domingo, 20 de dezembro de 2009

PROVÁVEL CRATERA DE IMPACTE PRÓXIMA DOS AÇORES

Ao longo de expedições oceanográficas desenvolvidas junto ao mar dos Açores nos últimos anos pela equipa da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental Portuguesa (EMEPC) foi descoberta uma depressão de forma aproximadamente circular, com um diâmetro de 6 km e uma elevação na zona central, a que os descobridores apelidaram de "ovo estrelado".
Esta ocorrência está nestes dias a ser apresentada e discutida na reunião anual da União Geofísica norte- americana, a decorrer em S.Francisco.

O ovo estrelado à esquerda e o ovinho à direita. Imagem EMEPC retirada daqui

Embora não seja totalmente clara a origem desta estrutura, entre as hipóteses para a sua formação estaria o impacte de um meteorito. Este não poderia ter ocorrido há mais de 17 milhões de anos, por ser esta a idade máxima do fundo oceânico nesta zona.
Todavia, o investigador Frederico Dias, da EMEPC, explica que esta é "uma descoberta importante do ponto de vista cientifico", mas que "é necessário completar estudos para identificar a origem da formação geológica".
Paralelamente, Manuel Pinto de Abreu, da mesma missão, realça a potencial importância "económica" daquele tipo de formações geológicas, por os impactes meteoríticos poderem estar associados a grandes jazidas de minerais.
Ainda segundo este investigador, outra hipótese para a formação desta estrutura seria a existência de um vulcão de lama, também com um potencial interesse económico pela possibilidade de ocorrência de metano, uma importante fonte de energia.
Também se descobriu outra estrutura geológica semelhante a esta, embora mais pequena, a cerca de 3 km, como se tratasse de um "ovinho estrelado".

Fontes: Blog Blacksmoker
Jornal da Lousada
Jornal Público
Telejornal da RTP-A

12 comentários:

RJ disse...

Geomorfologicamente é muito interessante a perfeição essa "carica".

Teremos por aí uma mina de diamantes?

Grifo disse...

Parabéns!!

Fazes anos e não dizes nada!!! AI!

Grifo disse...

Quanto ao post... Não poderá ser um vulcão de lama devido à ocorrência de um impacto? :P

Xinando disse...

Será esta a razão da ilha de Santa Maria ter "subido" tanto e ter fósseis de fundos marinhos quase a 100 metros de altitude?

geocrusoe disse...

RJ
no caso de impacte talvez seja mais provável níquel e ferro do que diamantes... mas não é de excluir, no outro caso, mais um potencial contributo para o eventual efeito estufa ;)

ao grifo
no meu facebook está bem clara a data de nascimento, portanto indirectamente disse. Qualquer forma, obrigado pelos parabéns.

Quanto à pergunta, não deixa de ser uma hipótese interessante a que colocaste, mas nunca ouvi de alguma vez se ter detectado a formação de um vulcão de lama associado a um impacte. Até porque a energia associada ao choque é muito intensa e num curto período de tempo, tende mais a fundir as rochas que a um escoamento de lamas (menos quente).
Por norma estas erupções estão associados a subducção de crosta oceânica, em poucos dias deverei falar do tema.

Xinando
Eu não sei o nível máximo que atingiu o mar desde que se formou SM para determinar se existe um desfasamento entre a altitude desses fósseis e essa antiga cota. Sei que o mar só nos últimos 100.000 anos já subiu mais de 100 m devido ao aquecimento do clima, sem ser por causa do efeito estufa do homem, qualquer forma, deste-me uma dica para estudar o tema

Valter Medeiros disse...

Em primeiro lugar Parabéns!

Quanto aos "ovos estrelados", é realmente uma grande descoberta, e ficarei à espera de novos desenvolvimentos. Será interessante saber a idade e a origem das crateras, pois, se forem posteriores à formação de alguma das ilhas, concerteza haverá indícios de um evento cataclísmico como tsunamis ou chuva de meteoritos escondidos debaixo de uns palmos de terra.

geocrusoe disse...

ao valter
Obrigado.
tens toda a razão, embora pelo que percebi, isso levará algum tempo, pois, em caso de impacte, o material que se terá então formado está agora coberto pela vasa, logo a recolha de amostras terá de ser penetrativa e com custos. Mas se houver interesses económicos envolvidos, certamente que o dinheiro cairá de algum sítio, pelo menos para se chegar às datações. nas ilhas... pode ser tema para mais umas teses mas com maiores dificuldades de financiamento ;)

Fernando Martins disse...

Caro Carlos:

Os meus parabéns!

Quanto à hipótese de impacto, teria de haver, pelo menos no continental de Portugal e (e na América do Norte) impactitos com menos 15 milhões de anos e nunca li nada sobre esse assunto...

geocrusoe disse...

ao fernando martins
também não sei se os procuraram, em ciência parece que hoje em dia se encontra quase tudo o que se quer desde que se procure.
Não sei se teria de haver impactitos no continente, a não ser que esteja a referir-se a uma eventual camada com composição química diferente do normal... mas isso é como disse, será que procuraram? e a o impacte ainda é 1 hipótese
Vulcão de lama parece-me ainda mais improvável... mas que lá acharam a ninhada estrelada... acharam ;)

Basimah disse...

Creio que cheguei em hora boa, ora muitos parabéns!

Quanto à descoberta, para mim, a hipótese da cratera de impacte é mais emocionante em termos de história geológica da região, mas realmente só com sondagens é que teriamos dados mais concretos.

Espero que o interesse dos estados unidos seja apenas científico ;)

Fernando Martins disse...

Eu penso que o Tsunami que se formaria implicaria a formação de impactitos costeiros em Portugal continental - e aqui haveria um depósito de materiais muito grosseiros e com outras granlometrias, brechoide e anárquico...

Mas também não sou especialista nesta área.

PS - há vestígios de um impacto meteorítico perto da Nazaré, sem grandes referências a nível nacional, bastante mais antigo (Cretácico) e também nunca ouvi falar de impactitos com ele relacionados - se calhar eu estou equivocado.

Quanto à composição, poderia ter MGP, mas em quantidades tão baixas (veja-se a dificuldade de medir irídio pelos Alvarez) que dificilmente seria detectada.

geocrusoe disse...

à basimah
não acredite em interesses meramente científico... nem os cientista são muitas vezes são assim.

ao fernando martins
pois acredito nas dificuldades, mas os efeitos de um tsunami ficam de facto registados na coluna estratigráfica das regiões afectadas.
será que alguém tem trabalhado em identificar os maremotos que atingiram a costa portuguesa? se houve, também é provável que não associasse ao ovo que desconhecia, se resultou de facto de um impacte.