sábado, 30 de maio de 2009

PENTECOSTES: A festa do Povo Açoriano

Neste Domingo em todos os Açores - estendendo-se para Segunda e Terça-Feira no Triângulo Faial, Pico e São Jorge - decorrem as festas em louvor do Espírito Santo, a devoção que une todos os açorianos das noves ilhas e comunidades emigrantes no Continente, Canadá, Estados Unidos, Brasil e quiçá onde mais.

As três coroas das duas irmandades da zona da Ribeirinha e respectivos estandartes à direita

No passado falei duas vezes dos símbolos e depois continuei com as festas, as tradições, os impérios e as lendas ligadas a estas manifestações religiosas tradicionais...
Hoje fica aqui apenas a memória e a ideia de que o Espírito actua onde quer, como quer e quando quer. O Povo Açoriano sempre sentiu que o Divino estava com ele nos seus momentos mais difíceis e mesmo quando alguns não vêem ou não querem, a Fé desta gente vem ao cima e percebe-se a presença e o significado do Espírito Santo no seio desta gente...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

FREGUESIAS RURAIS DO FAIAL 2: Pedro Miguel

Conhecida dos geólogos por dar o nome à maior estrutura tectónica do Faial - o Graben de Pedro Miguel - é a freguesia central das três da costa leste da ilha. Situada a cerca de 6 km de estrada para norte da Horta, nas últimas décadas acolheu grande número de casais jovens que por razões várias optaram por não residir na cidade, resultando numa convivência pacífica entre população rural, com actividades tradicionais sobretudo na agropecuária, e outra numerosa de estilo mais urbano, este fluxo foi responsável por ser a freguesia com maior taxa de crescimento demográfico dos Açores nos censos de 2001, apesar de não ter ultrapassado os 723 residentes.

Pedro Miguel vista do lado norte em direcção a sudoeste (clique para ampliar)

Em 1666, a freguesia de Pedro Miguel dividiu-se em duas, nascendo a norte a freguesia de Ribeirinha, separada morfologicamente pela Lomba Grande, esta situação nunca fomentou bairrismos, mantendo-se ainda hoje um intercâmbio saudável entre as duas populações.

Pedro Miguel vista da Lomba dos Frades em direcção a noroeste ao fundo a Lomba Grande (clique para ampliar).

Fruto das lombas que a marginam a norte e a sul, esta é uma das poucas freguesias rurais açorianas cuja a implantação do aglomerado é predominantemente perpendicular à costa, tendo ainda a particularidade da maioria das suas casas apresentarem o alçado principal exposto à montanha do Pico, que se desenvolve com toda a sua pujança em frente desta superfície suave e inclinada para o mar.

O Pico visto junto ao Porto de Pedro Miguel

segunda-feira, 25 de maio de 2009

PROCESSOS E MEIOS DE DESGASEIFICAÇÃO I

A Terra aquece gradualmente com a profundidade, Gradiente Geotérmico, e várias substâncias das rochas que se afundam liquefazem-se ou passam ao estado gasoso sob pressão. Estas, tal como na panela, tendem a libertar-se, assim a desgaseificação ocorre em muitos locais do planeta.
Nas regiões vulcânicas, o Gradiente Geotérmico tende a ser maior, há mais fusão a menor profundidade, massas que se agrupam em bolsas de magma, numa mistura de minerais sólidos, líquidos e gases. Assim, sobre as câmaras magmáticas é normal haver desgaseificação intensa por todas as vias possíveis, como se depreende da figura abaixo.

Desgaseificação numa região vulcânica, adaptado de P. Allard

A desgaseificação pode ser evidente se for de forma centrada ou focalizada como nas fumarolas, nascentes termais, geisers ou pluma vulcânica duma erupção. Sinal de condutas profundas. Quando há vapor de água vê-se o "fumo" - fumarola; se houver sulfureto de hidrogénio (H2S), surge o cheiro a ovos podres.
Um dos gases mais abundantes na desgaseificação vulcânica é o dióxido de carbono, sem cheiro ou cor. Os locais onde este se liberta concentradamente chamam-se mofetas, podem ser denunciados pela morte de plantas e de animais sem motivo evidente ou por provocarem mal estar às pessoas (a morte em situações extremas). É um risco vulcânico mesmo sem erupção!
Se a libertação concentrada de dióxido de carbono passar em parte despercebida à superfície, debaixo de água as bolhas denunciam a situação. No Faial, descobriu-se recentemente um caso em terra invisível... mas a centenas de metros deste, no mar e perto da Ponta da Espalamaca, a desgaseificação torna-se espectacular, como no vídeo abaixo.


