terça-feira, 11 de novembro de 2014

"A Grande Arte" de Rubem Fonseca


Poucos livros do género policial e banditismo têm a genialidade de conjugar as grandes emoções deste tipo trama e ser em simultâneo uma obra de arte literária que deveria ser de culto. Rubem Fonseca consegue em "A Grande Arte" fazer uma paródia cheia de ação e referências culturais ligada ao submundo do crime, prostituição, narcotráfico e advocacia de investigação com um protagonista do tipo herói falhado, exceto na sua obsessão e sucesso com as mulheres, mas que gera simpatia no leitor, e criar um romance que é uma obra-prima.
Esta edição tem um prefácio de Francisco José Viegas e um posfácio de Vargas Llosa que fundamentam perfeitamente por que este romance violento, divertido e de puro entretimento deve ser de facto uma obra de referência no seu género.
Rubem Fonseca na sua escrita fria e do género reportagem acelerada, memórias e algumas brejeirices, intercalada de expressões irónicas e de riqueza cultural, cria uma trama única e que mostra como se transforma uma temática para muitos considerada menor num romance de nível literário superior do melhor ou o melhor que já li no género, que justifica o escritor ter o prémio Camões e  valoriza a literatura escrita em Português. Um livro recomendável e acessível a qualquer leitor.

2 comentários:

Pedrita disse...

esse eu não li. gosto desse autor. tb não li mar morto do jorge amado. bela capa da obra. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Pois recomendo "A grande arte" no género de fidção de entretimento policial é uma obra-prima.
Mar Morto estou no início, parece-me que tem uma escrita muito poética, como há tempos disse, estou a tentar descobrir melhor a literatura do Brasil. Até agora bem impressionado.