sexta-feira, 30 de outubro de 2009

BUTTERFLIES DE GONÇALO CABAÇA

Agora que o Faial Filmes Fest 2009 está prestes a começar, nada melhor que fazer uma homenagem a Gonçalo Cabaça e mostrar um vídeo de um pessoa ainda jovem, em permanente formação no mundo do cinema, que desenvolve trabalho na área da animação e que foi importante para as primeiras edições do festival de curtas nesta ilha e que segundo sei se está a especializar neste momento no Canada.



Não admira que com pessoas deste calibre envolvidas desde o início no festival das curtas metragens, este tenha atingido tão elevado patamar dos eventos culturais da Região e do País na sua área artística.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

NOVO BLOG: MENTE LIVRE

Ao pretender manter o espírito e estilo de Geocrusoe, a intervenção social surgiu como um dos temas tabu neste espaço, apesar da vida activa do blogger nesta área.
Para colmatar esta lacuna, criei o Mente Livre, um blog onde serão abordados os assuntos que por opção própria não fazem parte de Geocrusoe: a reflexão social e política.

Excertos do seu editorial

"Mente Livre é um espaço de exposição de ideias com reflexões pessoais sobre questões sociais e políticas nos Açores, sobretudo problemas de fundo, mas também circunstanciais, devido a estarem em voga nos meios de comunicação social num dado momento."

"A reflexão séria e livre sobre os problemas do mundo à nossa volta é um meio de amadurecer a democracia e procurar soluções para a nossa sociedade. Este é sem dúvida um dos objectivos principais de Mente Livre que se manterá se o seu autor sentir que o espaço preserva esse desiderato ou pelo menos não contribui para a degradação do sistema."

Se o assunto lhe interessa tem este espaço ao seu dispor e visite

MENTE LIVRE


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

JARDIM DA PRAÇA DA REPÚBLICA NA HORTA

Torre do Relógio, auracárias, quiosque, edifícios em arte nova, um conjunto de vários marcos significativos do que é esta cidade, uma amostra edílica da realidade da Horta...

(clique na foto para aumentar a imagem)

domingo, 25 de outubro de 2009

BOTES BALEEIROS NO FAIAL

Nos tempos passados e de dificuldade económica, os botes baleeiros eram equipamentos de trabalho imprescindíveis ao ganha pão de muitos, que arriscavam as suas vidas nestes barcos de pequena dimensão para caçar baleia e assim conseguir sustentar as suas famílias ou dar-lhes um pouco mais de bem-estar.

Apesar dos riscos, os botes baleeiros eram então o orgulho de muitas companhias, onde os construtores dos botes punham toda a sua arte e saber para que o seu barco fosse o mais veloz, o mais eficiente e o mais elegante ao sulcar as águas e assim rivalizar e ultrapassar as qualidades dos barcos concorrentes, para deste modo conseguir arpoar o maior número de baleias para o sustento deste homens de coragem.

Hoje, os botes baleeiros continuam a atrair os mais novos, estes já não arpoam nenhum cachalote, já ninguém tira daqui qualquer sustento, estas peças são sim um equipamentos de desporto, uma fonte de prazer nas lutas desenvolvidas em regatas, um instrumento para preservar memórias de outros tempos, mas onde muitos ainda mantém viva as rivalidades antigas e o orgulho nos seus barcos... tal como antigamente.

Fotos dos momentos de partida dos botes baleeiros do Faial para participarem numa regata na vizinha ilha do Pico.
(clique para ampliar as imagens)

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

BOLETIM DO NÚCLEO CULTURAL DA HORTA

O Núcleo Cultural da Horta é uma instituição de sócios discreta, mas muito activa, com um curriculum de realização de fóruns sobre a história do Faial e um conjunto de publicações sobre o mesmo tema de invejável qualidade e quantidade.
Entre as suas publicações, o destaque vai para o Boletim do Núcleo Cultural da Horta, com uma periodicidade anual e cujo 18.º Volume foi lançado no último fim-de-semana.


