos costumes da sua sociedade, ambos matam, ambos são ateus que confrontam o clero, ambos têm uma relação de incompreensão com a mãe e ambos tiveram uma relação amorosa não comprometida. Todavia Camus conta o presente, Daoud faz uma restrospetiva desde as dificuldades dos argelinos ao tempo de Meursault, passa pela esperança da libertação do País e vai até à desilusão no presente, uma realidade quem também convive com o absurdo.
Um livro interessante, também de pequena dimensão, mas cuja qualidade sai diminuída pela comparação com a genialidade intrínseca a uma das obras maiores do século XX. Não obriga a ler "O Estrangeiro" previamente, mas que ajuda a leitura desta, ajuda, e a de Camus é a obra-prima.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

"O Estrangeiro" de Albert Camus


Reli "O Estrangeiro" de Albert Camus, prémio Nobel de 1957, obra lida na década de 1980 e que me marcara em profundamente. A nova leitura foi para me relembrar do conteúdo desta novela, uma das mais famosas do século XX, dado que a obra que pretendia ler a seguir retomar um outro lado desta ficção.
O Estrangeiro, uma novela que nem chega a 100 páginas, é o relato na primeira pessoa da vida de um francês de Argel a seguir ao falecimento da sua mãe, onde agiu de acordo com as circunstâncias do momento e sem se preocupar que os seus atos pudessem chocar o senso-comum, ações que após um crime circunstancial vão ser usadas contra ele em julgamento e só então se apercebe da distância que existia entre ele e o mundo.
Albert Camus, que também foi filósofo, nesta obra mostra o seu modo de pensar: só o indivíduo entende bem os seus atos; muitos destes são irrefletidos e só coerentes com o seu sentir. Ao ouvir-se o mundo que nos cerca tomamos consciência como se pode viver desenquadrado com a sociedade e ser-se um estrangeiro na sua terra e exposto às interpretações mais díspares sobre o comportamento que se teve na vida diária.
Escrito numa linguagem muito concisa, simples e direta ao que se quer dizer, apesar de tudo profunda, aliciante e bela, Camus mostra um protagonista perdido na sua terra, cuja vida foi a das sensações do momento e como tal pode conduzir a um absurdo para o mundo. Absurdo que Kafka já explorara, mas aqui a personagem vem a perceber a sociedade, mas esta não vai entender o protagonista e este ao consciencializar-se do desencontro percebe o seu existir ou o seu modo de ser. Apesar de um fundo filosófico, é um livro de leitura muito fácil que maravilha a maioria dos seus leitores e daí o seu sucesso e recomendo a todos a sua leitura

sábado, 24 de outubro de 2015

"Volfrâmio" de Aquilino Ribeiro


Acabei de ler "Volfrâmio" de um dos escritores portugueses mais importantes do século XX, Aquilino Ribeiro, um romance que em simultâneo cumpre vários papeis.
Mostrar o que foi a corrida desenfreada da população ao minério de volfrâmio ou tungsténio durante a segunda guerra mundial no interior de Portugal para o exportar para a Inglaterra ou Alemanha para fabrico de armamento, tendo em conta que este elemento químico aumenta a resistência das ligas metálicas e melhora capacidade explosiva do equipamento bélico, situação que gerou uma loucura generalizada semelhante à da febre do ouro. Esta ânsia de encontrar volframite ou de adquirir terrenos potencialmente detentores deste mineral levou à riqueza de muitos, à desgraça e exploração de outros e a uma luta sem ética nas populações indiferente à mortandade que grassava na Europa.
Destruir o mito romântico de que as pessoas rurais são simples, honestas e honradas ao contrário das urbanas, no seio da província lavram todos os vícios que empestam as cidades: a argúcia maldosa, a mentira, a inveja, a mesquinhice, os grupos de malfeitorias, as traições, o domínio dos mais fortes que infernizam a vida de muitos e onde não falta a violência e o crime neste mundo tido por são e pacífico.
Por fim e não menos importante, Aquilino mostra a diversidade lexical do português das Beiras, da designação dos utensílios da economia rural e recorre ao vocabulário em vias de esquecimento, escrevendo um texto não só magnificamente elaborado e cheio de figuras de estilo com raízes nos falares e provérbios populares, como também com uma riqueza de termos e uma elegância linguística que delicia todos os que apreciam a escrita como forma de arte. Todavia nem sempre é fácil apreender o significado de todas as palavras usadas quer pela abundância, quer pela frequência e proximidade em determinados parágrafo.
Assim, por estes três aspetos estamos perante um romance histórico e uma colectânea da riqueza da língua numa história acessível, uma vezes irónica, outras divertida e com momentos densos e amargos do que foram as dificuldades vividas nas nossas aldeias devido à pobreza das pessoas e à luta entre as virtude e defeitos da população portuguesa, sendo que estes também não são poucos.

sábado, 17 de outubro de 2015

"O outro pé da sereia" de Mia Couto



"O Outro Pé da Sereia" de Mia Couto tem duas histórias ao longo do livro, intercaladas por capítulos que se cruzam no espaço mas estão distanciadas em 440 anos. A mais antiga em 1560 romanceia a vinda de Goa para Moçambique para a região do Zambeze do jesuíta Gonçalo da Silveira, personagem história tida como o primeiro mártir da evangelização portuguesa. A mais recente em 2002 numa aldeia da zona do martírio do missionário que se prepara e recebe um casal de afro-norte-americanos negros de uma ONG interessados em descobrir as feridas deixadas pela escravatura para compensar os descendentes de forma de aliviar a consciência de pertencerem a uma sociedade privilegiada mas onde são ainda alvo de preconceitos.
No relato histórico na linha condutora da narração denuncia-se o contrassenso na evangelização se aproveitar para implementar a exploração e escravatura dos africanos, mostrar a coexistência do cristianismo e das crenças animistas que levam a conversões em sentidos contrários de ambos os lados, pondo a nu o conflito de interesses e o choque de culturas.
A estória que decorre no século XXI, parodia os complexos de culpa e de indemnização dos descendentes africanos em estados ricos, como o aproveitamento de populações negras que exploram a situação e criam casos para justificar apoios e, em paralelo, são usadas memórias e uma imagem de Santa de 1560 e outros dados posteriores como meio de denuncia de injustiças históricas enraizadas em Moçambique e onde muitas vezes foram os seus habitantes os exploradores de si mesmo.
O romance tem duas escritas, a do relato histórico, em estilo de crónica romanceada com um português escorreito e a do romance neste século, onde Mia Couto utiliza a sua técnica de criação de palavras e parafrasear provérbios para construir a sua paródia e cultivar subtilezas irónicas que caracterizam o seu estilo. No conjunto é um romance divertido e triste, onde as feridas do colonialismo e da guerra fraticida brotam como pistas para reflexão e conhecimento dos problemas na sociedade moçambicana atual. Gostei.

