domingo, 23 de abril de 2017

Dia Mundial do Livro - Os meus preferidos de um ano de leituras

23 de abril comemora-se em Portugal o Dia Mundial do Livro, em Geocrusoe não costumo fazer a apreciação das minhas leituras anuais no dia de ano novo, mas sim nesta data e como sempre a escolha não é fácil e é função das marcas que as obras deixaram em mim, bem como as categorias são função do tipo de livros que li.


Mais Apreciada Leitura de obra Portuguesa


Não foi fácil a escolha entre este magnífico texto literário "Húmus", de Raul Brandão, e a pérola estilística de "O que diz Molero", de mais fácil leitura e igualmente original. Todavia, apesar de Húmus não ser de fácil, antes pelo contrário, é de uma perfeição de escrita e com profundidade de reflexão e abordagem filosófica que não poderia deixar a obra para trás em nome de uma facilitismo comercial que doentiamente me parece estar a degradar hoje em dia a literatura nacional. Um pequeno volume, mas um enorme livro.


Mais Apreciada Leitura de obra Lusófona

"A república dos sonhos", de Nélida Piñon, corresponde a uma saga familiar bem escrita que atravessa quatro gerações de uma família, das quais três na condição de imigrantes galegos que servem para contar não só os sonhos de quem escolheu o Brasil como sua pátria, lutou por ser alguém aos olhos dos outros ou na sua forma de ser e se confrontou com os obstáculos da integração mas também para analisar mais de meio século de história do país de acolhimento com todos os seus defeitos e virtudes e crises políticas, regimes democráticos e ditatoriais. Extenso, mas sem dúvida um bom livro.

Mais Apreciada Leitura de obra Original em língua estrangeira

Foi sem dúvida a escolha mais difícil, havia vários romances possíveis, alguns de laureados com o Nobel, mas a riqueza de informação neste livro sobre a vida da população urbana nigeriana, a caracterização da integração da emigração atual africana nos Estados Unidos e Reino Unido, além do facto de ser uma obra que mostra que na atualidade ainda se escrevem grandes e bons livros, pelo que ainda há esperança na continuação da literatura, incluindo a partir de países de grande dificuldade social e pouco admirados no ocidente, levaram-me a selecionar "Americanah" de Chimamand Ngozi Adichie.

Mais Apreciada Leitura de obra Canadiana


Apenas li três obras canadianas, "The origin of species", de Nino Ricci, foi lida na língua original  e ganhou GG prize do Canada em 2008. É sem dúvida um excelente romance que mostra muito do que é a vida multicultural do meu país natal, onde também ocorrem desencontros pelas diferenças, buscas de identidade e do significado da vida nesta biodiversidade de povos que segue muito das mesmas regras materializada na teoria da evolução de Darwin. Uma obra que me despertou interesse em ler outros título do autor e por isto eleita nesta categoria.

6 comentários:

ematejoca disse...

Li com interesse a análise dos livros escolhidos. Infelizmente, só conheço "Húmus" de Raul Brandão, que ainda ontem tive na mão.

Carlos Faria disse...

Para uma análise dos tempos atuais e numa visão global, recomendo Americanah, mas todos eles são bons livros

Pedrita disse...

nem me fale, qq seleção nunca é justa. assim como os prêmios, mas sempre reforçam as maravilhas que lemos. após sua postagem da república dos sonhos que comprei a obra e está na estante a ler. engraçado que foi um amigo português que me levou a compra. mas tb eu tinha visto recentemente uma entrevista com a autora onde ela dizia exatamente que é o livro dela mais traduzido no mundo. e tb disse q é uma saga, o que amo. então a sua postagem reforçou a vontade de ler e adquiri. a capa da edição q comprei não é tão bonita quanto a sua. quero ler da chimamanda. adorei a sua seleção. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Descobri A República dos Sonhos a partir de uma entrevista da escritora que ouvi na Antena2, uma estação de rádio, pública, que só transmite divulgação cultural, desde literatura, teatro e exposições e preenchida por música erudita e jazz. gostei muito de ouvi-la e interessou-me comprar a obra que mais falou e valeu a pena.
Americanah é bem diferente, mas é um grande romance e ensina-nos muito em paralelo.

Kelly Oliveira disse...

Esse tipo de lista é difícil de fazer, mas sempre divertida.

É um mistério entender o que e por que um livro nos toca a mais que outros.

Abs

Carlos Faria disse...

Sim, e normalmente a seleção é fruto do momento em que se faz, se fosse feita noutro dia muitas vezes teria diferenças, embora eu por norma levo vários dias a pensar para ela se tornar mais estável.