terça-feira, 3 de maio de 2016

"A Casa dos Espíritos" de Isabel Allende


"A Casa dos Espíritos" é o romance mais famoso da escritora chilena Isabel Allende, nesta obra, através da história de três gerações da família Trueba, contada a partir da primeira grande guerra mundial, a autora, com recurso ao realismo mágico e a mulheres fortes da família, narra o conflito ideológico esquerda-direita e os principais acontecimentos e a realidade socioeconómica do Chile por mais de 60 anos, culminando no golpe de estado que derrubou Salvador Allende, tio da escritora, e com a descrição dos horrores dos primeiros anos da ditadura de Pinochet.
Isabel Allende escreve agradavelmente bem e o recurso estilístico a acontecimentos sobrenaturais que envolvem a vida da família introduzem uma nota de humor que atravessa toda a obra, enquanto as paixõesn fortes do agregado suavizam os momentos duros relatados no romance devido à luta de classes, temperamentos irascíveis do patriarca Esteban Trueba, em oposição com o original da matriarca Clara dotada de dons especiais de clarividência, contactos com o além e efeitos telecinéticos, tudo isto complementado pelos comportamentos rebeldes ou contrastantes dos filhos e neta que trazem para o lar as principais questões nacionais e as diferentes visões sobre eles.
Apesar da personagem que se estende do início ao fim do romance ser Esteban, são as mulheres as figuras mais fortes da história, sobretudo Clara, esta continuará a influenciar a conduta da família mesmo após decidir abandonar a vida, mulher que dá ternura a todo o romance e permite estabelecer pontes entre ideias que se opõem e inclusive a rendição de Trueba face à sua visão de direita conservadora radical e o extremismo da ditadura militar que se abateu sobre o Chile sem qualquer ideal ideológico e mesmo neste período negro em que o romance termina a esperança não morre. A publicação da obra é anterior ao fim da ditadura no País.
Sem dúvida um grande romance cheio de carácter e apesar das questões políticas subjacentes não deixa de ser uma obra, cheia de ternura e humor, sobre a sobrevivência do amor que resiste seio das contrariedades da vida de uma família e de um povo e de fácil leitura. Recomendo a sua leitura a qualquer leitor.

10 comentários:

Pedrita disse...

realmente as mulheres são as personagens fortes de sua obra. é incrível esse, mas como disse, não é o meu preferido. gosto demais de eva luna e ilha sob o mar. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Eva Luna foi o primeiro que li dela há já quase duas décadas, lembro-me que então gostei, mas já pouco me recordo da trama. Paula a seguir traumatizou-me e daí o interregno com Allende só interrompido há uns meses atrás com Plano Infinito de que também gostei, mas este é uma obra mais completa.

nuno martins disse...

Aqui está um livro que ando para ler aos anos... Infelizmente é mais uns dos que tem sido sempre preterido em função de outros... Já vi o filme e gostei bastante, a minha companheira já leu o livro e adorou-o.

Abraço

Carlos Faria disse...

Todas as pessoas que viram o filme em proximidade temporal que permite recordar as duas formas de expressão desta história dizem-me que o livro é muito superior ao filme, pelo menos a adaptação cinematográfica não me marcou tanto quanto o romance.

DIARIOS IONAH disse...

Eu nunca li essa escritora.
Respondi seu comentário lá no meu blog abrkdbra sobre a coisa de não existir livrarias no Brasil!
Gosto das suas resenhas...

Carlos Faria disse...

Estive muitos anos sem ler I. Allende, tirando Paula, todos os livros que li dela gostei e este tem todo o potencial para se tornar um clássico da literatura universal.

Manuel Cardoso disse...

Li este livro há muitos anos mas ficou bem marcado na minha memória, o que só por si diz bem da qualidade deste romance. Lembro-me do humor refinado e da força das personagens femininas. De resto, concordo com a tua análise. O realismo mágico é algo de formidável

Carlos Faria disse...

e voltei ao realismo mágico novamente

nuno martins disse...

Amigo Carlos, acho que nunca vi nenhum filme baseado de um livro que fosse melhor que o dito livro eheheh

Abraço

Carlos Faria disse...

Pedro Correia do blogue Delito de Opinião já deu exemplos de bons filmes que resultaram da adaptação de livros medianos, mas concordo que por norma a obra escrita supera em conteúdo a adaptação cinematográfica.