sexta-feira, 9 de julho de 2010

9 de Julho - 12 anos após o sismo na Ribeirinha

Em memória daquela madrugada em que fúrias vindas das entranhas da terra fustigaram a nossa gente e quase não deixaram pedra sobre pedra das nossas casas.

Ribeirinha e Chã da Cruz, hoje reordenadas e reconstruídas

O sismo de 9 de Julho de 1998 despojou-nos dos nossos bens, levou-nos amigos, colocou-nos à mercê da solidariedade humana, mas não nos matou a vontade de ir em frente, nem o amor pela nossa terra.

Cruz e Canto dos Espalhafatos reerguidos do mesmo chão

Insistimos, de cabeça erguida, aqui continuar a viver, de mangas arregaçadas, neste canto arrumámos as nossas ruas e tudo ficou diferente, mas continua a ser a nossa Terra.

Nova urbanização deslocalizada no Alto dos Espalhafatos

Hoje as crianças voltaram a brincar despreocupadas nas nossas ruas e parques, sem memórias do terror de uma madrugada que hoje completa 12 anos e esperemos que as suas vidas assim continue por muitas gerações de filhos desta freguesia da Ribeirinha.

4 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Nesse mesmo dia, há 29 anos, também fui assolado por um "terramoto": morreu o meu pai com quem eu contava ainda ter tanto para aprender.

geocrusoe disse...

@ Carlos Oliveira
Pois mais um elemento para adicionar às más memórias da data, mas nos Açores houve ainda outro terramoto a 9 de Julho, mais precisamente em 1757 na ilha de São Jorge, talvez o mais devastador e energético desde a descoberta do arquipélago.

Fernando Martins disse...

Caro amigo:

O Blog Geopedrados publicou referência a este post e ao sismo...

geocrusoe disse...

@ Fernando
Eu já havia passado pelo geopedrados em silêncio, foi com gosto que vi a referência e tem toda a liberdade de de usar material daqui quando o desejar.