sábado, 12 de maio de 2007

VESTÍGIOS DA ATLÂNTIDA?

Ao andar sobre o calhau, entre a praia da Conceição e a Ponta da Espalamaca, em busca de lavas em almofada, encontrei vários blocos de sienito (uma rocha não comum em ilhas de origem vulcânica, que se parece muito com o granito, sendo este característico dos continentes, mas não dei atenção suficiente aos calhaus para confirmar a primeira hipótese que é mais provável).
Tendo em conta que por estes dias me solicitaram informações sobre as lendas da Ribeirinha... não posso deixar de recordar aquela ideia, muito divulgada, destas ilhas serem os restos da Atlântida afundada...
ou da teoria de que existem indícios de contaminação por crosta continental na astenosfera debaixo dos Açores, a qual, não sendo da mítica Atlântida, poderia indiciar que, nalgum dos ciclos de formação e de destruição de placas continentais, ao contrário de agora, por aqui já houve uma zona de subducção de um antigo continente... afinal todo mundo é composto de mudança e a Atlântida aqui por baixo, talvez seja muito anterior à humanidade.

Este foi mesmo o menor dos calhaus desta rocha que encontrei

2 comentários:

Anónimo disse...

Já há uns dias que não te visitava e vejo que estás inspiradíssimo!!!! Muito bem, continua assim!
E as lendas muitas vezes têm fundamento real...
Fátima

Carlos F.C.C. disse...

Geocrusoe - Tenho ao longo deste ultimos anos, recolhido rochas de toda a ilha de S. Miguel que me parecem especiais, até agora já conto com cerca de 20, todas diferentes umas das outras, as suas cores variam do vermelho escuro ao verde claro, do preto ao branco, sim branco com uns cristais negros, é neste momento a rocha mais interessante que tenho, já pus a hipotese de ter sido um acaso, de ter sido uma rocha importada, mas depois de ter circundado a área onde a encontrei, reparei que a quantidade dispersa era mais que suficiente para concluir que era mesmo daquele local. Reparei também que a maioria das rochas são pequenas, as maiores não ultrapassam o tamanho de uma bola de basebal, fruto talvez de uma erupção não muito violenta, o que seria, estranho, porque o terreno onde se encontra é basicamente pedra-pomes (erupção pliniana / vulcaniana), o local é na encosta norte do mais recente vulcão poligenetico de S. Miguel, o do Fogo.

A minha ultima recolha é mesmo estranha, é uma rocha tipo "aa" que tem no seu interior um vidro de Obsidiana (o qual não encontro muito aqui). Gostava mesmo de saber como é que a Obsidiana foi ali parar, é novamente muito estranho, tendo em conta que os dois tem geneses diferentes.
Vou fotografar e envia-lhe, assim poderei ter a certeza de que me poderá ajudar a descobrir a origem, o como e o porque das cores e tamanhos dos cristais.
Nas fotos vou dar-lhe a localização de onde as encontrei, assim poderá ter uma ideia melhor do ambiente em que se enquadram.

Novamente obrigado por qualquer atenção.