sábado, 10 de outubro de 2015

"O tempo e o Vento" de Érico Veríssimo

"O Tempo e o Vento" de Érico Veríssimo, além de ser uma importante obra-prima da literatura brasileira, que estranhamente se encontra esgotada em Portugal, é um romance que nos últimos anos procurei ansiosamente adquirir com dois outros motivos: (1) por relatar a história do povoamento do Estado do Rio Grande do Sul que contou com um importantíssimo contributo de emigrantes dos Açores no século XVIII, Região onde vivo e estão todas as minhas raízes; (2) por Porto Alegre ter-se tornado cidade irmã da Horta e esta ter-se depois geminado com aquela capital do mesmo Estado através de uma votação unânime da Assembleia Municipal da Horta, em que eu participei, e não concebo ter contribuído para este ato sem conhecer a cultura daquela metrópole onde Érico Veríssimo é um dos seus expoentes máximos literários.
Assim após intensa pesquisa só consegui encontrar num alfarrabista da feira do livro de Lisboa um livro antigo, com ortografia anterior a 1973, com os dois primeiros volumes reunidos de "O Tempo e o Vento" que constituem a primeira das três partes desta extensa obra e designada por "O Continente".
"O Tempo e o Vento" é um romance em forma de saga que desenvolve a formação da família Cambará através da fusão de sangue índio, açoriano luso-flamengo, paulista e até de um salteador errante que se torna sedentário por amor. O narrar-se estas origens no século XVIII e o posterior evoluir das várias gerações Cambará serve de meio para dar a conhecer ao leitor as lutas entre Portugal, Espanha e oportunismos ingleses, bem como o papel das Missões jesuíticas, que levam à definição das fronteira meridionais do Brasil com o Uruguai e a Argentina e prosseguir pela criação da província do Continente do Rio Grande de São Pedro, as suas guerras internas e fronteiriças, o estabelecimento da sua população com migrações brasileiras e imigrações açorianas, lusitanas, alemães e italianas, passando pela independência do País e indo até ao início da república federal com a instituição do Estado do Rio Grande do Sul já no fim do século XIX com o seu carácter cultural único, com virtudes e defeitos bem evidenciados na obra, que mistura todas as proveniências do seus habitantes, aproveitamentos políticos, influências religiosas e onde as raízes açorianas merecem um destaque no romance, não só com a Cavalhadas típicas da Ribeira Grande em São Miguel, como a dança da chamarrita tão forte no Faial e Pico e a culinária misturada com os produtos locais.
Érico Veríssimo com uma escrita elaborada que mistura linguagem popular com a escorreita, não expõe de uma forma linear esta saga: a obra começa num momento em que a família Cambará está sitiada no seu ninho histórico quando das lutas entre republicanos e federalistas em 1897 e depois com recuos e avanços em capítulos diferentes constrói toda a história destas gentes com grandes personagens e perfis psicológicos fortíssimos como Pedro Missioneiro, Ana Terra, Rodrigo Cambará, Bibiana Terra Cambará, Licurgo Cambará e Ana Valéria Terra que sem dúvida estão ao nível de outras figuras da literatura mundial. Um magnífico romance que deve ser lido não só pelo povo do Rio Grande do Sul, mas por todos os Brasileiros e Portugueses, sobretudo Açorianos.
Espero ter oportunidade de ler as sequelas desta saga: "O Retrato", e "O Arquipélago" que completam "O Tempo e o Vento" e penetram pelo século XX e onde seguramente a influência Açoriana se deve ir autonomizando e tornando-se cada vez mais Brasileira.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

"Sombras queimadas" de Kamila Shamsie


"Sombras queimadas" de Kamila Shamsie acompanha a vida das pessoas em torno de uma japonesa sobrevivente do segundo ataque nuclear ao Japão em Nagasaki poucos momentos depois do seu pedido de casamento por um alemão ali desterrado.
A partir da explosão Hiroko fica para sempre marcado com as sombras das aves do quimono que experimentava quando daquela luz intensa, sombras que sente na alma em Deli para onde foi à procura dos familiares ingleses do seu noivo vítima da bomba, onde se dá a independência da Índia e a partilha do país que a empurra para o Paquistão onde viu os reflexos dos movimentos da guerra fria no Afeganistão nascerem crescer e as mudanças de atitude com o tempo de um ocidente aliado virar a inimigo e onde a loucura lhe trouxeram novas perdas e novas sombras. Sombras que renascem em 2001 quando acolhida em Nova Iorque pelos primeiros que a receberam assiste ao 11 de setembro, que desencadeia novas ondas de loucura e mais perdas ligadas ao Afeganistão e se viu o medo semeado nos outros e só então Hiroko compreendeu porque foi aplaudido o lançamento da segunda bomba no seu País, quando na realidade os EUA já tinham tudo para vencer a guerra sem necessidade de tal dano.
O romance não acusa ninguém diretamente, mostra sim um conjunto de sombras deixadas em vítimas das muitas loucuras, tensões e incompreensões que têm dominado o mundo desde aquele longínquo 9 de agosto de 1945 em Nagasaqui, uma história de gente que conviveu com culturas e religiões bem distintas e mesmo assim foram capazes de amar, sofrer, proteger-se e ferir-se entre si. 
Apesar dos reais acontecimentos bélicos associados a violência como pano de fundo, Sombras queimadas é um romance que junta uma escrita elegante e suave, à paz e ternura emanada da protagonista que enche assim toda a obra de um sentimento calmo e nostágico de uma saga com duas famílias que se protegem e se destroem mutuamente ao longo de 60 anos, que sofrem mais do que compreendem o que se passa em cada momento. Uma magnífica obra que recomendo.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

"Deixa o Grande Mundo Girar" de Colum McCann


A partir de um facto real ocorrido em 1974, a travessia não autorizada de um funâmbulo por um cabo entre as duas torres gémeas do World Trade Center em Nova Iorque, Colum McCann desenvolve um conjunto de histórias independentes que de uma forma ou outra, no tempo ou no espaço, se cruzam ou foram tocadas por este ato assombroso e prosseguem depois o seu curso natural em coerência com A múltiplas estórias vai montando um retrato da diversidade social, cultural, étnica, económica e geográfica da cidade com as suas desconfianças, feridas e dores do povo de Nova Iorque de então, que permite compreender o mundo já no século XXI, pois, tal como uma das personagens explica "Por vezes temos de subir a um andar muito alto para ver o que o passado fez em nós".
O romance com um estilo de escrita fácil e realista tipicamente norte americano, onde se evidencia a influência de Don DeLillo ou Jonathan Franzen, mostra gentes com uma certa angústia existencialista e desnuda a sociedade e a cidade, expondo, com crueza, as suas injustiças e onde praticamente todos são de alguma forma vítimas neste mundo que continua a girar.
O romance foi premiado com o National Book Award de 2009, e gostei apesar de atravessado por uma quase permanente tristeza mas compensada por uma ternura quase omnipresente.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