Vídeo de Marco Aurélio Robalo Santos

Além da forma concentrada, a desgaseificação pode ocorrer de outra forma no Faial e noutras ilhas açorianas, assunto a ser tratado noutro post.

Imagem adaptada de: Allard, P (1996) Geochemistry of volcanic gases: Composition, origin and flux. Application to volcano monitoring. Proceedings of course: The mitigation of volcanic hazards. European Comission.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

VILAS DO TRIÂNGULO: VELAS

Três ângulos de uma vila única no triângulo...

Vila das Velas, como habitualmente digo, ou vila de Velas, como por norma dizem os jorgenses actuais, o maior aglomerado urbano da ilha de São Jorge...

Uma pequena e encantadora vila açoriana, numa surpreendentemente bela ilha deste arquipélago, que vive de uma forma intensa a realidade do Triângulo constituído pelo Faial, Pico e São Jorge.

Uma terra que me trás recordações das férias da minha infância... a simpatia das pessoas, a doçaria tradicional caseira, o queijo de São Jorge... a pátria do verdadeiro queijo da ilha que muitos procuram imitar.

clique nas fotos para ampliar

quarta-feira, 20 de maio de 2009

DESGASEIFICAÇÃO VULCÂNICA: Estudar o invisível

Por norma não costumo falar da actividade profissional mais próxima ou dos trabalhos que fiz em vulcanologia. Mas uma colega desafiou-me a abordar no Geocrusoe a área onde mais cooperamos: a Monitorização Geoquímica de Gases Vulcânicos.
Nesta área, quase que se trabalha com o invisível, pois à excepção das fumarolas, geisers e plumas das erupções. A maior parte destes estudos consistem em quantificar os gases que não vemos, mas que se libertam permanentemente do solo das áreas vulcânicas activas, e detectar as variações das proporções das várias substâncias envolvidas neste processo.

Fumarola junto a um caminho perto da Ribeira Grande, uma forma de manifestação visível da libertação de gases vulcânicos dominada por vapor de água.


Apesar destas substâncias muitas vezes passarem despercebidas, o seu estudo permite muitas vezes compreender o estado de repouso ou de actividade de um vulcão aparentemente adormecido e, mesmo em condições de dormência, podem gerar situações muito perigosas para os seres vivos.
Paralelamente, os gases vulcânicos têm um papel fundamental no dinamismo das erupções, pois funcionam como combustível para alimentar as explosões vulcânicas, mas isso há-de surgir aqui faseado e intercalado no tempo....

segunda-feira, 18 de maio de 2009

AVIFAUNA AÇORIANA, DESAFIO

Recentemente, numa visita ao campo de uma da ilhas açorianas deparei-me com esta ave numa pastagem costeira, calmamente parecia catar no solo alimento e, indiferente a quem passava no caminho contíguo, prosseguia na sua actividade.

Embora com alguma perda de qualidade, clique para aumentar a foto

Por norma conheço as espécies mais típicas da avifauna açoriana, mas esta faz parte do meu desconhecimento destas ilhas.
Alguém identifica?
Aceitam-se tentativas... e falhanços.
No fim tentarei confirmar com quem deve saber!

sábado, 16 de maio de 2009

DISPONIBILIDADE DO CONCERTO DA PÁSCOA DE 2009 NA HORTA

Numa altura em que surgem rumores que finalmente se vai fazer algo para recuperar e aproveitar a Igreja de São Francisco na Horta, depois de neste post se ter denunciado o problema e o mesmo ter acontecido no último concerto da Páscoa, ali realizado pela Horta Camerata, informam-me que todo o concerto deste ano já se disponível para audição no You Tube.



