terça-feira, 10 de outubro de 2017

"Humilhados e Ofendidos" de Fiódor Dostoiévski


Na generalidade as obras do escritor Fiódor Dostoiévski denunciam a injustiça social no mundo russo do século XIX através de uma reflexão e confronto entre modelos políticos de valores e ética tradicionais e outros revolucionários hedonistas de corte com o passado e ainda com a dialética filosófica entre crentes e ateus, criando narrativas tensas onde a maldade ou o oportunismo de alguns gera vítimas inocentes arreigadas aos seus princípios, sendo tudo isto temperado com dramas românticos com paixão não dominadas em personagens exemplares que ficam reféns de maquiavélicas conjuras. Assim estas obras  tornam-se manifestos e apelos de conversão da sociedade a um mundo mais justo e pleno moral.
"Humilhados e Ofendidos" é uma narrativa de um escritor prometedor em início de carreira e por isso tem algo de autobiográfico e é um romance que não se envolve em ideias políticas ou discussões religiosas que mais tarde caracterizam Dostoiévski, mas mantém a estrutura e o estilo básico dos maiores clássicos deste escritor, mostrando quão maus podem alguns ser, semeando dor, injustiça e destruição de paixões por mero egoísmo sobre outros mais fracos e honestos e quanto orgulho e os princípios de honra podem ainda ampliar estes efeitos nefastos em quem é ofendido e humilhado pelo mais forte e sem escrúpulos.
Assim, Humilhados e Ofendidos, sem deixar de ser um magnífico romance típico de Dostoiévski, é mais acessível ao leitor que se sente perdido em discussões filosóficas e ideológicas de outras grandes obras deste escritor, mas preserva o essencial: a luta entre o bem o mal que importa para tornar o mundo melhor.
Gostei muito e para quem nunca leu este autor e teme a complexidade dos conteúdos, este romance pode ser uma obra de entrada para abrir portas às maiores obras da literatura mundial escritas por Dostoiévski de quem sou um admirador convicto.

8 comentários:

Pedrita disse...

esse não li. gostei da capa. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

As capas desta coleção de obras de Dostoiévski são todos iguais, com um aspeto muito sóbrio e só mudam as letras e as cores, mas gosto delas pois evidenciam a importância do conteúdo.

Kelly Oliveira disse...

Oi Carlos, acabei de ler "Crime e Castigo" ontem. Foram dois meses lendo... Amei a leitura!

Não conhecia esse "Humilhados e Ofendidos", vou procurar...

Abs.

Carlos Faria disse...

Gostei muito de crime e castigo, embora Os demónios seja aquele onde a discussão teológica, hedonista e moral na visão de Dostoiévski é levada ao seu ponto mais elevado e continua a estar entre as obras que mais me marcaram deste autor.

Bárbara Ferreira disse...

Nunca li este! Na verdade, li pouco Dostoevsky, algo que deveria rectificar. Tenho para ler "O Idiota", mas hei de procurar este também.

Carlos Faria disse...

Este é bom, mas O idiota é mais profundo e tem muitas mensagens subliminares por trás dos desabafos emocionais do protagonista.
Os meus favoritos são Os demónios e Crime e castigo, mas Os irmãos Karamazov também é magistral... mas ainda não li tudo dele, os grandes este Humilhados e Ofendidos parece-me o mais acessível.

Bárbara Ferreira disse...

Eu li "Crime e Castigo" e "Notes from the Underground". É um autor que tenho de explorar mais!

Carlos Faria disse...

Notas do subterrâneo como foi o título que li em Português é de um estilo muito distinto da maioria dos outros romances, talvez recordações da casa dos mortos seja tão negro como esse.
O meu Dostoievski preferido ainda é Os demónios, mas O idiota e os Irmãos Karamazov também são excelentes e recomendo qualquer um deles para conhecê-lo melhor.