"1984" George Orwell


O romance "1984", de George Orwell, é uma "sátira" ou um alerta sobre até onde os totalitarismos de meados do século XX poderiam levar a humanidade.
A obra de 1949 projeta um futuro sombrio em 1984, onde a revolução para criar uma sociedade sem classes foi subvertida com o fim único de se preservar como poder com o controlo total das ameaças ao edifício político construído. Ironicamente gera-se outra estratificação, a grande maioria continua esmagada, a prole; uma minoria faz de classe média e apoia uma ínfima parte que domina uma sociedade que se tornou globalmente mais pobre e onde os escassos privilégios para o topo são valorizados.
Com três máximas: guerra é paz, liberdade é escravidão e ignorância é força; explicadas em livro; com a criação de uma novilíngua que limite o pensamento por falta de conceitos que sirvam a argumentação da contestação; e com uma verdade oficial trabalhada; a classe dominante, com um mítico líder o "grande irmão" vigia tudo e todos, de facto não a prole que por si só não é um perigo.
O livro centra-se num protagonista da classe média, cuja profissão é alterar os arquivos da história para os acomodar à verdade do presente as vezes que for necessário, cuja memória questiona o presente e o passado e busca seres com dúvidas, cujo controlo deteta e o vai transformar para que no seu íntimo acredite que a verdade do partido é absoluta e rejeite até a incoerência desta com as recordações, a lógica e a verdade científica.
Este excelente romance é um perfeito complemento a "O Maravilhoso Mundo Novo" de Aldous Huxley, onde era a técnica para a predestinação e a alienação que tornava os seres apáticos e a aceitarem a sua distopia; agora é a psicologia através da omnipresença da vigilância, o controlo absoluto da mente e da informação que o faz a pessoa acreditar na verdade oficial e até temer a dúvida. Um magnífico livro, um bom suporte à reflexão sobre as estratégias para a instalação e preservação do totalitarismo absoluto.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

"Número Zero" Umberto Eco


"Número Zero" é um pequeno romance publicado já este ano por Umberto Eco, neste, em estilo de paródia, o escritor disserta sobre como fazer mau jornalismo e utilizar esta atividade como ferramenta de pressão sobre personalidades e manipulação social, isto através da preparação de uma nova equipa editorial contratada para a emissão de um novo título de jornal e a "publicar" precisamente com este último objetivo.
Em paralelo, um dos jornalistas da equipa na sua investigação histórica acredita ter descoberto uma conspiração e efetua uma reinterpretação de notícias passadas, sobretudo na Itália, desde o fim da II Grande Guerra que tem como base a hipótese de sobrevivência de Mussolini e o seu uso como ídolo capaz de estancar a expansão comunista durante a guerra fria. Assim ligam-se numerosos atos terroristas e situações aparentemente isoladas numa teia que envolve políticos, guerrilhas de esquerda e de direita, igreja, forças de segurança nacionais e de inteligência internacionais e até guarda-florestais, no fim sentimo-nos usados numa manipulação social dos destinos dos Estados. Curiosamente um relacionamento amoroso na equipa que envolve alguém hipoteticamente mais sentimental e com perturbações é capaz de dar alguma racionalidade a esta loucura narrativa.
Umberto Eco já não surpreende, pois usa a mesma fórmula conspirativa de organizações secretas em outras obras anteriores, como no Cemitério de Praga e no Pêndulo de Foucault, e como o atual romance é demasiado centrado na Itália muitos elementos da história  perdem-se na memória de quem não conhece bem os acontecimentos ocorridos naquele país no último meio século, originando uma cadeia louca que por vezes me cansou ou me perdi, mesmo assim tem o interesse de mostrar como a comunicação social pode manipular o modo de pensar da sociedade muito além da real verdade dos factos.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

"Uma verdade incómoda" de John le Carré


A minha estreia em obras de John le Carré teve o mérito de mostrar que existem escritores de sucesso popular capazes de escrever thrillers, policiais e histórias de espionagem que vão muito para além do mero suspense que criam no leitor e são capazes de levantar questões, fazer retratos da sociedade contemporânea e de denunciar muito do mal que a domina.
"Uma verdade incómoda" ou "delicada" como no título original é isso mesmo, um romance que depois de relatar uma operação secreta que mistura ambições políticas individuais com interesses privados, tem danos colaterais que importa esconder ao comum cidadão, pisando para este objetivo todos os princípios que a democracia tem por critério pautar-se.
Sendo uma obra recente e passada na atualidade, o romance denuncia muito da hipocrisia socioeconómica presente e não se coíbe em criticar o que foram os efeitos desastrosos das opções estratégicas para o Iraque no tempo de Blair e toda a panóplia de interesses e de preconceitos religiosos hipócritas que minam presentemente os ultraconservadores dos Estados Unidos, isto numa história cujo enredo está muito distante destas matérias e tem como base uma perseguição entre quem quer mostrar a verdade e o poder que a pretende esconder.
Como normalmente acontece com romances de espetro mais popular e suspense, a escrita é fácil, mas escorreita e realista e como tal recorre à gíria banal sem recursos estilísticos muito elaborados, mesmo assim gostei da obra e recomendo a qualquer leitor, inclusive aqueles que têm receio de livros eruditos e complexos.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

"A crónica de Travnik" de Ivo Andric



"A crónica de Travnik" do escritor Ivo Andric - Nobel de 1961, um croata da Bósnia que se sentia jugoslavo e passou a escrever em servocroata - que acabei de ler, é de facto mais uma crónica do que uma trama de relações entre protagonistas e auxiliada por entidades secundárias comum a um romance tradicional. O livro mostra pelos olhos do cônsul francês - uma personalidade que vibrou em criança com a monarquia absolutista e depois se converteu em jovem às ideias liberais napoleónicas e que busca o caminho certo que não encontra, o que o torna inseguro - a forma de ver a vida de Travnik no período de abertura e fecho do consulado nesta cidade bósnia durante as guerras napoleónicas para defender os interesses do império que representava. 
O livro além de ser uma obra com uma escrita muito agradável, é um desfile de personagens que retratam a miscelânea de católicos, ortodoxos, judeus e muçulmanos sob o domínio turco numa pequena cidade onde confluem desconfianças entre religiões, choques de cultura entre ocidente e o oriente e ainda onde através da diplomacia se jogo interesses entre impérios que se atropelam para conquistar mais poder, sem esquecer as visões da realidade fruto da juventude, maturidade e velhice.
Nestes tempos conturbados e de choque de mentalidades, decorreram períodos ternurentos, outros deprimentes e inclusive do horror típico de quando o poder toma a rua com culturas que se odeiam ou de quando o terror é usado como uma arma. Gostei do livro e comecei a compreender o que foi de facto o rastilho da ainda recente guerra dos Balcãs. Mais do que uma lição de história, este romance é uma mostra do choque de gerações, de mentalidades e de culturas e por isso ajuda a compreender melhor de modo diplomático os conflitos do mundo em que vivemos.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