O primeiro de todos os andamentos tocado no Concerto da Páscoa de 2009 na Horta

Os interessados, podem ouvir todo o programa do Concerto, incluindo o músico solista de trompete, terceirense, Paulo Borges, utilizando, entre outras, palavres-chaves de busca como: Kurt Spanier ou Horta Camerata.

e boas recordações...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

BAÍA DE PORTO PIM, HORTA

Enquanto existir esta baía de Porto Pim, estou seguro que ainda há lugares mágicos na Terra! Pelo menos aqui...

quarta-feira, 13 de maio de 2009

CALDEIRINHAS DA ERUPÇÃO DA URZELINA

A pressão do magma em profundidade e a existência de zonas fissuradas na parte superior da crosta, permite não só a instalação de filões, como também o escoamento da lava longo de fissuras durante uma erupção: Vulcanismo Fissural.

Uma fissura com um jacto de lava contínuo. Imagem daqui

No vulcanismo fissural muitas vezes não existe definida à superfície uma simples fenda por onde sai lava livremente. Frequentemente, esta fissura é testemunhada por um alinhamento de bocas eruptivas que formam repuxos de lava que à noite permitem imagens espectaculares.

Repuxos de lava alinhados do vulcão Eldfell na Islândia. Imagem daqui

O alinhamento de 7 bocas (em forma de crateras, sendo 5 mais evidentes na foto) do vulcão da Urzelina nas Caldeirinhas (clique para ampliar)

Fenómenos destes tipo também já aconteceram nos Açores, inclusive em épocas históricas. Em São Jorge a erupção de 1808, Vulcão da Urzelina, uma fissura permitiu o alinhamento de sete bocas eruptivas que hoje ainda são bem evidentes na paisagem na zona das Caldeirinhas, junto ao entroncamento da estrada Urzelina - Santo António com o caminho para o Pico da Esperança.
Nesta foto é bem evidente duas despressões de relevo de duas bocas eruptivas (clique para ampliar)

SELO:J'ADORE TIEN BLOG

O blog Grifo, presenteou-me com o presente selo que considero amoroso e apesar de por norma não seguir este tipo de correntes correntes, é verdade que me sinto agradecido quando lembrado... como sempre, desrespeito algumas regras, mas se quiserem saber como são, estão aqui.

Entre as coisas que gosto, além daquelas que são normais a qualquer humano, não há segredo nas que publico:
- Geologia e ciências naturais
- Livros bons
- Música de qualidade, nomeadamente a erudita
- As minhas terras: o Faial e o Canada
- Viajar e conhecer o mundo e as culturas dos povos

Os nomeados serão por mim notificados

terça-feira, 12 de maio de 2009

PROTESTO CONTRA A SORTE DE VARAS NOS AÇORES

Neste dia de luta e contestação na blogosfera açoriana contra a introdução da Sorte de Varas nos Açores, este blog abre uma excepção e manifesta o seu protesto por 24 horas...

Imagem retirada daqui

Porque não é uma tradição nos Açores e a Autonomia deve ser usada para fins muito mais elevados que a introdução de prática tão estranha à nossa cultura.
Porque a tradição tauromáquica por excelência nos Açores reside na tourada à corda, que não inflinge maus tratos aos animais, nem comporta imagens de tortura estranhas à forma de estar açoriana, embora a de praça tenha os seus pergaminhos também.
Porque alguém tem de dizer NÃO à iniciativa de introduzir legalmente nos Açores esta prática.

Para saber mais sobre esta causa consultar o blog In Concreto e promotor deste protesto.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

DIVULGAÇÃO DE ASSOCIAÇÃO DE SALVAGUARDA DE PATRIMÓNIO FAIALENSE

Associação salvaguarda do património faialense

A partir do blog Horta XXI, da qual sou contribuidor, publico a presente mensagem para efeitos de divulgação.

