segunda-feira, 12 de novembro de 2007

CAPELINHOS - a União ao Faial

No final de Outubro, como já dissemos, a Ilha Nova, formada ao longo daquele mês pela erupção surtseyana dos Capelinhos colapsou e praticamente desapareceu numa noite aquilo que o vulcão levara semanas a construir.
Em Novembro os Capelinhos continuaram com uma erupção tipicamente submarina, fortes explosões devido ao contacto de magma quente com o mar frio e a expelir grandes quantidades de cinzas e vapor. Recomeçou então a construção de nova ilha...
[Excerto de foto à venda na Foto-Jovial, Horta, e publicada em: Machado, F. e Forjaz, V. H. (1968) "Actividade Vulcânica do Faial - 1957-67" Ed. Com. Reg. Turismo Distrito da Horta]


Ao longo do mês, enquanto uma nova ilha crescia com os materiais expelidos, o mar deu uma ajuda nas obras, revolveu os sedimentos do seu fundo, muitos provenientes do colapso do mês anterior e começou a construir um cordão de areia entre a nova terra e o Faial, aproveitando ainda o abrigo dado pelos ilhéus dos Capelinhos, no dia 12 de Novembro, o edificado pelo vulcão ligou-se ao Faial através de um istmo de areia.

A partir desta data, a ligação a terra foi-se alargando, com a adição de mais cordões de areia, trazida pelo mar, criando lagunas entre o istmo e os novos cordões. Agora já não era apenas o vulcão que crescia... o Faial também aumentava em tamanho e a Península do Capelo deixou de acabar no Costado da Nau e passou a terminar no Vulcão dos Capelinhos.

2 comentários:

Anónimo disse...

Nunca liguei muito a este tema,até ter passado umas férias na Ilha de Lanzarote,percorri de carro todos os cantinhos,e fiquei maravilhada,como um vulcão,pode mudar completamente o mundo,além disso,o aproveitamento até das coisas mais inúteis,para fazer daquela ilha uma coisa de conto de fadas,é uma lição para todos,César Manrique,um artista plástico que fez desta ilha aquilo que ela é.Lugares lindos como Timanfaya onde se sente em tudo a presença dos vulcões e aquilo que eles podem fazer,é de arrepiar,não sei como vocês podem viver dentro desses infernos.é medonho é sentir a impotencia do ser humano perante Deus e o mundo.Outros lugares como a gruta com o nome de Gémeos de Agua onde a mão do homen fez daquele espaço uma sala para concertos,e muitos mais espaços incriveis.Miradouro Del Rio onde a natureza e a mão do homem se confunde, com grandes vidraças onde se vê toda aquela maravilha,realmente é pena não aproveitarem essas belezas nessas ilhas,seria optimo para todos.Até mais Filipa

geocrusoe disse...

Obrigado Filipa, embora não exlusivamente, este blog pretende divulgar a geologia, incluindo o seu potencial turístico.