quinta-feira, 7 de maio de 2009

PSEUDOCRATERA DA FERRARIA

A zona da Ponta da Ferraria, junto ao extremo sudoeste da ilha de São Miguel, concentra várias estruturas vulcânicas de grande valor paisagístico e científico.
Na foto efectuada do cimo da arriba fóssil, da autoria de Carlos Campos, vê-se a plataforma do delta lávico, onde se encontra à esquerda a Pseudocratera e à direita o imóvel das termas.

Nesta zona litoral, antes do povoamento ocorreu uma erupção estromboliana que edificou um cone de escórias e originou uma escoada de lava que caíu pela arriba e construíu uma fajã lávica ou delta lávico.
O avanço da lava pelo mar gerou uma explosão freática que criou uma estrutura vulcânica em forma de cone encimada por uma cratera, mas sem estar associada a uma chaminé vulcânica para fornecimento de magma de profundidade, por isso se chama Pseudocratera, considerada pela sua raridade e beleza como um Geomonumento.
Ainda devido ao vulcanismo, existem na área duas nascentes termais que levaram à construção de termas e na costa são possíveis banhos quentes. Tudo isto levou a classificação desta zona como Monumento Natural Regional do Pico das Camarinhas e Ponta da Ferraria.

10 comentários:

Os Incansáveis disse...

Muito bonito o lugar. E que bom que ele é classificado como Monumento Natural. No mês de julho, o Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo promoverá um workshop sobre estratégias de conservação de sites geológicos e paleontológicos. A ideia é mostrar a importância das Ciências da Terra para a sociedade e para o planeta. Aqui no Brasil isso é pouco difundido.
Denise

geocrusoe disse...

felizmente por cá, sobretudo nos açores, existe um crescente interesse no património geológico e na geodiversidade.

Valter Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Valter Medeiros disse...

Felizmente ja tive a oportunidade de observar essa "maravilha vulcância". Pelo que sei são fenómenos pouco frequentes, e nós temos cá um nos Açores.
Sei que na Islânda existem algumass estruturas destas que são bastante famosas, mas os nomes dos sitios onde se encontram são impronunciáveis para mim :).
Quanto à sua protecção legal como geomunomento, acho muito bom que se protejam estas estruturas geológicas, bem como tantas outras que se encontram pelos Açores fora. É pena que algumas ja tenho sido destruídas, como o caso de algumas grutas e algares que foram "enxurradas" aquando do arrotoeamento de terrenos para os transfomar em pastagens. Felizmente está-se a criar o geoparque dos Açores, onde ja estão identificados dezenas de sítios de elevada importância em termos geológicos e que serão devidamente protegidos.

ematejoca disse...

Ein schönes Wochenend, Geocrusoe!

geocrusoe disse...

ao valter
felizmente começa a surgir na sociedade e nalgumas instituições preocupações para incluir na preservação do nosso património natural também aspectos da geologia, espero que tudo corra bem.

à ematejoca
danke schon

Carlos Campos disse...

É tambem um bom sitio para se observar xenolitos.

geocrusoe disse...

essa informação eu não sabia

Paulo Pereira disse...

É a única pseudocratera ( que nome!) que conheço. Não sei se há mais alguma nos Açores.
Fiquei sempre com a impressão que a atribuição do nome e a sua génese não eram consensuais, isto há duas dezenas de anos...

geocrusoe disse...

ao paulo pereira
que eu saiba é única nos açores, que eu saiba não existem nomes alternativos aceites presentemente na comunidade científica, embora considere que o nome não exprime tudo o que de facto está associado a este fenómeno: uma cratera associada a uma explosão freática numa frente de escoada lávica em contacto com a água.