quarta-feira, 27 de julho de 2016

"A Mulher da Lama" de Joyce Carol Oates


Acabei de ler "A mulher da lama", romance com que me estreei nesta escritora norteamericana frequentemente nomeada para o prémio Nobel da literatura.
A obra narra a vida de uma mulher abandonada pela mãe num lamaçal, resgatada por um deficiente e depois adotada por um casal que são exemplos de bondade cristã, enquanto no seu crescimento ela se mostra muito inteligente, competente e trabalhadora e consegue subir muito alto na vida, momento em que a pressão do lugar, o facto de ser mulher e os problemas de ética que os cargos de topo enfrentam, a levam a grandes dificuldades para conseguir sobreviver num mundo de homens e de interesses financeiros sem valores num período extremado entre o 11 de setembro e o início da segunda invasão do Iraque.
Gostei da escrita, com parágrafo curtos que desenrolam uma sucessão de pensamentos, sensações e descrições sempre expostos pela mente da protagonista e numa vertente muito feminina. Todavia, J C Oates utiliza por vezes uma técnica onde os receios nas situações reais da narração são prolongados por pesadelos, nalguns casos de aparência surrealista, noutros violentos, misturados com as suas questões de consciência e onde nem sempre se distingue no momento o que de facto acontece no terreno do que se passa mente da personagem central da estória, o que me provocou algum mal-estar, retarda o evoluir da trama e diminuiu o prazer que senti no começo do livro.
Apesar destas fugas, que podem ter servido para contornar o modo como a protagonista poderia resolver dados problemas, é um livro interessante sobre a sobrevivência da mulher num papel de líder na sociedade contemporânea e vale, sobretudo, por expor essa luta sentida no feminino.

terça-feira, 19 de julho de 2016

"Hereges" Leonardo Padura


"Hereges" obra recente (2015) do escritor cubano Leonardo Padura, corresponde na realidade a uma trilogia de romances num único livro que se completam e correspondeu à minha estreia neste autor e na literatura de Cuba.
O primeiro romance decorre em dois tempos: um na época entre a ascensão nazi e a revolução cubana e o outro no período de transição de Fidel para Raul Castro. A trama tem como ponto de partida o facto histórico da recusa de desembarque em Havana dos refugiados judeus da Alemanha no transatlântico São Luís ali aportado em 1939 que tornou os seus passageiros vítimas do holocausto, onde de terra teria assistido a este desenlace um filho, já ali refugiado, de um casal então impedido de entrar em Cuba que supostamente tinha um retrato de Rembrandt de um judeu a representar Cristo, p qual seria objeto de negociação com as autoridades para este alcançar a sua liberdade, só que aquelas aceitaram a obra mas sem cumprir o prometido. No segundo tempo, o neto do casal contrata o trabalho de um detetive (personagem que é comum a muitas obras de Padura), ex-polícia, para não só investigar um possível crime de vingança do seu pais contra os corruptos que deixaram morrer os avós, como sobre o possível percurso do quadro.
O segundo romance recua ao tempo de Rembrandt e passa-se em Amesterdão, onde o quadro foi pintado, e narra a vida do modelo do retrato, um jovem sefardita vocacionado para a pintura, profissão interdita aos judeus que sofre as consequência da sua transgressão num período igualmente contemporâneo de outro genocídio judaico que está na origem da entrada do quadro na família do casal morto às mãos dos nazis. Esta relato está ligado a Portugal e à perseguição judia do tempo da imposição da conversão ao cristianismo de onde era originária a família deste discípulo do pintor.
O terceiro romance volta a Havana já no tempo de Raul Castro e é outra investigação do mesmo detetive sobre um desaparecimento de uma jovem, inteligente e culta, revoltada com o vazio da sociedade contemporânea e a corrupção em Cuba, só que novamente este caso vai-se cruzar com a família judaica proprietária do retrato, fechando assim um ciclo que é a saga desta família judaica e deste ficcionado trabalho de Rembrandt.
Este livro tem muito mais que um romance policial ou um histórico, serve de mote para falar da luta contra a opressão e da liberdade de pensar e de escolha das pessoas, os riscos de quem optar por se livrar destas amarras impostas pela política ou pela religião, desta forma torna-se evidente a analogia entre as perseguições ideológicas, os objetivos destas, a corrupção social na sociedade atual e a desilusão de quem acredita em messias como salvação no mundo, isto escrito numa Cuba que não é um exemplo de liberdade de pensamento e de ação, de cujos vícios dos últimos 80 anos são  expostos de uma forma mais ou menos direta, tornando-se assim numa estratégia inteligente de denúncia, não só do sistema que ali se desenvolveu e o antecedeu, como também do mundo contemporâneo ocidental teoricamente livre e garante de um futuro promissor.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