"Admirável mundo novo" de Aldous Huxley


"Admirável mundo novo" de Aldous Huxley é um romance sobre um futuro distópico onde as ciências são colocadas não ao serviço da verdade, mas para cimentar uma sociedade estável onde cada indivíduo é sujeito a um condicionamento psicológico desde a sua gestação em cadeia extra-uterina, para não ser afetada por relações sentimentais de laços familiares, bem como através de uma produção programada biofisico-quimicamente que gera seres predestinados a preencher a estrutura da sociedade conformes às necessidade coletivas e adaptados à classe a que se destinam ou tarefas a realizar e ainda mentalmente controlados e educados para se sentirem realizados nesse posto, servindo-lhes ainda alucinógenos sem ressaca para fugirem a qualquer perturbação psicológica, além de uma desinibição sexual para não permitir elos amorosos consistentes, criam-se assim seres acomodados à sua situação sem liberdade de a questionar, embora felizes na sua demência.
Num prefácio de 1946, na celebração da edição dos 20 anos da sua obra, Aldous Huxley escreve os elementos de referência que enquadram o romance: "Um estado totalitário verdadeiramente eficiente será aquele em que o todo-poderoso comité executivo dos chefes políticos e o seu exército de diretores terá o controlo de uma população de escravos que será inútil constranger, porque todos terão amor a sua servidão."
Texto que penso ser claro para descrever o conteúdo  deste Admirável Mundo Novo, em que Deus foi substituído pela criador do trabalho em cadeia Ford e onde Shakespeare (de onde é tirado o nome do romance) é desconhecido por ser pernicioso a estas crianças felizes na sua ignorância, contudo no planeta preservam-se relíquias do passado em reservas onde a realidade também não era perfeita, onde um Selvagem tem como referência cultural principal o autor de Hamlet, mas o contacto viabilizado entre estes dois mundos também não foi positivo. Uma obra-prima intemporal e um clássico no seu género literário.

domingo, 2 de agosto de 2015

"A cidade dos prodígios" de Eduardo Mendoza

Disponível aqui
"A cidade dos prodígios" foi o primeiro livro que li do barcelonês Eduardo Mendoza, onde o escritor cria uma personagem que de miserável fugido da Catalunha rural para a capital da província se torna numa das personagens mais ricas e importantes da cidade e de Espanha, servindo a narração desta ascensão e decadência para contar a história de Barcelona sobretudo entre a decisão da organização da Exposição Universal de 1888 e a inauguração da de 1929 nesta mesma terra.
Assim, misturando personagens reais, desde políticos do país e da cidade, bem como artistas locais e mundiais, de Gaudi a Mata Hari, usando factos históricos, alterando outros e ficcionando muitos, incluindo fantásticos hagiográficos, neste romance Barcelona é de facto a personagem principal do livro e esta serve de suporte ao protagonista que vai de propagandista ignorante e miserável da causa anárquica, passando a pequeno delinquente e vai até chefe de gangue, criminoso a capitalista influente que mesmo nos períodos difíceis nos é simpático.
Com uma série de personagens ficcionadas com interessantes retratos psicológicos e uma análise crítica e irónica de acontecimentos históricos Eduardo Mendoza constrói um excelente livro e uma magnífica homenagem e retrato físico de Barcelona. Gostei muito e recomendo.

domingo, 26 de julho de 2015

"Anna Karénina" de Lev Tolstoi

O romance "Anna Karénina" é muito mais que a mera narração da paixão avassaladora desta exemplar senhora de sociedade por Vronski e do seu adultério assumido: cuja relação egoísta evolui para a desilusão, rejeição social e acaba em tragédia; pois é também o relato paralelo da história contrastante do amor de início inseguro de Kontantin Levin por Kitty, que pelo altruismo prossegue num crescendo para a felicidade integração social e serve a Tolstoi de contrapeso moral.
Entre estes dois casos de igual importância no romance, há um conjunto de personagens, alguns constituindo casais, que unem os protagonistas e servem para: denunciar a hipocrisia da vida em sociedade; a desigualdade de tratamento na infidelidade do homem e da mulher na nobreza; as virtudes da maternidade num casamento; o possível aproveitamento dos valores cristãos para o desrespeito humano; a futilidade da vida urbana face à utilidade da atividade rural; os vícios de domínio das classes sociais mais poderosas face às dificuldades do povo; as questões filosóficas da existência de Deus, da crença contra a razão e dos valores éticos e morais e discute-se ainda as potencialidades e condicionantes do desenvolvimento económico e cultural da Rússia em comparação com as outras potências da Europa. O livro é um tratado profundo de muitos problemas e desonestidades que minam as relações humanas e um louvor ao amor altruísta e um crítica à paixão egoísta. Um grande romance que é uma obra-prima e muito maior que uma mera estória romântica.
Nesta edição há posfácio de Nabokov, este reabre o dilema de qual é o maior escritor: Tolstoi ou Dostoiévski; este russo não tem dúvida em colocar o autor de Anna Karénina por cima, eu pessoalmente, além de outros aspetos em que discordo do que ele escreve, mantenho que não consigo decidir quem é de facto o maior de entre estes dois grandes vultos da literatura russa.

domingo, 12 de julho de 2015

"Os Demónios" de Fiódor Dostoievski


"Os Demónios" será outro livro de Fiódor Doistoievski  que me vai deixar marcas profundas na minha carreira de leitor e apesar de parecer menos citado que outras obras deste escritor russo, como: "O Idiota" e o "Os Irmãos Karamazov" já dissertados neste blogue, a verdade é que pelo tema e estrutura, despertou-me um interesse não inferior aos acima citados e ainda levantou-me questões sobre o mundo atual.
Depois do romance apresentar algumas personalidades de uma cidade provincial russa, dois revolucionários clandestinos voltam a esta terra natal com a missão de ali criar um núcleo de agitadores, fundado numa estratégia de luta nacional e internacional. Um destes, sem qualquer escrúpulo, aproveita a situação para além de agitar a vida social local e destruir o governo provincial, implementar ainda com uma estratégia despudorada para cimentar o núcleo clandestino em desrespeito à ética, vingar-se em alguns elementos do grupo por questões pessoais e até servir-se de filosofias individuais em proveito próprio e dos ideais políticos que propõem.
Dostoievski, como normal na sua obra, cria personagens complexas, psicologicamente extremadas e coloca-as intervenientes numa sociedade onde se denunciam os seus defeitos e a forma de pensar e agir russa. Reúne assim figuras contraditórias em situações de debate e choque de ideias com uma elevadíssima carga dramática características de representações teatrais e desencadeia uma série frenética de acontecimentos que acaba em catástrofe.
Alguns debates são profundamente filosóficos: a importância de um suicídio racional de um ateu para demonstrar a inexistência de Deus, este, em paralelo, levanta questões éticas ao servir de aproveitamento para fins de guerrilha. Outros desenvolvimentos mostram o choque de consciência moral entre a pureza das ideias, os meios para as implantar e a manipulação despudorada de pessoas aderentes à causa para se alcançar o objetivo pessoal em detrimento do político e social. Um livro que em paralelo leva a refletir sobre a confusão que reina na Europa atual