Estes boletins não só apresentam colectâneas de artigos científicos originais, sobretudo relacionados com os Açores e o Faial em particular, feitos por investigadores de várias universidades do país e da diáspora, cobrindo temas que vão desde a Biologia, Geologia, Oceanografia, História, Património, Sociologia, Etnografia, etc. como possuem ainda uma revista de livros de divulgação e ensaios editados nos Açores e de qualidade reconhecida.
O Boletim deste ano é bem mais vasto do que o habitual e apresenta um importante conjunto de trabalhos sob o tema Os Açores e a sua dimensão oceânica, muitos deles realizados no Departamento de Oceanografia e Pescas, sedeado na Horta.
Pela quantidade de informação, o volume deste ano destaca-se sobremaneira como uma importante colectânea de saber e todos os que tiverem oportunidade de o adquirirem não devem desperdiçar de modo algum.

Uma obra altamente recomendável.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

JAZzORES'09 - NO TEATRO FAIALENSE

Uma das razões por gostar do Outono prende-se com a quantidade de eventos culturais normalmente agendados para esta estação, é como se a saída do calor do Verão levasse os organizadores a convidar os públicos a se fecharem nas salas de espectáculos para compensar as saídas das noites quentes.
Este ano não é excepção, depois do Juvearte no Faial, eis agora o festival de Jazz dos Açores na Horta, mais concretamente nos dias 23 e 24 no Teatro Faialense, às 21h30 e programa na imagem abaixo.

Clique nas imagens para as ampliar.

domingo, 18 de outubro de 2009

X FESTIVAL DE TEATRO JUVEARTE

Uma iniciativa da Associação de Juventude da Candelária (ilha de São Miguel), este ano estende-se por quatro concelhos de ilhas diferentes: Ponta Delgada, Praia da Vitória, Santa Cruz das Flores e HORTA.
Desde já os meus parabéns pela iniciativa e extensão a várias parcelas dos Açores, em segundo lugar um apelo:

APROVEITE, VÁ AO TEATRO!

Eu por mim já assegurei os meus bilhetes.
No Faial, no Teatro Faialense dias 20 e 21.

Para saber mais sobre este evento no Faial, já esta semana, ou em qualquer outra das ilhas, consulte a página oficial do JUVEARTE

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

É tão fácil falar de justiça, solidariedade, caridade e amor. O difícil é pôr cada um de nós a praticar o seu significado e a comoção que este filme provoca não basta...

As imagens falam por si... mas não agem sobre quem precisa, nem lhes aliviam o problema.
Dia Mundial da Alimentação com um vídeo para cada um reflectir e perguntar-se como pode agir para mudar este estado de coisas...

Por coincidência, no sábado, dia 17, celebra-se o Dia Mundial da Erradicação da Pobreza, o mesmo vídeo aplica-se às duas datas.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

ÁGUAS-FURTADAS DA HORTA

Sempre me maravilhei com aquelas janelinhas que se projectam dos telhados das nossas cidades...
A Horta é fértil em águas-furtadas, mansardas ou torrinhas dos mais variados estilos, materiais e épocas.

Aqui vai uma amostra recolhida numa extensão de escassas centenas de metros que evidencia a riqueza desta arquitectura popular, tradicional ou de desenho mais profissional e moderno.

Torrinhas que conciliam utilidade, arquitectura e desenvolvem sentimentos de ternura em quem as olha com atenção.

Uma componente dentro da diversidade da nossa arquitectura a descobrir com atenção na cidade da Horta e que não se esgota nesta zona ou estilos.

domingo, 11 de outubro de 2009

COLÉGIO E CONVENTO DOS JESUITAS NA HORTA

Museu da Horta, à esquerda, Matriz ao centro e Câmara Municipal à direita

Na época em que Portugal dominava os mares, na então vila da Horta instalaram-se diversos conventos e igrejas em imóveis de dimensões muito superiores à realidade da população residente, um sinal claro da importância estratégica do porto como plataforma nas ligações entre Portugal e as colónias dispersas pelos vários continentes.
Depois com a redução do papel de plataforma giratória de vários serviços, essas instalações sobredimensionadas passaram a ter outros usos à medida, o colégio e convento dos jesuítas acolheu a igreja Matriz - após a ruína anterior igreja de que resta apenas a torre do relógio - e várias repartições públicas, hoje limitadas ao Museu e à Câmara Municipal, a principal entidade do poder local da cidade e de toda a ilha.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

FORTE DE SÃO SEBASTIÃO

Forte de São Sebastião, um imóvel classificado património nacional, construído com funções de defesa na sequência dos tempos das guerras permanentes entre as potências europeias que descobriam e conquistavam novas terras além-mar...

