sexta-feira, 13 de junho de 2014

"Orlando - Uma biografia" de Virginia Woolf


"Orlando - uma biografia" é uma das obra de Virginia Woolf mais conhecidas e de maior sucesso.
Conta a vida desta personagem fruto da pesquisa de um suposto biógrafo que chega a comentar os principais acontecimento de Orlando, um pessoa da alta nobreza e rica que nasceu homem no final do século XVI e se transformou de modo fantástico em mulher aos trinta e poucos anos e sobrevive até à data de publicação da obra em 1928.
Orlando anseia escrever a melhor poesia e ao longo da sua extensa vida aperfeiçoa o seu poema, contacta escritores famosos, que considera seres acima dos outros, e é ridicularizado por estes. Procura o amor ideal e ao encontrar a paixão descobre a traição. Entra na diplomacia e sente o vazio do protocolo. Vira a mulher sabendo o que é ser homem e sente as condicionantes sociais do género feminino. Mergulha na sociedade em busca de uma cultura superior e depara-se com a futilidade. Assistiu ao passar de reis e rainhas com quem se cruzou, observou o progresso tecnológico e industrial e alcançou o sucesso literário, de esposa e mãe numa sucessão de eus que são lembrados no fim da obra.
Não deixa de ser um livro estranho, onde o fantástico se cruza com a história da Inglaterra e as evoluções da sociedade. Ora irónico, ora crítico, ora divertido, ora denso e massudo, mas gostei.

5 comentários:

Pedrita disse...

esse livro é absolutamente incrível, embora o meu preferido da virgínia woolf é rumo ao farol. q pode ter outro nome em portugal. aqui mesmo tem nome diferente dependendo da editora. acho rumo ao farol mais denso, como a saga do proust. beijos, pedrita

Carlos Faria disse...

Rumo ao farol ainda não li, mas por cá a obra também tem esse mesmo título.

DIARIOS IONAH disse...

Curioso sempre tento ler a Virginia Wolf e não consigo, assim como já tentei três vezes ler o Ulisses do James Joyce e não passei da sexta página! Uma frustação.

Carlos Faria disse...

Penso que este é mais fácil de ler que outros de Virgínia Woolf e muito mais acessível que o Ulisses... pelo menos não é do estilo do fluxo da consciência e até tem momentos divertidos.

DIARIOS IONAH disse...

Você iria gostar do W. Somerset Maugham!