"O Meteorologista" de Olivier Rolin


O livro "O Meteorologista" do escritor francês contemporâneo, Olivier Rolin, apesar de possuir na capa o termo: "ficção"; não é, nem uma biografia de uma personagem histórica ficcionada, nem um relato de um acontecimento real exposto em forma de romance, mas sim, uma espécie de relatório com a exposição da vida de um cientista russo, Alexei Vangenheim (ou Wangenheim), que liderou a investigação meteorológica na URSS entre as duas grande guerras, foi um comunista convicto e uma vítima do genocídio do período estalinista, sem se saber exatamente a verdadeira causa da sua condenação e que curiosamente enquanto preso desenhou um conjunto de quadros didáticos que remeteu à sua pequena filha os quais estão anexos ao livro que por si só merecem uma observação atenta.
A obra baseada em investigação do autor e de terceiros, encontra-se intercalada com reflexões do escritor, interpretações hipotéticas sobre o seu período de deportado, considerações sobre a época e uma análise final sobre o sonho que foi a revolução russa e a desumanidade que esta trouxe através do terror que destruiu o próprio objetivo. do comunismo soviético. O texto, embora sem deixar de ser o de um relato, está trabalhado literariamente e cuidado, havendo numerosas metáforas, referências a ideias lançadas por romances clássicos e questões filosóficas e excertos das cartas do Meteorologista e de documentos oficiais do seu processo ou que o enquadram na época. Apesar de tudo e da crueldade do acontecimento lê-se com um prazer e com grande facilidade, compreendendo-se porque Rolin é um dos escritores e romancista da atualidade francesa já com diversos prémios pela qualidade das suas obras.
Curiosamente, em investigação na internet, eu descobri que Rolin ideologicamente é ele mesmo um comunista maoista... outro campo sobre o qual seguramente há muito a investigar para se compreender como também a revolução cultural contribuiu para a destruição do mesmo sonho ideolgógico. 
Mesmo sem ser um romance, gostei muito de ler este livro que me deu o mesmo prazer como se fosse uma obra de ficção e as análises políticas e sociais que são feitas sobre o comunismo, o estalinismo e o Meteorologista não são feitas de uma forma ideológica para atacar o que está na base desta ideologia. Recomendo a qualquer leitor que goste de boas leituras e fáceis, independentemente de serem ou não ficção.

sábado, 2 de julho de 2016

"O Grande Gatsby" de F. Scott Fitzgerald


Acabei de ler "O Grande Gatsby" de F. Scott Fitzgerald e fui surpreendido pelo conteúdo e mensagem subliminar da obra. Confesso que, apesar de muito ouvir falar deste romance, considerado um ícone da história da literatura dos Estados Unidos, nunca procurei saber a sua história, pois quando vi cartazes e thraillers das suas adaptações cinematográficas hollywoodescas, cheio de imagens feéricas e percebendo eu que se passava nos loucos anos 1920, pensava que se estaria numa história sobre a loucura daqueles tempos misturada com dinheiro de gangsters do período da lei seca.
Afinal eis que me saiu o desenrolar da paixão de um Gatsby que foi pobre por uma menina de rica que mostra quanto é falível o recurso ao enriquecimento e à ostentação social para reconquistar uma paixão ou recuperar o tempo perdido para o amor numa sociedade oca que se aproveita do momento, mas sem nenhuma profundidade moral para além da sobrevivência e onde o protagonista se tornou na grande vítima deste engano. Uma história maravilhosamente escrita, que se serve de um retrato de época para dizer muito mais que lá está escrito nas suas não muito numerosas páginas. Gostei e recomendo a qualquer leitor.