Uma marco na baía do Porto Pim, cheio de potencialidades para eventos culturais que desenvolvam laços de fraternidade entre os povos que continuam a passar pela ilha ou, encantados pelo fascínio do Faial, o escolheram para sua residência.

Um monumento com um enquadramento idílico numa zona onde a magia é realidade.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

UMA LIÇÃO DE ALBERTO CAEIRO

Imagem de Lilly M tirada daqui

Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
E que os pés dos pobres me estivessem pisando...

Quem me dera que eu fosse os rios que correm
E que as lavadeiras estivessem à minha beira...

Quem me dera que eu fosse os choupos à margem do rio
E tivesse só o céu por cima e a água por baixo...

Quem me dera que eu fosse o burro do moleiro
E que ele me batesse e me estimasse...

Antes isso que ser o que atravessa a vida
Olhando para trás de si e tendo pena...

domingo, 4 de outubro de 2009

PORTÃO DE PORTO PIM

(clique nas imagens para as ampliar)

Recordações do passeio na baía do Porto Pim integrado nas comemorações no Faial das Jornadas Europeias do Património com o lema "Conhecer para Proteger".

Paragem junto ao Portão de Porto Pim onde foi debatida a reabilitação/recuperação de imóveis históricos.
No Portão de Porto Pim, o alçado exposto ao mar é essencialmente constituído de tufo vulcânico, esta rocha é o material de construção de vários edifícios (sobretudo militares na Horta), como já falei aqui, mas, provavelmente por questões de maior resistência e consistência do basalto (quase preto), é esta última rocha que forma o arco do portão. e a rampa de acesso dos barcos ao mar. Dois produtos vulcânicos abundantes na Baía de Porto Pim.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

FREGUESIAS RURAIS DO FAIAL 5 - Salão

Freguesia do Salão observada dos Matos da Ribeirinha/Espalhafatos

Salão é uma das menores freguesias rurais em termos populacionais do Faial, pouco mais de 400 pessoas e dispõe-se numa encosta suave inclinada para norte. As suas casas dispersam-se sobretudo num anfiteatro composto de vários arruamentos ao longo do declive norte sul designados por canadas (termo antigo que significa rua), que unem a rua da igreja em semicírculo na zona mais elevada e antiga à Estrada Regional de direcção essencialmente Este-Oeste, que forma o principal eixo populacional actual, e a menor altitude.

Encosta suave onde se implantou de forma dispersa a povoação

Apesar de ser um povoamento antigo, é uma das freguesias mais jovens da ilha, criada apenas em 1730, mas a sua pequena dimensão nunca impediu uma florescente actividade cultural que se estende até à actualidade, contrariamente à sua fruticultura famosa até ao início do último quartel do século XX, sobretudo a qualidade dos seus pêssegos e maçãs, época a partir da qual é quase extinta pela expansão da agropecuária bovina e coincidente com o fim da sua actividade baleeira muito significativa no passado.

A Estrada Regional junto ao actual centro do Salão, ao fundo os Espalhafatos e o Pico entre as nuvens

Fortemente danificada pelo sismo de 9 de Julho, devido à proximidade da zona epicentral situada
a norte da Ribeirinha, freguesia que lhe faz fronteira para nascente, neste momento a principal referência ainda não recuperada é a sua igreja, a reconstruir transferida para a Estrada Regional com uma arquitectura moderna e arrojada.
O nome Salão vem da abundância de pedra-pomes de dimensão centimétrica no solo proveniente daquela rocha, este, pelos seus grãos grosseiros, era conhecido por solão.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

1 de Outubro: DIA MUNDIAL DA MÚSICA

Danusha Waskiewicz no concerto ao ar livre no Forte de São Sebastião no passado fim-de-semana

Música, sem dúvida uma das formas mais antigas de expressão artística global, cuja primeira ferramenta para criar se situava no próprio ser humano:a voz, capaz de atingir diversas oitavas, ritmos e entoações.
Música, não me importa que seja étnica ou universal, antiga ou contemporânea, erudita ou popular, tonal, modal ou atonal, consonante ou dissonante, comercial ou invendável, profissional ou amadora. A mim importa-me que seja Boa e Honesta, atributos por vezes de difícil definição, mas que concedo a toda aquela Música que torna a minha vida digna de ser vivida com prazer.

Parafraseando um comercial: se eu podia viver sem a Música, poder, podia, mas não era a mesma coisa e entre as boas memórias da vida, a Música tem uma cota parte muito significativa.