quinta-feira, 8 de maio de 2014

"Afirma Pereira" de António Tabucchi

Editora Leya

"Afirma Pereira" de António Tabucchi é um romance escrito sob a forma de um depoimento das declarações do jornalista lisboeta Pereira, no momento responsável pela página cultural da publicação para onde trabalha, que relatam a sucessão dos vários acontecimentos que antecederam o despertar da sua consciência, o levaram a sair do seu comodismo cobarde e a tomar uma ação de denúncia numa ditadura em Portugal dominada pela censura e a polícia política, isto num verão contemporâneo da guerra civil de Espanha e num Estado seguidor dos "bons costumes" da religião e subserviente  aos regimes então instalados na Alemanha e na Itália.
Numa linguagem linear, fácil de seguir e com capítulos curtos que descrevem as rotinas do dia-a-dia ou os eventos extraordinários ocorridos, bem como os diálogos e as ações que com Pereira interagiu nesse verão que estiveram na base da transformação da sua personalidade acomodada a um "eu hegemónico" para uma nova consciência ou alma que vai evidenciando o papel da literatura na formação da pessoa humana e no moldar da sociedade.
Uma pequena grande obra muito agradável de se ler que harmoniza o papel da ficção radicada na história com a capacidade da literatura despertar para a reflexão sobre a sociedade e questões de consciência sem se amarrar a campos ideológicos ou prejudicar o prazer associado ao lazer.

4 comentários:

Pedrita disse...

fiquei muito interessada. anotado. censura é algo que ainda vivemos na imprensa no brasil. é mais discreta, mas ainda perdura. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Felizmente por cá há liberdade natural na imprensa, até para o disparate e mentira há campo aberto, o bom-senso é que por vezes se sente mais intimidado. ;-)

Os Incansáveis disse...

Do Tabucchi, li em italiano "Notturno indiano". Eu estava fazendo Letras - Língua Italiana e a professora pediu para lermos esse livro. Nossa! Já se vão quase 20 anos! Não me lembro se gostei ou não.
Denise

Carlos Faria disse...

Tirando "A mulher de Porto Pim" que é de contos passados nos Açores e cujo o que dá nome ao livro se passa na ilha onde vivo, este é o segundo trabalho dele que leio, deste gostei muito, o outro de um género tão diferente não é comparável, mas tem contos muito interessantes.