sábado, 27 de abril de 2013

"E agora Zé-ninguém?" - Hans Fallada


Mais que um livro sobre a crise económica na Alemanha que levou o País ao nazismo, é uma estória de sobrevivência de um casal vítima da tirania financeira e laboral desse período.
Um livro essencialmente de diálogos simples com pessoas na sua maioria simples, cuja ternura não desaparece nos personagens principais e onde o amor conjugal, maternal e paternal garantem a sobrevivência da dignidade, mesmo numa sociedade nem sempre simpática para com as vítimas da desumanidade em resultado do interesse egoísta dos oportunistas das crises económicas.
A estória de um homem amante de princípios inabaláveis e de uma heroína amada que não baixa os braços num mundo injusto que pode estar a acontecer à nossa porta. Uma obra que por vezes apela à revolta do leitor, sem o deixar de enternecer e de muito fácil leitura.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

25 de Abril - Dia da Liberdade

Liberdade,
Que se alimenta na luta,
Que se oxigena no respeito,
Que tem por cicuta
Pisar do outro o leito.
Renasce na fraternidade

Liberdade,
Apesar de tão amada
e fonte de esperança,
Por vezes aproveitada
No semear da desconfiança.
Renova-se na solidariedade

Liberdade,
Que na luta é ferida
Nunca é uma causa perdida.
Nos anseios de uma criança
Recria-se a esperança
No voltar da Liberdade



terça-feira, 23 de abril de 2013

Dia Mundial do Livro - 23 de abril

Como habitualmente neste dia mundial do livro o blogue Geocrusoe expõe os livros mais marcantes desde o anterior dia do livro. Optei por livros que pela sua dimensão, facilidade de leitura e qualidade podem ser lidos por qualquer pessoa sem uma maturidade literária profunda... basta que gostem de ler ludicamente, assim exclui a obra mais densa que foi "Em busca do tempo perdido" com os seus sete volumes, mas não poderia deixar passar tal romance complexo aqui neste dia.

A Boneca de Kokoschka, é a minha recomendação ao nível de romance nacional, houve outros livros nacionais lidos ao longo deste ano que também gostei, mas sem dúvida este merece o prémio da originalidade, mesmo contendo componentes baseadas em factos reais: pequeno, fácil leitura, bom humor, ironia e frases para reflexão juntam-se num pequeno livro a não perder. Prémio europeu pode ser importante, mas mesmo sem o galardão, merecia ser lido.

"Gente Independente" é a minha recomendação na literatura internacional. Um livro mais antigo, mas que me marcou profundamente e apesar de ter uma primeira parte que se pode tornar repetitiva, merece pela importância da mensagem da segunda parte ser lido por todos os portugueses devido à forma como explica as causas de uma crise que afetou a Islândia no início do século XX que em muito dá para compreender a que Portugal atravessa cerca de um século depois.

"Dentro do segredo" de José Luís Peixoto é literatura de viagens, neste caso a um mundo estranhíssimo que é a Coreia do Norte. Um regime inqualificável, a única monarquia comunista do mundo no "reino" mais fechado ao mundo dentro deste planeta, vale a pena ler o relato por quem viveu a experiência de visitar tal país tão recentemente.
Este ano não haverá o melhor livro de literatura canadiana como habitualmente, por entretanto não ter lido nenhum livro do meu País natal.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

22 de abril - Dia da Terra

Nascer da Terra na Lua - foto da NASA extraída daqui

Hoje celebra-se o dia da Terra, a casa da humanidade onde residem mais de 7000 milhões de pessoas, onde das mais ricas às mais pobres praticamente todos querem sempre mais e mais num planeta limitado para uma espécie de desejos ilimitados.
Até quando aguentará o nosso planeta?
Como será o amanhã depois da Terra se tornar incapaz de nos sustentar?
Talvez negro como o céu desta foto.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Memórias de Adriano - Marguerite Yourcenar

Uma biografia ficcionada do imperador romano do século II Adriano, um dos responsáveis por um extenso período de paz e de prosperidade do império após as absurdas loucuras de Calígula e Nero.
A obra foi escrita em estilo epistolar na primeira pessoa e destinada a formar a consciência do futuro imperador Marco Aurélio, de quem este recebeu o direito à sucessão, mesmo sem ser nomeado sucessor direto de Adriano.
O livro mostra um Adriano culto e humanista que procurou o bem do seu povo e tratou de assegurar o futuro do seu império. Nem tudo pode ser visto como ético e moral à luz da atualidade, pode gerar confusões seu amor por Antínoo numa época em que o helenismo se sobrepunha ao cristianismo emergente, mas o objetivo da maioria das decisões mais difíceis deste imperador foi o bem dos cidadãos que governava com especial atenção dos mais fracos.
Justifica Adriano algumas das suas decisões preventivas para riscos futuros "Os nossos fracos esforços para melhorar a condição humana seriam apenas distraidamente continuados pelos nossos sucessores; pelo contrário, o grão de erro e de ruína contido no próprio bem cresceria monstruosamente ao longo dos séculos." Pormenor que espelha bem o que Yourcenar viu neste homem político cuja lucidez e princípios depois tanta falta passaram a fazer na gestão da Europa que desembocou na crise de valores atual.
Um livro que procura ser fiel aos principais acontecimentos daquele período que todos devem ler, sem perder as notas que a escritora faz sobre a forma como chegou a estas importantes memórias.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Montanha do Pico em risco - Notícias - RTP Açores

Montanha do Pico em risco (Som) - Notícias - RTP Açores

Porque em matéria de riscos naturais mais vale a pena prevenir que remediar, espero que comecem a efetuar uma monitorização de eventuais movimentos de massa atempadamente.
Curiosamente, já falara deste assunto aqui no Geocrusoe há já uns anos... não posso precisar se houve agravamentos nos últimos dias, mas já observei sinais que me preocuparam há uns tempos atrás.