quarta-feira, 1 de julho de 2015

"Arquipélago" de Joel Neto


"Arquipélago" de Joel Neto despertou-me a curiosidade por ser uma obra recente, escrita por um Açoriano, tratar-se de um romance ambientado a esta região insular que habito e por acompanhar parte da atividade cronística e interventiva do seu autor.
Considero este romance uma obra diferente do habitual que se publica não apenas nestas ilhas, como inclusive ao nível nacional, foge ao estilo preponderante do que vai saindo no panorama literário de Portugal. Gosto de originalidade em detrimento da onda avassaladora que se submete às tendências de uma época e tende a homogeneizar tudo o que entretanto vai saindo num dado período e neste aspeto "Arquipélago" é de facto diferente e segue um estilo próprio.
"Arquipélago" é um romance que em simultâneo conjuga divulgação da cultura e beleza Açoriana, a história e os mitos que pululam por estas ilhas (com destaque na Terceira), o amor, a magia, o crime, a investigação, a denúncia de problemas sociais e inclusive inclui casos e situações reais bem como especulações recentes propagadas na comunicação social insular sobre determinados vestígios patrimoniais existentes nos Açores. Levantando questões que provável e intencionalmente nem sempre são respondidas no livro.
Penso que Joel Neto poderia ter caracterizado melhor o falar terceirense, mesmo assim, o estilo de vida desta ilha está magnificamente caracterizado. A obra tem um desenrolar cronológico algo incomum, começa num momento perto do último quartel do século passado, estende-se até ao presente ano, penetra no próximo e depois tem um epílogo a descrever os dados mais marcantes dos protagonistas nas próximas décadas e pelo meio saltita por vezes entre estes momentos e outros mais recuados. Literariamente sinto que não atinge o nível de duas das minhas referências da literatura Açoriana: "Mau tempo no Canal" de Vitorino Nemésio e "Gente Feliz com Lágrimas" de João de Melo, mesmo assim, penso que pode tornar-se num dos romances que melhor caracterizam estas ilhas e as suas gentes. Valeu a pena esta leitura... e recomendo sobretudo a quem pretender conhecer as tradições mais Açorianas e as gentes destas ilhas.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Férias: Expo Milão 2015

Milão surge nesta rota por ter sido a porta de entrada e saída na minha viagem para Florença e Toscânia e a estadia foi para tentar ver a Última Ceia de Da Vinci, objetivo novamente não conseguido, mas deu-se a coincidência de estar a decorrer a Expo Milão 2015 e esta feira internacional recordar-me os tempos que Portugal se achava cheio de esperança e se aventurou com a Expo Lisboa 98 e por isso serviu a visita para termos de comparação, se na capital das descobertas o tema foi os oceanos, aqui no coração industrial da Lombardia o tema é a Alimentação, sob o lema "Nutrir o Planeta, Energia para a Vida".
Espero depois refletir neste blogue as impressões de um dia nesta expo 17 anos depois de Lisboa e ver os seus reflexos na Milão de hoje.

sábado, 20 de junho de 2015

Férias Toscânia: Pisa e a torre inclinada ou a importância da geotecnia

Torre de Pisa, imagem daqui

Este blogue nasceu com a divulgação da geologia como um dos seus temas principais e destinada a dar a conhecer neste campo o Faial e demais Açores, com o tempo este campo tem praticamente desaparecido  por já ter dado o fundamental sobre a ilha onde vivo, mas sou sempre geólogo e juntar curiosidades geológicas com lazer, sobretudo viagens e cultura é um dos meus prazeres e por isso na visita a Pisa não posso desperdiçar esta oportunidade.
A cidade de Pisa, a terra de Galileu Galilei, é conhecida sobretudo pela sua torre inclinada, onde o cientista fez a experiência sobre a queda dos graves, o desvio da vertical neste monumento resulta do facto de na época não ser regra efetuarem-se estudos geotécnicos para se compreender a reação das rochas quando sujeitas à carga vertical resultante da implantação de um edifício sobre elas, é que nem todas se comportam de igual modo e curiosamente, apesar da pequena área da torre desta basílica, sobre existem sobretudo dois tipos de espessuras de camadas de rocha e graus de saturação de água e a altura implicou  desta estrutura implicou uma peso significativo tendo as duas espessuras e quantidade de água reagido de forma diferente, uma compactando-se mais do que a outra e assim o chão que servia de suporte desta desceu de modo mais acentuado levando à inclinação da torre. Hoje não há grande construtora que não tenha antes do início do arranque de um projeto, quer seja edifícios com uma dimensão significativa como arranha-céus ou um mero pavilhão de exposições, barragens e até estradas que não faça sondagens mais ou menos complexas para conhecer as rochas subjacentes e o seu comportamento geotécnico ou reológico tendo em conta o peso a que ser sujeita e os efeitos que tal pode ter na construção de modo a se corrigir eventuais problemas atempadamente.
Tudo isto faltou em Pisa, a cedência continua e foi preciso uma intervenção geotécnica e de engenharia civil para evitar o colapso da torre cuja inclinação prosseguia de modo contínuo, mas agora chegou o momento de ir explorar a cidade e a sua atração turística.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Férias Toscânia: Siena, em busca da cidade medieval italiana

Siena e os seus princípais símbolos- imagem daqui

Siena é outra cidade património mundial por o seu centro preservar a arquitetura e o planeamento de uma grande cidade medieval. Infelizmente tal resultou do facto desta então importante terra ter sido muito afetada pela peste negra o que fez perder a sua grande dinâmica política e económica na Toscânia, ao contrário de Florença, estagnando assim no tempo o que permitiu preservar todo o seu centro histórico tornando-o num autêntico museu vivo.
Agora falta-me explorar este património, a sua praça e o seu belíssimo duomo. 

