quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

POEMA À CIDADE DE TODOS OS OLHARES

Copenhaga lavando os cabelos
na fonte do amor que nascia!
Os sinos da Trinitatis
quatro açucenas batiam.

Nevoentas maçãs abriam
na laje as patas de Março
com cornos de pássaros que vinham
do Egipto derreter a neve.

No quarto em quadrados de açúcar
nítido o amor se espalhava.
Dentro do meu milho latino
Lars Peters ria um riso de água
que o fogo do tempo consumia.

Folhas secas de Copenhaga
ao vento que o adeus assobia!
Os sinos da Trinitatis
quatro açucenas mordiam.

Natália Correia

2 comentários:

Maria Fernanda disse...

Vamos continuar a aquecer e a derreter!

geocrusoe disse...

nanda
se a teoria tiver certa, vamos derreter no inverno e congelar no verão... caso contrário, o calor vai continuar a apertar, pois se a causa for outra apenas será uma tendência que o homen não pode parar, mas a possibilidade de se testar a verdade reduziu-se.