Recorde-se que as ruturas e depois os nos movimentos de massa podem acontecer em períodos calmos ou serem acelerados por precipitações intensas e sismos.

terça-feira, 9 de abril de 2013

"O Tempo Reencontrado" - Marcel Proust

O último volume de "Em busca do tempo perdido" fecha o ciclo da memória do narrador, iniciado nas angústias de criança, passou à frescura do amor juvenil, desencantou-se nos vícios, preconceitos e paixões adultos e desemboca agora no crepúsculo da velhice e reconhecimento do tempo percorrido.
"O tempo reencontrado" é um epílogo do romance das memórias do narrador, a descoberta da importância do tempo numa vida e dos seus efeitos físicos e sociais. É uma dissertação sobre a decisão de passar as recordações a livro e o papel do tempo na vida. É a exposição da técnica e da estratégia para transformar o livro sobre o tempo e a memória numa obra de arte a doar à humanidade, onde o que importa à vida é interpretado por Proust e a memória reinterpretada.
"O tempo reencontrado" dá-nos a essência de todo o romance "Em busca do tempo perdido" e Proust não se furta a explicar como idealizou a sua obra como escritor: "deveria preparar preparar o seu livro com toda a minúcia, reunindo constantemente as suas forças como que numa ofensiva, deveria suportá-lo como um fadiga, aceitá-lo como uma regra, construí-lo como uma igreja, segui-lo como um regime, vencê-lo como um obstáculo, conquistá-lo como uma amizade, sobrealimentá-lo como uma criança, criá-lo como um mundo sem deixar de lado aqueles mistérios que provavelmente só têm explicação em outros mundo e cujo pressentimento é o que mais nos comove na vida e na arte."
O receio da morte antes da conclusão do livro está bem presente em "O tempo reencontrado" e de facto afetou a revisão dos últimos volumes romance, mas "Em busca do tempo perdido" deve ser uma das obras mais significativas da literatura mundial e exige maturidade literária do leitor para a apreciar plenamente.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Concerto da Páscoa - Um magnífico serão musical!

Após uma longa espera para se ouvir novamente no Faial um novo concerto da Horta-Camerata, orquestra que tem marcado positivamente pela qualidade musical ímpar o reportório erudito que se tem interpretado nesta ilha ao longo dos últimos anos, foi com elevada ansiedade que esperei pelo concerto Sinfónico de Páscoa 2013 e confesso que valeu a pena. 
A primeira parte foi inteiramente preenchida pelo Concerto para Piano e Orquestra n.º 8 de Mozart, sendo solista Alexander Kuklin, que atualmente desempenha atividade de professor convidado na ilha Graciosa.
Além da sempre agradável música de Mozart, Alexander Kuklin tocou esta obra clássica respeitando o estilo da época e resistindo a certas tentações frequentes nalguns intérpretes de expressarem com maior intensidade a emoções do período romântico e por vezes mascaram a fluidez do estilo clássico original. Assim, neste concerto foi bom ouvir-se Mozart a respeitar o estilo da época de Mozart na sua forma alegre e contida como este compositor brincava com as teclas e a música.

A segunda parte começou por recuar ao barroco no larguetto da ópera Berenice de Händel, uma linda composição musical, tocada com a sensibilidade adequada e que nos preparou para  o regresso ao período clássico com a sinfonia 43 de Haydn - Mercúrio mas agora anterior a Mozart.
Uma Sinfonia onde os temas são repetidos com subtilezas de modulação e variações que mostram a genialidade do Haydn e preparam o ouvinte ir descobrindo a evolução desta música e a reconhecer as suas principais frases de forma a ficar cativado pelos temas principais dos vários andamentos e sem dúvida que a qualidade posta na interpretação, mesmo com músicos amadores, soube tirar partido máximo das particularidades desta sinfonia. 

Por fim uma palavra para a direção musical de Kurt Spanier que mais uma vez mostrou que sabe descobrir, selecionar e potenciar ao máximo músicos dispersos por estas ilhas e não só, nas sua grande maioria ainda jovens mas com grande talento, e ainda consegue juntá-los e em poucos dias viabilizar concertos de grande qualidade de interpretação.
Uma palavra para os músicos que apesar de terem sido afetados por uma greve de transportes para chegar ao Faial, mesmo assim com o seu saber, talento e empenho foram capazes de chegar a um patamar de qualidade de interpretação e integração na orquestra de forma a conseguir um magnífico serão musical!
Parabéns!