sábado, 14 de abril de 2018

"Pátria" de Fernando Aramburu


Excertos
"Dizer-te que peço desculpa, mas que não posso te cumprimentar porque isso me iria trazer problemas. Mas se te vir na rua quero que saibas que te estou a cumprimentar em pensamento."

"A mim mandam-me executar um fulano e eu executo seja quem for. A sua missão não era pensar nem sentir, mas sim cumprir ordens. Os que depois criticam não entendem isto."

"Pedir perdão exige mais coragem do que disparar uma arma, do que acionar uma bomba. Isso qualquer um faz. Basta ser jovem, crédulo e ter o sangue quente."

"Não estarás a insinuar que a paz está em perigo porque a viúva de um assassinado vem passar umas horas a sua casa?"

"Pátria", do hispano-basco Fernando Aramburu, foi um livro que antes de estar traduzido já eu estava ansioso por ler. É um retrato das tensões sociais ao longo de décadas entre gente amiga numa povoação onde todos se conhecem no País Basco sobre a pressão do terrorismo separatista da ETA, entra ainda uns anos pós acordo de paz já no século XXI, mas em que as feridas ainda sangram. Um romance que tem sido um sucesso editorial em Espanha, mesmo agora sobre pressões secessionista na Catalunha.
Miren e Bittori foram as maiores amigas desde a infância na sua terra nos arredores de San Sebastián, ambas casaram e suas as famílias continuaram a partilhar a mesma amizade e cooperação, até que um dia o filho de uma se torna membro da estrutura terrorista da ETA, depois o marido da outra é ameaçado e mais tarde assassinado, isto numa terra onde todos se conhecem, os jovens convivem  em grupo e a pressão separatista considera inimigo quem não assume a defesa desta guerra.
A narrativa vai-se completando com as descrições de cenas passadas ao longo de décadas, onde de coabitam os encontros/desencontros, o amadurecimento das amizades/inimizades, o domínio do medo/preconceito com a opção pela sujeição à pressão ou pela tentativa de ultrapassar, o crime, as vítimas e as feridas sangrantes com a benção de uma igreja comprometida.
A escrita é muito fácil, por vezes com um narrador externo omnisciente e sarcástico que nos dá a conhecer os sentimentos dúbios, frequentemente encadeados como no parágrafo anterior, que une a hipocrisia das situações com a realidade oculta. Outras vezes é tenso, contudo, mesmo nos momentos mais violentos, não é agressivo, pois há sempre um tempero que não ultrapassa uma certa sobriedade e distanciamento de forma ao leitor sentir os vários aspetos em conflito sem tomar uma opção inequívoca por uma das partes, mas sem desculpar culpados.
Adorei o livro e li-o de rajada, recomendo a qualquer leitor pela sua facilidade de leitura e retrato real do que é uma sociedade extremada que se deixa dominar pela violência que impede de ouvir o outro de quem é amigo apenas por já não haver condições sociais de conviverem com a diferença, mesmo que esta seja simplesmente não estar assumida ou não fazer parte dos objetivos.

3 comentários:

ematejoca disse...

Grande inspiração, Carlos!

Tenho este livro em cima da minha mesinha de cabeceira, mas depois de ler o seu texto ainda fiquei com mais curiosidade.

Pedrita disse...

linda capa. fiquei muito curiosa já que li a primeira fase e fiquei pensando o que impediria de cumprimentar. aí na sua resenha vi que o livro relata locais de conflitos. fiquei muito interessada. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Ematejoca
Vale a pena a leitura e pode-se bem ver com ele a diferença com que foi tratada a tentativa de independência do País Basco face à questão da Catalunha. O autor vive na Alemanha e é sem dúvida uma das melhores obras que li ao longo do último ano.

Pedrita
Tirando as personagens e respetiva vida que são ficção, o conflito foi bem real e mesmo aqui ao lado em Espanha, a luta pela separação do País Basco com recurso ao terrorismo forte e duro. Espero que as posições extremadas que vejo por aí no Brasil não abram feridas nem situações tão duras como aquelas que ainda não estão bem saradas.