quarta-feira, 12 de novembro de 2008

O TAMANHO DAS ERUPÇÕES III - Escala vulcânica de Magnitude

Após a apresentação de uma Escala de Intensidade de erupção vulcânica, apresento hoje uma Escala de Magnitude de uma erupção vulcânica, tanto aplicável a erupções efusivas, como explosivas e também raramente utilizada nos noticiários.
Nesta escala o que importa é quantificar o total de massa libertada por um vulcão ao longo de uma erupção completa, independentemente do tempo de duração desta. Logo, um dos problemas para referir a magnitude é que esta só pode ser calculada depois da erupção terminar, enquanto decorre a actividade não é viável dizer a sua magnitude final.
 
O vulcão Puu Oo numa erupção efusiva do tipo estromboliano, foto daqui

Assim, uma erupção pouco intensa que dure muito tempo pode ter a mesma magnitude que uma outra muito intensa e de curta duração, claro que a magnitude é maior se a intensidade e a duração da erupção forem ambas elevadas.

Nesta escala, a magnitude cresce um grau sempre que massa emitida aumenta 10 vezes em relação à quantidade de referência do grau anterior.
Magnitude zero - a quantidade de material emitido (lava, piroclastos e gases) é inferior a 10.000 toneladas;
Magnitude um - a quantidade de material emitido igual a 100.000 toneladas;
Magnitude dois - a quantidade de material emitido igual a 1.000.000 (1 milhão) de toneladas;
Magnitude três - a quantidade de material emitido igual a 10.000.000 (10 milhões) de toneladas;
....
Magnitude oito -  a quantidade de material emitido igual a 1.000.000.000.000 (um bilião na terminologia de Portugal* ou um trilhão no Brasil) de toneladas!

As maiores erupções conhecidas correspondem a esta magnitude, que curiosamente tem o mesmo número de zeros que a maiores intensidades conhecidas 12, mas cuidado, graus diferentes e representam aspectos distintos.

* Portugal utiliza a escala longa na terminologia de numeração, enquanto o Brasil utiliza a escala curta, consequentemente, além da ortografia, os números grandes na Europa são diferentes dos Brasileiros. Assim, 1000 milhões em Portugal é 1 bilhão no Brasil; 1 bilião em Portugal é 1 trilhão no Brasil. Confuso, não!?

7 comentários:

Pedrita disse...

essa dimensão eu não conhecia. o máximo que tinha ouvido era uma jornalista dizer que a previsão é que o vulcão ainda se "manifestasse" e talvez nesse momento ela tenha usado esse termo, mas não reparei. obrigada, pedrita

Professor Elias SantosJunior disse...

Ola caro colega, parabens pelo seu blog, muito interessante. Geólogo Elias, Manaus - Amazonas.

geocrusoe disse...

à pedrita
é normal, aliás a próxima escala a apresentar é a mais utilizada, mas isso fica para o próximo post

ao professor elias
obrigado pela visita, colegas são sempre bem vindos e se precisar de recolher algum dado deste blog ao nível da geologia, pode sempre utilizar, os post do geocrusoe são para se usarem em prol das pessoas e a geologia para se divulgar

Periquito disse...

Longe de mim pensar que havia todo este "esquema" de escalas e medições. Sem sombra de dúvidas bem interesante e esclarecedor, por isso tb os meus parabens ao seu autor pelo útil trabalho

José Quintela Soares disse...

Muito bom.
Impressionante.

Rui Luis Lima disse...

Caro Geocrusoe
Ao passarmos por aqui vamos sempre aprendendo mais um pouco.
Abraço cinéfilo
Paula e Rui Lima

geocrusoe disse...

ao periquito
ainda falta uma, fica para a próxima ;-)

ao josé quintela soares
obrigado

ao rui luis lima
este blog prentende divulgar as áreas dos meus gostos e informar ou formar na área das ciências da terra, sobretudo da geologia relacionada comos açores e daí o vulcanismo.