segunda-feira, 2 de abril de 2007

O BERÇO ABANDONADO

Após a demonstração de um exemplo de recuperação -os fornos de telha da Ribeirinha - eis nas fotos abaixo um caso que necessita de reflexão sobre o modo de intervir e de recuperar a memória.

Este post não é uma crítica, após o sismo houve muitas prioridades, mas a partir de agora, há que reflectir nas nossas origens. O provérbio diz: "Roma e Pavia não se fizeram num dia", e eu acrescento, mas com o tempo fizeram-se completamente.

É lógico que nem tudo pode ainda estar feito... mas não deve ficar esquecido, antes pelo contrário, deve-se pensar como agir para resolver futuramente.

Como se sabe, todas as povoações instalaram-se onde havia água. Depois desenvolveram-se aquelas cujo solo e clima permitia boas colheitas, ou onde havia um produto de valor comercial importante (pesca, caça, minérios, etc.) ou ainda, onde a posição geoestratégica permitia o desenvolvimento do comércio ou o apoio a rotas comerciais (o porto da Horta é um exemplo destes).
A Ribeirinha, tal como os Flamengos, fazem parte do primeiro grupo, havia uma nascente numa ribeira (respectivamente a do Valado e a das Bicas), bons terrenos agrícolas circundantes e correspondiam a um local seguro face aos corsários...

Imune ao sismo e ao abandono a nascente do Valado ainda hoje corre (provavelmente contaminada e imprópria para consumo), mas já não se vê o tanque que armazenava água, nem o local onde as lavadeiras lavavam roupa, nem o poço onde os agricultores recolhiam água para os animais...

Independentemente do reordenamento da Ribeirinha o berço desta localidade está neste momento abandonado, arruinado e coberto por uma trepadeira exótica.

A fonte do Valado junto à ribeira, no extremo direito da fotografia acima está a nascente



O estrutura à direita e coberta de trepadeira é a antiga cisterna


Local actual de exsurgência de água junto da ribeira



A água ainda procura mais vias para nascer e continua a brotar pelas paredes


A zona actual da de saída de água da nascente

Pormenor de como a água ainda brota junto à sua saída actual.


Apesar de tudo... agora que a reconstrução das habitações praticamente está concluída, chegou a hora de olhar para a memória.... os fornos já se recuperaram... falta o berço da freguesia: a Fonte do Valado.

1 comentário:

jcarlos disse...

muito bem, realmente se pararmos um pouco para apreciar a nossa historia, constatamos que ela já é longa e de bastante conteudo, concordo que fica aki registada uma belissima ideia de valorização turistica e historica da nossa freguesia, mas tambem é certo que em termos de ordenamento , estruturaras viarias e respectivo embelezamento ainda estamos no principio, e essas precisamos delas todos os dias...