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Férias Toscânia - Florença: o berço do Renascimento

Florença: imagem daqui

Florença foi uma das cidades que mais cedo desejei visitar, contudo, talvez tenha levado mais de uma década entre a decisão e a programação da visita, mas depois de ter passado rapidamente por Veneza, reconheci que não poderia passar mais tempo para comparar aquelas que artisticamente e arquitetonicamente devem ser as duas cidades mais marcantes da Itália.
Espero neste berço do renascimento e património mundial, não só conhecer a arquitetura como arte, como os grandes Giotto, Boticelli, da Vinci, Michelangelo Buonarroti e Caravaggio e outros artistas que viram projetada a sua luz genial através da família Medici na terra do grande Dante cuja obra-prima, "A divina comédia" já li e também de Maquiavel.
Sendo esta a capital da Toscânia, à qual cheguei de comboio para conhecer a paisagem entre a Lombardia e esta cidade, e estando numa das províncias mais cosmopolitas deste país, penso ainda visitar, pelo menos duas das cidades com património conhecido mundialmente e ainda na minha rota operática ter mais um grande momento musical, agora com um obra suis generis e como vai sendo curiosamente hábito, na Itália não ouço óperas italianas.
Espero assim ao longo desta semana colher impressões suficientes sobre a vida atual, a gastronomia e o estado da arte da cidade de Florença e da província da Toscânia.


sábado, 13 de junho de 2015

"O tempo morto é um bom lugar" de Manuel Jorge Marmelo


"O tempo morto é um bom lugar" de Manuel Jorge Marmelo, autor que só conhecia de contos publicados em jornais, foi o primeiro romance que li deste escritor/jornalista que se encontra entre os autores atuais com maior projeção pública no meio editorial nacional.
É um romance sobre a atualidade social, cultural e económica de Portugal e aproveita-se da ideia algo corrente quando se olha o País de que é bem mais agradável a vida na prisão do que a luta do cidadão comum para sobreviver.
O livro divide-se em três partes: Na primeira um jornalista, desempregado e preso, narra as razões da prisão: o assassinato de uma celebridade de um "reality show" com quem teve uma relação na sequência de lhe ter sido encomendada a feitura de uma autobiografia, que nunca chegou a escrever, e descobre que o tempo morto na cadeia é bem mais vantajoso que o da liberdade. Na segunda descobre-se o suicídio do jornalista e conhece-se a pretensa vida da celebridade, os problemas que enfrentou desde criança até à mudança de vida e as potencialidades do sonho da fama. A última cobre uma investigação jornalística sobre quem terá morto a jovem e quem terá sido de facto o autor da autobiografia póstuma.
Estas partes  têm relatos paralelos e denunciam os problemas que a sociedade portuguesa atravessa: acusações políticas que se subentendem os destinatários, a vacuidade do mundo mediático e as dificuldades do cidadão comum. A escrita não é alheia ao estilo jornalístico, mas é interessante e apesar de se narrarem dificuldades, o tom irónico tira o carácter deprimente às situações, embora a obra só seja conclusiva no aspeto de ser uma forma de se chorar o Portugal do presente. Gostei e, mesmo tendo em conta que é um retrato frio e duro da conjuntura atual, é de leitura fácil. 

segunda-feira, 8 de junho de 2015

"O livro de Jón" de Ófeigur Sigurdsson


"O livro de Jón", do Islandês Ófeigur Sigurdsson, é um romance epistolar constituído por mais de duas dezenas de cartas escritas por Jón à sua mulher durante o período da erupção do vulcão Katla de 1755 (a maior que há memória nesta ilha desde o povoamento e que teve um impacte climático planetário) e enquanto se encontrava refugiado numa gruta a sudeste deste, por um motivo pessoal e anterior à catástrofe, no local onde não só construiu a sua habitação, como inclusive um hospital e acolheu alguns dos maiores cientistas e pensadores daquele povo naquela época.
Apesar de ser uma obra ficcional, grande número das personagens, incluindo Jón, tiveram existência real e o autor aproveita este estilo não só para descrever muitos dos problemas sociais, económicos e políticos da Islândia de então, como mostrar a mentalidade, usos e costumes deste povo insular e ainda fazer uma descrição literária da erupção do Katla e dos seus efeitos catastróficos, inclusive responsabilizando-a do terramoto de Lisboa igualmente descrito com grande força. Contudo a obra mistura realidade, sonhos e uma natureza que por vezes é mágica.
A escrita é acessível, muito poética, sentimental e o romance é pequeno, embora por vezes os parágrafos seja extensos, só não temos o eco das cartas na mulher amada, nem se vem a saber se de facto estas chegaram à destinatária. Gostei da obra e recomendo, até pela descrição da erupção, sobretudo das enxurradas glaciares resultantes do contacto do magma quente com a calote de gelo que cobre a ilha nesta zona, originando assim os "jökullhlaups", vivamente descritos no livro.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

"Grande Sertão: Veredas" de João Guimarães Rosa


Mergulhei no romance "Grande Sertão: Veredas" de João Guimarães Rosa logo no dia em que o adquiri numa publicação fac-similada da primeira edição no Brasil de 1956 e efetuada pela loja do jornal Público na coleção "800 anos de literaturas em Português". Este interesse na obra, há muito tempo esgotada em Portugal, resultava do facto desta estar qualificada como um dos trabalhos de ficção mais importantes escritos em Português e, inclusive, uma das obras de literatura mundial mais significativas de todo o século XX.
Em primeiro lugar saliento que gostei muito da trama: as memórias de Riobaldo narradas a Quelemén sobre o tempo em que fora jagunço e chegara a liderar um grupo na caça de um assassino de um chefe seu exemplar. Uma época em que se apaixonou por Diadorim, uma personagem travestida de soldado, em que sentia o dilema da paixão face os complexos de masculinidade e assumia o seu amor consentido pela distante e bela Otacília, período que lhe levantou questões sobre o bem, o mal, o Diabo a realização ou não de um pacto com este e até a dúvida sobre a existência deste ou não.
O romance não é uma estória linear: algumas das dúvidas sobre o bem, o mal e o demónio no protagonistas são lançadas ao ouvinte da narração, colocadas à reflexão por Riobaldo no texto que, em paralelo, também expõe os seus problemas morais e sentimentais e obriga-se a viajar no tempo para justificar determinados momentos da sua saga contra o inimigo e, em paralelo, descreve de uma forma poética a paisagem do sertão, as suas veredas, os seus rios e as suas gentes.
Guimarães Rosa utilizou no romance o modo de expressar sertanejo: vocábulos e sintaxe alterados pela linguagem popular, neologismos do escritor, regionalismos e ainda apresenta as espécies da fauna e flora da zona de Goiás, Minas Gerais e Baía como elementos simbólicos do carater das personagens, o que torna o texto num rendilhado complexo  que obriga a uma atenção intensa para quem não domina nenhum destes campos como eu e não estava prevenido para este estilo. Gostei do romance, embora por vezes tenha sido esgotante chegar à compreensão do conteúdo escrito e sei que nem tudo foi apreendido. Um livro que recomendo a quem além da magnífica estória, está disposto ao esforço de atenção e descoberta do que se esconde por detrás deste difícil texto. 

