sábado, 17 de dezembro de 2016

"A curva do Rio" de V. S. Naipaul


Acabei de ler "A curva do Rio" do britânico de ascendência indiana, nascido em Trinidade e Tobago e prémio Nobel da literatura: V. S. Naipaul. O romance narra a experiência de vida de amadurecimento de Salim vista pelos seus próprios olhos. Nascido na costa oriental africana, de uma família antiga e influente de ascendência asiática, de tradição muçulmana que na juventude ao não ver perspetivas de futuro na sua terra natal decide adquirir uma empresa de comércio numa cidade de um País no centro de África, recentemente descolonizado, onde as características do rio permitem que o local tenha um grande potencial económico de futuro e onde se cruzam as muitas culturas que nos últimos séculos moldaram este Continente: os africanos originais de etnias variadas, os colonos, os conselheiros ocidentais pós-independência, os povos há muito radicados a sul do Sara, os missionários, gente cristã, islâmica e das religiões tradicionais, todos sob a capa de um líder carismático da nova Africa cheio de vigor para criar um futuro glorioso, mas que com o tempo vai ramificando o seu poder para controlar todo o Estado e tirar proveito de todas as divergências, incoerências sociais, preconceitos e assim dominar, desculpar-se e alimentar conflitos que degradam a socieconomia e sua população inicialmente esperançada mas que vai enfrentando a desilusão, a corrupção e as guerras ao longo dos anos.
Eis um livro poeticamente escrito e sem ser agressivo, consegue retratar a violência humana e os vícios internos de sociedades vítimas de regimes opressivos e corruptos, onde oportunistas internos e externos condenam Povos inteiros e inocentes à estagnação económica e do conhecimento, comprometendo o evoluir de pessoas inocentes e os seus sonhos e, sobretudo, o futuro de nações inteiras... neste caso um continente inteiro espelhado neste País, através desta cidade situada na curva de um rio.
Este romance é efetivamente um magnífico retrato dos problemas da África subsariana no período pós-colonial, explica muito dos problemas que afetam ainda hoje esta zona do planeta e, apesar da negritude das questões denunciadas, consegue apresentar-se num estilo literário onde a poesia da escrita traça um quadro triste num belo livro. Gostei e recomendo a quem gosta de obras que dizem muito mais nas entrelinhas através de uma estética onde fealdade não estraga a beleza do saber expor com arte.

7 comentários:

Pedrita disse...

esse eu não li. no meu blog tem dele os guerrilheiros. adoro esse autor. http://mataharie007.blogspot.com.br/2009/04/guerrilheiros.html
beijos, pedrita

Marta disse...

Li o livro há vários anos, numa edição do Diário de Notícias, que tinha uma boa selecção de escritores. Lia no comboio até à universidade e cada momento livre servia para ler mais umas linhas. Penso que teria 18 ou 19 anos e fiquei apaixonada a ponto de ler outros livros. "Uma casa para Mr. Biswas" é bastante bom. Tenho 28 anos mas quando digo que li livros há muitos anos pareço ter 100!
Ficarei atenta à sua próxima leitura. já ouvi falar.

Carlos Faria disse...

Pedrita
Pois recomendo por tudo o que nos ajuda a compreender África e ainda conseguir isso de uma forma tão elegante.

Marta
Tenho ouvido recomendações deste escritor sobretudo de "Uma casa para Mr. Biwas" e também "Num país livre"

Denise disse...

Olá Carlos,

Gostei muito da crítica e na sequência, muito curiosa com o livro/escritor, que nunca li.

Boas leituras!

Carlos Faria disse...

Penso que é sem dúvida um grande livro Denise.

Os Incansáveis disse...

Já li e reli este livro. Gosto muito do Naipaul. Está na fila para leitura "Uma casa para o Sr. Biswas".
Denise

Carlos Faria disse...

Tenho recebido muitas recomendações sobre "Uma casa para Mr. Biswas" e depois deste espero de facto ler mais obras de Naipaul.