terça-feira, 15 de abril de 2008

DUNAS do ISTMO do Monte da Guia

Pensam muitos faialenses e residentes noutros locais que o Faial é constituído apenas por rochas vulcânicas, é uma ideia errada. Embora a ilha tenha origem no vulcanismo, sempre que à superfície o ar (vento), a água (chuva, mar, neve, cursos de água), os seres vivos, os agentes químicos e as variações térmicas ou de pressão actuam sobre os materiais expelidos pelos vulcões, estes lentamente são transformados, destruídos, transportados e depositados noutros locais sob a forma de rochas sedimentares.
Assim, embora em menor volume, as rochas sedimentares também existem no Faial. As praias são um dos locais onde esta ocorrência é mais evidente, pois são resultado de deposição marinha ou torrencial de uma rocha sedimentar chamada areia, mas na ilha existem ainda formações areia de deposição eólica: DUNAS.

(clique nas imagens para as ampliar)

Nos Açores as dunas são raras, pois precisam de uma alimentação significativa de areia, um regime de ventos persistente e intenso proveniente da fonte, bem como uma zona aplanada para onde as areias possam prosseguir e depositar-se.
O vulcão submarino do Monte da Guia, próximo da Horta, formou uma zona pouco profunda entre a ilha e o cone submarino, o que permitiu a formação de um corredor estreito de areias que uniu as duas partes - istmo - situação que originou a mítica baía de Porto Pim, talvez a mais abrigada dos Açores, onde a areia se acumula na praia do mesmo nome, tudo isto enquanto o vale entre o monte Queimado do Faial e o da Guia funciona como um corredor de vento, situação ideal para que este istmo permita a instalação do sistema de dunas da foto acima.

As dunas tendem a deslocar-se pela acção do vento, mas a vegetação reduz este movimento. Parte desta foi plantada neste local com esse objectivo, embora o local seja o habitat natural de uma espécie rara nos Açores.

Os locais onde a vegetação está bem desenvolvida coincidem com as zonas onde as dunas estão melhor fixadas e por isso são mais altas...

mas a força do vento e o pisoteio das pessoas que passam fazem com que haja locais onde a vegetação não consegue estabelecer-se, o que origina corredores preferenciais para o transporte de areias e depressões.

5 comentários:

Lc disse...

Adoro essa praia, é uma das maravilhas da nossa terra.
Já agora, qual é a espécie rara?

geocrusoe disse...

ao lc
eu disse rara nos açores, precisamente por não se tratar de uma espécie endémica, mas da flora natural e adaptada a dunas. Sei que é do género Ipomoea, julgo que a espécie é I. stolonifera, mas não tenho a certeza, é uma planta rasteira de flores brancas que se encontra sobretudo na zona mais baixa das dunas. A sua raridade no arquipélago prende-se com a escassez do ecossistema dunar, pois nalguns locais pelo menos existem espécies do género que podem ser invasoras.

RJ disse...

Tendo em conta relatos e fotografias de conhecidos tinha ideia das praias das ilhas com uma areia de cor escura, mas essa parece-me mais acinzentada...

Uma das coisas que mais me intrigou na universidade (no início) era a presença de estratificação em maciços vulcânicos. Falava-se mesmo em complexos vulcano-sedimentares (também presentes cá no continente) verdadeiramente "complexos".

geocrusoe disse...

ao rj
as rochas vulcânicas são na sua maioria estratificadas, piroclastos de queda (podes imaginar um sistema de sedimentação numa bacia onde o água é o ar e o precipitado é a cinza ou bagacina), escoadas lávicas, enxurradas pirocláticas (tal como os depósitos torrenciais, embora com especificidades devido a menor quantidade de água) e mesmo ignimbritos. Os domas são uma das raras excepções.
No caso presente, a cor clara da areia deve-se à relativa riqueza de conchas (desde foraminíferos e ostracodos, até fragmentos de outros moluscos maiores) acumulados na baía de Porto Pim, que muitas vezes parece uma laguna, tão calmas são as suas águas (excepto com vento de SW onde funciona como o fundo de uma enseada muito encaixada, daí uma sedimentação tão intensa e variada.

Fernando Vasconcelos disse...

Com este post e o de hoje já aprendi mais uma coisa ... Já posso ir para a cama menos ignorante :-) ;-) Eu realmente pensava que era tudo de origem vulcânica. Stupid Me ...