quarta-feira, 25 de março de 2009

CONE DE ESCÓRIAS "FOSSILIZADO"

A abertura de uma estrada permite descobrir muitas vezes acontecimentos geológicos passados que ficaram cobertos por outros eventos mais recentes.
Na foto observa-se um cone vulcânico de escórias antigo (cinza escuro) perto de Vila Franca do Campo. Este esteve à superfície tempo suficiente para sobre ele se desenvolver um solo antigo (castanho escuro): paleossolo, agora coberto de pedra-pomes (creme-claro) projectada a partir do distante vulcão da Lagoa da Fogo.
O recorte do paleossolo no talude mostra ainda o relevo existente à data da erupção: paleorrelevo, hoje soterrado por uma topografia diferente.
É a partir da relação da sobreposição vertical, distribuição horizontal e modos de contacto das estuturas geológicas e dos vários tipos de rochas, que se torna possível aos olhos dos geólogos fazer a história geológica de um local, região ou mesmo do planeta.
O topo do cone aparece repetido na parte superior do talude apenas porque este possui um patamar e o degrau de cima volta a descobrir uma parte mais elevada da mesma estrutura, situação que permite igualmente determinar a sua forma a 3 dimensões (3D). Tudo isto numa exposição vertical das rochas, corte geológico, em resultado do talude da obra

12 comentários:

ematejoca disse...

Leio sempre com grande interesse estes textos, embora eu seja uma leiga nestes assuntos.

Li outro dia numa revista:
"Der Kilauea auf Hawaii zählt zu den aktivsten Vulkanen der Welt"
É verdade? Nem posso acreditar!

Boa noite!

ematejoca disse...

Leio sempre com grande interesse estes textos, embora eu seja uma leiga nestes assuntos.

Li outro dia numa revista:
"Der Kilauea auf Hawaii zählt zu den aktivsten Vulkanen der Welt"
É verdade? Nem posso acreditar!

Boa noite!

ematejoca disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
geocrusoe disse...

efectivamente o vulcão Kilauea é considerado o vulcão mais activo do mundo em termos de quantidade de lava emitida ao longo dos últimos anos, enquanto o seu irmão e vizinho na mesma ilha, Mauna Loa, é considerado o maior vulcão activo do mundo em termos de volume da sua montanha contado a partir do fundo do mar, a qual torna o monte everest numa montanha de pequeno volume.

ematejoca disse...

Agradeço a informação. A Geologia fascina-me, infelizmente, tenho poucos conhecimentos.

Boa noite!

Anónimo disse...

Geocrusoe, pergunto-me se haverá alguma forma de se saber se esta ultima camada (creme-claro)estará relacionada de alguma forma com a ultima erupção na Lagoa do Fogo em 1563, em que relatos antigos dizem ter chovido tanta pedra, em medida de 6, 7 e 8 palmos, que todos os caminhos, casas e terras de cultivo (searas e outras)cobriu, a modos que era tudo acravado (enterrado). Ou se terá que ver com outras erupções (Fogo A ou B...). Isto devido a apresentar-se como uma camada aparentemente recente e homogenea. Embora não acredite muito que esta espessa camada seja da erupção de 1563, não encontro na foto uma camada acima desta com os 6, 7 ou os 8 palmos que são referidos nos textos antigos, como se explica isto?

geocrusoe disse...

alguma forma de se saber há e não é muito difícil, embora eu não tenha feito trabalhos grandes estratigráficos no vulcão do fogo. Mas lembro-me de algumas características do fogo A (a primeira erupção do último ciclo eruptivo deste vulcão) mas no dia da foto não estive a analisar de perto a pedra-pomes pois estava a desenvolver outro trabalho, pelo que não verifiquei a semelhança estratigráfica. qualquer forma pressinto que um amigo, com tese na área, era capaz de só a olhar acertar à primeira, eu não. mas parece-me que esta camada deve ser mais antiga, pois ainda tem espessura métrica e, dada a distância à lagoa, a espessura a montante seria bem maior, o que é incompatível com 8 palmos de pedras caídas e vila franca teria sofrido muito mais do que sofreu então. Todas as camadas do último ciclo eruptivo têm um aspecto recente, pois à escala geológica não são antigas.

geocrusoe disse...

ah! esqueci-me da pergunta. nem todos os locais tem indícios da última erupção, a pedra-pomes de queda tende a ser empurrada pelo vento à data do acontecimento, podendo concentrar-se apenas em determinadas direcções. assim, pode haver erupções mais recentes não sem depósitos neste local.

Paulo Pereira disse...

Excelente foto e explicação.

geocrusoe disse...

ao paulo pereira
a foto era um excelente suporte à ideia do post, pelo que foi fácil trabalhar o texto.

na última frase do meu anterior comentários existe um "não" a mais. é o que dá ao responder apressadamente aos comentários: o português fica a sofrer e muito. vou ter de mudar de método.

Fernando Martins disse...

Caro Carlos: podia dar-me a localização exacta deste talude? É que é fantástico...!

PS - o Blog Geopedrados vai publicar, com referência a autor e fonte este post, se não se opuser...

geocrusoe disse...

claro que não me oponho à publicação. A localização é no eixo sul em construção das SCUT na ilha de são miguel, mesmo a norte de vila franca do campo e já muito perto do termo leste do lanço 1.7- Vila Franca do Campo, não sei se o corte estará ainda exposto quando lá passar, pois deverão cobrir os taludes com solo para implementar a hidrossementeira, por vezes o que mais agrada aos geólogos não coincide com os biólogos e paisagistas ;).