A degradação de património faialense, como é o caso dos moinhos ou a igreja de S. Francisco, indigna, e com razão, muitos cidadãos. De facto deixar-se ao abandono património é um acto lamentável e, em determinadas situações, criminoso.
Muito se tem falado da igreja de S. Francisco e dos moinhos holandeses, mas infelizmente até ao momento não tem surgido grandes resultados. Tal ineficácia devesse grandemente ao facto de os anseios e preocupações dos cidadãos não terem eco nos centros de decisão.
O associativismo é uma das formas mais eficazes de exercício de cidadania, uma vez que um grupo de cidadãos que se faça representar através de uma associação tem mais possibilidades de ser ouvido.
A existência de associações permite igualmente a candidatura a fundos comunitários, governamentais e camarários que permitam a defesa dos seus interesses e projectos.
Assim sendo, este post tem por objectivo dar o primeiro passo de uma iniciativa que tem vindo a ser adiada há demasiado tempo e que diz respeito à criação de uma associação, sem fins lucrativos ou politico-partidários, que vise a salvaguarda e do património material e imaterial da ilha do Faial.
Pede-se a todos os visitantes que estejam disponíveis para integrar os corpos sociais da referida associação que manifestem a sua disponibilidade através do envio de um mail para lmjvalente@gmail.com.
Pede-se igualmente aos visitantes e bloguistas do HORTA XXI que divulguem este post por conhecidos e amigos que possam estar interessados em participar nesta iniciativa.

sábado, 9 de maio de 2009

FREGUESIAS RURAIS DO FAIAL 1: RIBEIRINHA

Dado uma fracção de visitantes do Geocrusoe procurar fotografias para "matar saudades" ou conhecer as ilhas, começo hoje uma série, descontinuada no tempo, a cobrir a paisagem dos aglomerados populacionais de todas as freguesias do Faial. Por motivos óbvios, a Ribeirinha terá um tratamento especial e com maior pormenor, abrirá o ciclo, com a localidade da Ribeirinha, e pretendo encerrá-lo com a localidade dos Espalhafatos.

Foto tirada para o quadrante sul com visão total da localidade da Ribeirinha (clique para aumentar)

Situada na ponta nordeste do Faial, a 10 km da norte da cidade da Horta, esta localidade desenvolve-se dentro de um vale resultante de uma escarpa de falha normal a N e de um grande edifício vulcânico a SW, é uma das poucas freguesias do Faial que não se encontra aberta para o mar, embora muito próxima deste.

Foto tirada para o quadrante norte com visão total da localidade da Ribeirinha (clique para aumentar)

Por se tratar de uma das regiões com características montanhosas, a Ribeirinha encontra-se cercada de importantes manchas florestais, intercaladas de pastagens de altitude, o que permite passeios a pé ou de carro com magníficos enquadramentos paisagísticos, muitas vezes desconhecidos dos próprios faialenses e ainda pouco explorados.

Foto tirada para o quadrante oeste com visão parcial da localidade da Ribeirinha (clique para aumentar)

A população da freguesia não atinge 500 habitantes e mais de metade a vive na Ribeirinha. No passado, a grande maioria dos habitantes viviam da agricultura, hoje grande a parte trabalha em Serviços na Horta. A pequena minoria de agricultores que ainda restam mantém a beleza das pastagens, os campos cultivados, preservam as sebes de hortênsias e tratam das numerosas manadas de vacas que emprestam o ar bucólico à localidade.


Foto tirada para o quadrante este com visão quase total da localidade da Ribeirinha (clique para aumentar)

A freguesia foi severamente afectada por dois sismos no século XX, em 1926 e em 1998, este último quase arrasou todo os imóveis, mas esta foi agora reconstruída com edifícios de engenharia sismo-resistente e os espaços reordenados para evitar as zonas de maiores riscos geológicos, tornando-se talvez, numa das zonas presentemente mais seguras dos Açores.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

PSEUDOCRATERA DA FERRARIA

A zona da Ponta da Ferraria, junto ao extremo sudoeste da ilha de São Miguel, concentra várias estruturas vulcânicas de grande valor paisagístico e científico.
Na foto efectuada do cimo da arriba fóssil, da autoria de Carlos Campos, vê-se a plataforma do delta lávico, onde se encontra à esquerda a Pseudocratera e à direita o imóvel das termas.