domingo, 17 de maio de 2015

"FOME" de Knut Hamsun


Compreendo que "Fome", do laureado norueguês com o prémio Nobel Knut Hamsun, publicado no distante ano de 1890, tenha provocado uma revolução literária na época onde na literatura se cruzavam as influências naturalistas de Zola e realistas de Balzac, pelo as questões sociais enquadravam as tramas da ficção, mas eis um romance onde protagonista, no início da sua carreira de escritor, opta por sobreviver com fome e tentar escrever artigos para os jornais na perspetiva destes os aceitarem e daí obter rendimentos que lhe permitam comprar o seu sustento e alojamento.
A fome passa então a ser a principal companheira do artista, que vai relatando a sua vagabundagem miserável pelas ruas de Kristiania (Oslo), descrevendo as suas sensações físicas fruto da sua carência, os contactos com personagens da cidade e, sobretudo, salientando a sua dignidade, onde se recusa a pedir ou a aceitar esmola ou até em ser beneficiado por um ato que considere manchar a sua dignidade, lutando pela preservação da sua honra e correção, embora por vezes se martirize por deixar-se cair em tentações e maldades. 
Assim a sua vida de fome por vezes é interrompida por algum trabalho aceite e pago, outras vezes quase desfalece por imperativo da fome, mas chama a si todas as culpas do seu mal, não há um juízo social, não há denúncias de imperfeições do sistema em que vive. São divertidas a sua forma de ironicamente perder as oportunidade de se alimentar no seu esforço de preservar a sua dignidade, mesmo com roupa por lavar e com falta de peças para completar o seu vestuário e no fim da obra, uma saída talvez surpreendente para quem acompanhou este homem de que nunca se chega a saber o seu verdadeiro nome. Gostei, é de fácil leitura e recomendo.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

"A condição humana" de André Malraux



"A Condição Humana" de André Malraux  foi um dos livros que mais dificuldade tive de ler nos últimos tempos, apesar de ter gostado da obra, bem como dos temas tratados.
O autor, através de reflexões colocadas pelas personagens no seio de uma guerra civil histórica, mostra a ação de diferentes tipos de lutadores comunistas em Xangai, que interagem com gestores de interesses económicos franceses e oportunistas que negoceiam a sua sobrevivência financeira no ambiente instável da implantação da república da década de 1920 na China e a sua tentativa de emancipação das potências ocidentais.
Surge assim uma série de quadros que decorrem ao longo de horas ou distanciados de dias, que se completam como num puzzle e no fim dão uma imagem multifacetada dos dilemas que se coloca ao idealista que luta (neste caso, literalmente) pelas suas ideias, põe em risco a sua vida e depois se sente traído face a um conjunto de interesses políticos e económicos da teia nacional e internacional. No meio da solidão a que o guerrilheiro se sente votado, no desespero e dúvida, para alcançar um fim, verifica, tal como Lampedusa escrevera, que foi carne para o canhão da mudança para tudo ficar na mesma. Uma fatalidade? Isto, para um idealista desiludido como eu, é um osso duro de roer.
Não li na língua original, mas numa tradução de Jorge de Sena, o que me leva a perguntar como será mesmo a escrita de Malraux: nesta versão há uma densidade de reflexões reunidas por uma floresta de vírgulas, ponto e vírgulas, dois pontos e parêntesis que muitas vezes me fizeram perder no emaranhado deste arvoredo de pontuação e de ideias. A maior dificuldade que senti foi mesmo adaptação ao forma do texto. Na verdade foram raras as páginas que não tive de voltar atrás para saber quem pensava o quê e o que pensava mesmo, mesmo assim, nem sempre fiquei convencido que estava a seguir o trilho certo. Apesar disto. Gostei da obra, das reflexões, do encontro de culturas e dos choque entre ideologia e a realidade.

terça-feira, 28 de abril de 2015

"A Peste" de Albert Camus


"A Peste" de Albert Camus, prémio Nobel de 1957, fica entre os livros mais marcantes que li. Não só por ser um magnífico romance ao abordar a questão do Homem em sociedade face a desafios extremos, estar muito bem escrito, mas também, por desenvolver um tema que me é caro: a catástrofe pública e o exílio duma comunidade; que me recordam a situação de ter sido sinistrado de um sismo, responsável e residente de campos de acolhimento de desalojados.
"A Peste" narra o viver da cidade, Orão, Argélia, até o aparecimento da epidemia infetocontagiosa, o longo período de quarentena da sua população e os comportamentos no desaparecimento da doença, vistos pelos olhos de um médico que lutou e enfrentou o problema, em combinação com as memórias das pessoas que com ele trabalharam na crise.
Desde o surgir da doença no livro que me vieram os paralelismos com "Ensaio sobre a cegueira" de Saramago, que li antes do sismo na minha comunidade. Neste predomina a ação entre quem ficou doente e segregado da sociedade. Camus destaca as relações humanas em quem procura proteger a comunidade da peste. Nos dois há um exílio do resto do mundo, só que agora é duplicado: da equipa face aos doentes e dos ainda saudáveis com o mundo exterior.
Interessante as mudanças de comportamentos em consequência da situação: o casal que vivia uma relação distante que separados pela quarentena preferem se juntar, o Padre que aproveita a doença para pregar o arrependimento mas cujo sofrimento maior de uma criança inocente altera a sua visão, o que tenta furar o cerco para ir ter com a sua paixão e se converte a dedicar ao combate, o que definha com a esperança do fim da luta à doença. A  moral, a ética e a crença são assim abordadas em moldes filosóficos não cansativos.
Ficou-me a certeza que, pela duração, uma epidemia, tal como uma longa guerra são bem mais desgastantes que uma catástrofe momentânea que passa, mas ambas deixam feridas e mudam a pessoa humana para sempre à custa da dor que deixam. Excelente romance.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Dia Mundial do Livro - As minhas escolhas das leituras de um ano

No Dia Mundial do Livro já é tradição eu expor uma seleção das obras que mais me marcaram ao longo dos últimos 12 meses. Este ano correspondeu à leitura de várias dezenas de obras, desde o romance, novela e conto, passando por obras contemporâneas a clássicos anteriores ao século XX, só para falar do tipo de literatura a que tenho dedicado este blogue, contudo não é uma escolha fácil e nem eu próprio estou seguro se noutro dia não escolheria livros diferentes, mas no balanço do momento, eis as opções que tive:

Romance nacional
"A Quinta essência" de Agustina Bessa-Luís.

