sexta-feira, 25 de maio de 2007

FESTAS DO ESPÍRITO SANTO III - As sopas

A manutenção da devoção ao Espírito Santo, deve-se à necessidade das famílias pedirem protecção ao Divino contra as fúrias da terra: Ventos ciclónicos, chuvas diluvianas, maresias e, sobretudo, sismos e vulcões.
Para garantirem protecção, as famílias mais abastadas implementaram um sistema de distribuição de alimentos aos menos abastados pelo Pentecostes e em louvor do Esírito Santo, pelo evolução social, esta prática generalizou-se por quase todos e hoje, praticamente, a maioria dos açorianos, de uma maneira ou outra, estão envolvidos nestes festejos.
A devoção ao Espírito Santo celebra-se sobretudo através da doação de pão, carne e vinho aos pobres, mas tem o seu auge na organização das refeição, oferecida à maioria das populações locais, com as tradicionais Sopas do Espírito Santo.
Abaixo os preparativos das sopas do Espírito Santo e o despojos da festa, que se quer sempre lembrada pela abundância da oferta de quem a organiza, o Mordomo.

Os tachos ao lume a cozinhar durante a noite as tradicionais sopas que serão servidas na manhã seguinte

Os chefes de cozinha a temperarem e a controlarem a situação ao longo da madrugada

São os membros da cozinha os últimos a comerem a sua refeição, após centenas de pessoas terem sido servidas

A abundância que faz sobrar por norma comida para muito mais

Na Ribeirinha a refeição é tradicionalmente composta por um caldo de carne de uma ou mais vacas, disponibilizada(s) pelo mordomo, que é colocado sobre pão de trigo (tipo açorda) acompanhada da carne cozida, repoulho, couves, fígado de vaca aromatizados com hortelã e endro e a sobremesa é arroz doce. Paralelamente existe ainda a acompanhar a refeição um pão doce caseiro, rico em ovos e aromatizado com erva-doce, limão, aniz e noz-moscada (vestígios da rota marítima das especiarias) cujo nome é Massa Sovada, pela forma como é preparada.
A bebida tradicional é o vinho do pico (morangueiro desde o século XIX), embora hoje também sejam servidos refrigerantes e vinho de mesa comum.

Sem comentários: