quinta-feira, 19 de novembro de 2009

POEMA AO BALEEIRO


« Quem é que vejo tão destemido,
num batel, a sulcar a maresia,
temerário a lutar com ousadia
sem se amedrontar com nenhum perigo?!

É o valoroso herói deste oceano,
um valente e arrojado açoriano,
finalmente, o audacioso beleeiro!»


José Carlos, Murmúrios dos meus quinze anos
in "Baleia à Vista" Edição de 1997 do Clube de Filatelia « O Ilhéu»

Não conheço o autor do poema, mas o elogio ao baleeiro que marca a cultura e a sociedade das ilhas do Faial e Pico merece esta divulgação.

4 comentários:

Anónimo disse...

Meu caro Carlos:
Até conheces o autor.
Ñão é nem mais nem menos do que, hoje,o Padre José Carlos Vieira Simplicio, Reitor do Santuario do Bom Jesus de S.Mateus do Pico.
Um abraço
SM+

ematejoca disse...

Concordo consigo: este poema merece divulgação.
Lindo na sua simplicidade.

Quero também agradecer-lhe ter participado num desafio com um tema tão díficil. Gostei das suas respostas.

Boa noite!

geocrusoe disse...

ao SM+
obrigado, nunca chegaria lá sem esta ajuda.

à ematejoca
foi isso mesmo que me impressionou, simples mas cheio de força e beleza.

Maria Ribeiro disse...

GEOCRUSOÉ:ENTÃO NÃO É QUE PUBLIQUEI, ONTEM, UM POEMA AOS HOMENS DO TEJO?
ABRAÇOS DE LUSIBERO