segunda-feira, 21 de março de 2016

"Vida após Vida" de Kate Atkinson



"Vida após Vida" da inglesa Kate Atkinson e romance vencedor do prémio Costa 2013, é uma obra excelentemente estruturada, onde no início a protagonista morre no parto em 2010 e imediatamente a mesma cena é reescrita para sobreviver, passando a ser esta a marca da obra. Assim a narração da sua vida irá ora ser recomeçada, ora recuada e alterada sempre que o evoluir da via seguida desemboca num beco, várias vezes inclusive na escuridão final. É como se a narração, magnificamente escrita, seguisse um labirinto onde por vezes se tem de voltar atrás para se avançar por uma nova via diferente sem se ter a certeza se é o caminho definitivo que leva de facto à saída ou se se terá de regressar outra vez ao ao ponto de partida anterior.
Apesar de numerosos avanços, recuos e recomeços, a obra nunca perde interesse e torna-se aliciante ver as variações das mesmas situações que a protagonista cruza nas diferentes alternativas antes contadas, inclusive nas personagens secundárias. Não se está num mundo de universos paralelos, pois estes cruzam-se e deixam memórias que deliciam o leitor ao reconhecer aquilo que já foi referido noutra via ao descobrir as alterações depois introduzidas.
Deste modo contam-se cenas marcantes de metade da história da Europa no século XX, com um enfoque maior para o período da segunda grande guerra, onde nalgumas alternativas os relatos são de grande violência descritiva, outros irónicos ou sarcásticos, época na qual a protagonista não só vai viver na proximidade de Hitler, como nunca sairá da Inglaterra, será vítima do conflito ou até mesmo uma ativista social e sobrevivente até chegar a conhecer a guerra dos seis dias na década de 1960.
Uma obra genialmente escrita, extremamente original e sem dúvida uma obra-prima literária, gostei muito e recomendo a quem gosta de boa literatura como forma de arte de escrever, narrar e até refletir. Pena na realidade não podermos voltar atrás e recomeçar mudando de novo o anterior passado para experimentar um outro presente.

8 comentários:

Pedrita disse...

anotadíssimo. lindíssima a capa tb. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Sim a capa é muito bela, mas o interior também é muito bom, embora algumas páginas da guerra sejam mesmo fortes.

ematejoca disse...

Fiquei com grande curiosidade em ler "Vida após Vida" de Kate Atkinson, autora que desconhecia, depois de ler a sua análise sobre este romance, Carlos, mas ao saber que "algumas páginas da guerra são mesmo fortes" perdi um pouco o interesse.

Denise disse...

Um livro que tenho na estante a aguardar.
Parece valer a pena.

Carlos Faria disse...

Ematejoca
Sim não há como não reconhecer que certas consequências dos bombardeamentos alemães são descritas de forma bem realista e forte, tal como a costela infantil de Hitler é mesmo uma forma de ridicularizar o personagem e a forma como Eva surge no livro não sei se será assim mesmo, mas é simpática para ela.

Carlos Faria disse...

Penso que vale bem a pena ler o livro.

olhodopombo disse...

Me parece roteiro para filmar....

Carlos Faria disse...

Não sei se terá o mesmo efeito uma versão cinematográfica da de um romance, mas será interessante ver como repetirão os mesmos cenários de Londres bombardeada com cenas diferentes. As outras situações são mais fáceis de repetir em takes diferentes.