Nesta zona litoral, antes do povoamento ocorreu uma erupção estromboliana que edificou um cone de escórias e originou uma escoada de lava que caíu pela arriba e construíu uma fajã lávica ou delta lávico.
O avanço da lava pelo mar gerou uma explosão freática que criou uma estrutura vulcânica em forma de cone encimada por uma cratera, mas sem estar associada a uma chaminé vulcânica para fornecimento de magma de profundidade, por isso se chama Pseudocratera, considerada pela sua raridade e beleza como um Geomonumento.
Ainda devido ao vulcanismo, existem na área duas nascentes termais que levaram à construção de termas e na costa são possíveis banhos quentes. Tudo isto levou a classificação desta zona como Monumento Natural Regional do Pico das Camarinhas e Ponta da Ferraria.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Perspectivas da Horta: CASTELO DE SANTA CRUZ

O Castelo de Santa Cruz defronte à marina da Horta, visto da baía do porto desta cidade mar...

(clique nas fotos para as ampliar)

Apenas para alguns matarem saudades da terra, outros recordarem umas férias passadas e ainda noutros semear o interesse em conhecer esta ilha para um dia também sentirem saudades do Faial...

Agora que o céu azul se torna mais frequente, o calor aumenta e os mastros dos iates se juntam às fachadas da cidade...

domingo, 3 de maio de 2009

ROTA DOS BONS VENTOS: 2.ª edição - FINAL

Foi bom! Mas terminou a 2.ª edição do festival Rota dos Bons Ventos e com uma adesão muito significativa de público aos últimos dois espectáculos.

O coro de Vozes Búlgaras Angelite produziu música celestial, impressionou e esmagou o público presente, se os aplausos foram muitos e de pé, foram difíceis de começar, sobretudo devido à força da interpretação ter deixado os presentes incrédulos de como era possível tal técnica e forma de cantar, tornando-os incapacitados de reagir rapidamente, depois foi a apeteose... e o momento mais intenso do festival. Quem algum dia tiver a oportunidade de ouvir este coro, não perca essa possibilidade de forma alguma. Não há palavras para exprimir o que são as Vozes Búlgaras Angelite.

O último dia teve a surpresa da Dixie Band, da Filarmónica Unânime Praiense, a abrir o espectáculo com música norte americana.
Depois foram os Kalman Balogh GipsyCimbalon Band que embarcaram num desfile de melodias com ritmos, modos e acordes ciganos, por vezes conhecidadas de adaptações posteriores à grande música, como fizeram Brahms e Falla. O público que se anima com situações de brilho e virtuosismo vibrou. O encore foi outra novidade, os dois grupos da noite tocaram em conjunto, mas a cada músico coube também um papel de solista, momento que provou que, no Faial, os bons músicos são mesmo bons e podem tocar no seu estilo com quaisquer outros por esse mundo fora.

Aguarda-se agora a próxima edição do Rota dos Bons Ventos.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

ROTA DOS BONS VENTOS: 2.ª edição

Começou ontem no Teatro Faialense e estende-se até amanhã a 2.ª Edição do Festival Rota dos Bons Ventos. Um evento musical cuja organização é sempre entregue a uma banda Filarmónica, este ano coube a Sociedade Unânime Praiense que abriu o primeiro concerto a que se seguiu António Zambujo (nas fotos).
Este festival traz do exterior vários tipos de músicas que se cruzam, caracteriza-se na actual edição por três concertos, onde cada um possui apenas um único convidado especial. Todavia todos têm um traço comum ligar os estilos, as raízes em música étnica.
António Zambujo, foi o primeiro, um jovem ainda em início de carreira, mostrou uma nova forma de cantar o fado, que além da guitarra portuguesa e da viola, juntou um contrabaixo e emprestou à sua voz alguma influência brasileira. O público presente, embora não fosse em grande número, pareceu bastante agradado pelo estilo e forma de estar em palco do trio... sem dúvida mais um caminho aberto que assegura um futuro promissor ao fado.

Hoje, pelas 21:30 h apresentam-se em palco Vozes Búlgaras Angelite... um estilo vocal étnico e original, diferente do que estamos habituados no ocidente, é responsável por uma expectativa elevada para este concerto. Escutar aqui.

Amanhã à mesma hora a Rota dos Bons Ventos continua a soprar do oriente com Kalman Balogh GipsyCimbalon Band, desta vez um estilo proveniente de ciganos húngaros e com alguns instrumentos a que os nossos ouvidos estão menos habituados. Uma amostra do que são capazes pode-se ouvir aqui.