sábado, 2 de julho de 2016

"O Grande Gatsby" de F. Scott Fitzgerald


Acabei de ler "O Grande Gatsby" de F. Scott Fitzgerald e fui surpreendido pelo conteúdo e mensagem subliminar da obra. Confesso que, apesar de muito ouvir falar deste romance, considerado um ícone da história da literatura dos Estados Unidos, nunca procurei saber a sua história, pois quando vi cartazes e thraillers das suas adaptações cinematográficas hollywoodescas, cheio de imagens feéricas e percebendo eu que se passava nos loucos anos 1920, pensava que se estaria numa história sobre a loucura daqueles tempos misturada com dinheiro de gangsters do período da lei seca.
Afinal eis que me saiu o desenrolar da paixão de um Gatsby que foi pobre por uma menina de rica que mostra quanto é falível o recurso ao enriquecimento e à ostentação social para reconquistar uma paixão ou recuperar o tempo perdido para o amor numa sociedade oca que se aproveita do momento, mas sem nenhuma profundidade moral para além da sobrevivência e onde o protagonista se tornou na grande vítima deste engano. Uma história maravilhosamente escrita, que se serve de um retrato de época para dizer muito mais que lá está escrito nas suas não muito numerosas páginas. Gostei e recomendo a qualquer leitor.

10 comentários:

Pedrita disse...

eu ainda não li. adoro esse autor. capa estranha. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

A capa pode não ser muito bem conseguida, mas aquelas luzes feéricas e aquela lágrima dizem muito sobre o livro.

Manuel Cardoso disse...

Carlos, este é um dos livros da minha vida.
Achei-o, como dizes, muito bem escrito e um grande testemunho da época. Mas o que mais me impressionou foi o humanismo que está latente nessas páginas. Eu costumo dizer que o protagonista, o Gatsby, é o amigo que todos gostaríamos de ter. É o exemplo do que pode ser um ser humano magnífico.

Marta disse...

O livro é muito bom e mais profundo do que parece.
A capa é a da edição original.

Carlos Faria disse...

Efetivamente depois de termos colocado alto os valores humanos em Daisy, no fim quem mostrou um elevado altruismo foi mesmo Gatsby

Carlos Faria disse...

Obrigado, Marta, pelo esclarecimento da capa

olhodopombo disse...

Adoro esse autor e já li quase todos os livros dele traduzidos para a nossa lingua portuguesa.

Carlos Faria disse...

Mas este é considerado a sua obra-prima.

nuno martins disse...

O "Gatsby" é sem dúvida um daqueles livros que deveria ser de leitura obrigatória, já o li há alguns anos e fiquei completamente rendido, o livro apesar de parecer ter uma ação simples e superficial, apenas "meninos ricos" a divertirem-se em festas e excessos, é justamente o contrário, mostra-nos o nosso interior, a nossa alma e acima de tudo a nossa moralidade.

Carlos Faria disse...

Efetivamente um livro que todos deveriam ler precisamente pelo que disse