quarta-feira, 12 de setembro de 2007

GRUTAS VULCÂNICAS II - Algares vulcânicos

Algares vulcânicos são grutas com um desenvolvimento subvertical e como podem ver da figura da colecção descrita no post anterior, resultam do esvaziamento da parte superir da chaminé, frequentemente porque a lava encontrou uma nova saída a uma cota inferior.

Pela sua enorme beleza, destaco dois algares nos Açores:

- o Algar do Carvão, na Terceira, onde se encontra uma pequena lagoa cor de esmeralda e estalactites e estalagmites de sílica (uma raridade na natureza), que se encontra aberta ao público e gerida pelos Os Montanheiros; e

- a Furna do Enxofre, na Graciosa, novamente com uma lagoa subterrânea, agora de maiores dimensões, onde se anda de barco, existe ainda uma sulfatara ("fumarola" onde os gases de enxofre são uma componente importante e daí o nome e o cheiro, outra raridade no mundo espeleológico) e uma luminosidade natural muito própria.

Ambas têm acessos muito fáceis, mas a segunda implica conhecimento prévio da concentração de dióxido de carbono libertado do solo, o qual é monitorizado permanentemente pelas minhas colegas do Centro de Vulcanologia.

No Faial, a Furna Ruim é um desafio mais para alpinistas do que para espeleólogos, mas para quem gosta de aventura está na freguesia do Capelo. Em S. Jorge existe outro algar de enormes dimensões próximo do Cabeço do Moitoso, entre as freguesias das Manadas e da Urzelina. No Pico a furna perto do início do trilho de subida para a Montanha tem outro algar profundo associado. Para mais informações contacte Os Montanheiros ou o Gespea pois são quem melhor conhece o geopatrimónio espeleológico dos Açores.

Nota: para salvaguardar os interesses das associações que editaram a a colecção as imagens fora intencionalmente cortadas e não digitalizadas na melhor qualidade neste post.

2 comentários:

B.Silveira disse...

Antes de mais Parabéns pelo trabalho desenvolvido no Blogue.

Estou a mandar mensagem para informar que em alguns meses irei conduzir um aventura à Furna Ruim com o intuito de recolher algumas imagens do interior daquele local, uma vez que são poucas as que existem disponíveis ao público, sendo que as que existem são recolhidas do exterior.

Abraço

B.Silveira disse...

P.S. Claro que terei todo o gosto em fornecer imagens para o Geocrusoe.

Em breve entrarei em contacto.

Abraço