Não é uma obra de leitura fácil, tal é a densidade de ideias e pormenores expostos neste "A quinta essência" e onde se mostra a importância e o choque do encontro de culturas entre Portugueses e Chineses ao longo dos últimos 500 anos e tendo como base Macau, aqui se vê que a pretensa superioridade do ocidente no final é bem mais fraca face à riqueza do conhecimento e tradição oriental. Um livro que nos ensina muito e inclusive existem mulheres orientais bem fortes ao contrário do que se pensa na Europa.

Novela/conto em expressão lusófona
"O Alienista" de Machado de Assis

A categoria de novela surge pelo facto de que a obra que mais me impressionou, entre todas de ficção escritas originalmente em Português, foi um conto/novela, uma história do tipo alegoria, cheia de crítica sociopolítica com mais de um século mas que se mantém plenamente atual. "O Alienista", a brincar, dá-nos uma grande lição para compreendermos a mentalidade lusófona, com todos os seus defeitos. Brilhante, de extrema facilidade de leitura e pequena dimensão, uma pérola literária.

Romance em língua original estrangeira
"Mataram a Cotovia" de Harper Lee

No campo de literatura lida e proveniente de vários países e línguas e escritas no século XX e XXI a escolha não foi fácil, hesitei entre este pequeno e magnífico romance, onde através dos olhos de uma criança vê a luta do pai pela justiça e os riscos que tal acarreta numa sociedade racista. "Mataram a Cotovia" pequeno romance é uma escolha pessoal hesitante pois tanto poderia ter recaído em "Tudo o que sobe deve convergir" (uma coletânea de contos), "A leste do Paraíso", "O deserto dos Tártaros", ou "O coração das Trevas", mas esta seleção é de uma e não mais obras, fica por isso aqui a menção das que coloquei a igual nível.

Clássicos da literatura ocidental
"A educação sentimental" de Gustave Flaubert

Muitos leitores limitam-se a ler obras mais recentes e perdem a memória de obras escritas noutras épocas que moldaram as mentalidades contemporâneas e influenciaram grandes escritores posteriores, para que não se perca a oportunidade de conhecer os marcos da história da literatura, tento conhecer obras de séculos passados que se tornaram clássicos pela sua qualidade e referência cultural. Foram várias as obras que me marcaram do século XIX, mas pela informação histórica, pela estilo moderno da escrita e análise social que ainda se mantém atual "A educação sentimental" foi a escolhida.

Este ano estranhamente não li nenhuma obra de literatura Canadiana e como tal este tópico fica vazio, não por falta de qualidade, apenas ausência de leituras neste capítulo, mas assumo que é o Canadá tem uma riqueza literária que merecia ser melhor conhecida.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

"A cor do hibisco" de Chimamanda Ngozi Adichie

Esta foi a minha primeira entrada num mundo de produção literária africana subsaariana não lusófona e confesso que fiquei agradavelmente surpreendido.
"A cor do hibisco" de Chimamanda Ngozi Adichie é o relato da experiência da protagonista da passagem de adolescente à juventude/vida adulta, cujo pai, industrial e rico, é fanaticamente católico, numa comunidade nigeriana em colapso económico, político e social, onde coexiste a pobreza extrema, o racionamento de bens e ainda nas famílias alargadas persistem pessoas de religiões tradicionais e outras que equilibram as visões cristãs com as tradições pagãs que aparam os choques destes encontros com um humanismo que o extremismo bloqueia.
A escritora toca os sentimentos e confusões típicos da adolescência, enquanto sem se inibir, questiona algumas regras católicas sem as julgar, põe a nu, de forma dura, os excessos fanáticos e choques culturais religiosos e ainda denuncia a corrupção política que coloca o povo nigeriano na miséria num Estado onde alguns usam o dinheiro público em proveito, próprio recorrendo mesmo à violência para alcançar os seus fins, enquanto outros, cheios de valores e bom-senso, se tornam vítimas e se veem forçados a emigrar.
O romance está muito bem escrito, numa narrativa sem preocupações de criatividade modernista que perturbem a leitura, embora tenha muito léxico e frases comuns da língua ibo, mas de tal forma integrados que o leitor não se perde e quando necessário existe a adequada tradução englobada no texto de uma forma natural. Gostei muito do romance e espero ter oportunidade de ler outras obras desta escritora de grande sensibilidade e potencial literário elevado.

sábado, 18 de abril de 2015

"Tudo o que sobe deve convergir" de Flannery O'Connor



Acabei de ler a conjunto de nove contos de Flannery O'Connor reunidos no livro "Tudo o que sobe deve convergir", adorei a escrita e a forma destas pequenas histórias, com 30 páginas em média cada, todas com personagens complexadas e onde se expõe, de uma forma crua e dura, os preconceitos sociais do racismo e da obsessão religiosa no sudeste dos Estados Unidos.
Apesar da omnipresença do preconceito e de relatos de fím trágico em quase todos as histórias, o livro não é deprimente devido à qualidade da escrita e de até estar presente alguma ironia ou humor de forma subtil nos relatos.
A estrutura perfeita dos contos em termos de duração da história, a tensão psicológica no protagonista, personagens que são cidadãos simples da sociedade rural ou de pequenas cidades e a qualidade do conjunto fizeram-me recordar a laureada com o Nobel: Alice Munro; embora as temáticas sejam bem distintas. Gostei muito e recomendo a quem gostaria de encontrar contos bem estruturados e magnificamente narrados.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

"A educação sentimental" de Gustave Flaubert



O romance "A educação sentimental" de Gustave Flaubert, começou-me a surpreender logo no início: a escrita era diferente da de outros autores do século XIX do período romântico, parecia muito mais contemporânea, tanto nas figuras de estilo, como na sintaxe; depois, as personagens eram complexas, sem serem  exclusivamente boas ou más, como em Charles Dickens ou até em Victor Hugo, mas sim um misto de tudo um pouco, moldáveis às circunstâncias políticas e sociais do contexto e do momento em que se surgem e evoluem ao longo da obra.
"A educação sentimental" mostra a lição da vida de um jovem ambicioso perante a realidade da sociedade que entretanto não consegue romper com certos princípios resultantes da descoberta de uma paixão, inicialmente platónica mas utópica, e que por isso se torna refém de armadilhas e do evoluir da sociedade francesa no seio da segunda fase da revolução francesa, onde praticamente no meio da violência tudo se conjuga para que a mudança preserve os vícios da sociedade e os hábitos dos mais poderosos.
Assim, progressivamente vai-se descobrindo como Flaubert faz um retrato da sociedade de então e uma denúncia do comportamento do ser humano, onde o protagonista em vez de se tornar num vencedor, se rende e se acomoda a esta realidade, vencido nos seus ideais sociais e sentimentais.
Um romance que apesar de parecer a história de uma paixão é um relato rico da história de França de meados do século XIX que o transforma numa obra-prima cheia de informações subliminares e dá para compreender porque se tornou numa referência literária para Kafka e Proust no século XX.