quinta-feira, 28 de junho de 2007

FARTURA DE CULTURA


Após um período de acalmia de actividade cultural, quase só mantida pela insistência do Cineclube da Horta em continuar a exibir filmes no Teatro Faialense, eis que entrados em Junho e penetrando em Julho, vamos ter uma sequência de eventos culturais nesta ilha que nos deve encher de orgulho.
Assim a começar hoje e durante cinco dias consecutivos, eis uma lista de propostas para os amantes da cultura na ilha do Faial.

Quinta-feira, dia 28 de Junho

21:30 h no Teatro Faialense


o filme da Nanni Moretti "O Caimão" um olhar sobre Silvio Berlusconi...

Uma actividade regular do Cineclube da Horta






Sexta-feira dia 29 de Junho

21:30 h no Centro do Mar (antiga fábrica da Baleia)
(entrada gratuita)

Lançamento do livro de fotografias e texto da autoria de Maria Brito e António Silveira.


Uma organização do OMA, integrado nos Encontros de Porto Pim



Sábado, dia 30 de Junho
21:30 h, no Teatro Faialense

Concerto pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, com Ana Ferraz, soprano e Michael Zilm, direcção, subordinado ao tema "O Sagrado e o Poético em Mozart e Grieg"

Um evento integrado no Festival Musicatlântico 2007 (consultar para ver o programa na íntegra, em todas as ilhas e do próprio concerto.


Domingo, 1 de Julho

21:30 h no Teatro Faialense
(entrada gratuita)
Exibição do filme rodado no Faial " A casa da Rosalina" de Erika Pluhar (ver post abaixo)

Uma organização da Câmara Municipal da Horta, integrada nas comemorações do aniversário da elevação da Horta a Cidade










Segunda-Feira 2 de Julho

21:30 h no Teatro Faialense
(confidenciaram-me que era entrada gratuita)
Concerto António Victorino d'Almeida e Olga Pratts

Integrado nos Encontros de Porto Pim e nas comemorações do aniversário da passagem da Horta a cidade.
(programa e equipa alterados após a versão apresentada publicamente em cartaz)










Com tanta proposta, é possível falar de Fartura de Cultura na Horta, espero que depois não venha a carência, mas se vive no Faial ou se por cá pensa passar nestes dias, APROVEITE!

terça-feira, 26 de junho de 2007

Filme "A CASA DA ROSALINA"

Através de uma organização da Câmara Municipal da Horta e integrado nas comemorações da elevação da Horta a Cidade, será exibido, no próximo dia 1 de Julho, pelas 21 h e 30 minutos, no Teatro Faialense, o filme de Erika Pluhar "A Casa da Rosalina".
O filme foi rodado e tem como tema central uma história na conhecida "Bagatela", um dos mais elegantes palacetes da Horta, e claro está a nossa iluste e saudosa conterrânea a Senhora Rosalina.
A entrada é gratuita e todos estão convidados a assistir a esta estreia do filme, que é exibido com alguma frequência em estações de televisão no centro da Europa, mas nunca na terra onde foi efectuado.
Para comentar o filme, estará ainda presente o conhecido compositor, filho de uma Faialense, António Victorino d'Almeida, que tem ligações muito profundas com a Bagatela, a Senhora Rosalina e claro está, com a cidade da Horta.
Aproveite e venha participar no evento.

domingo, 24 de junho de 2007

FESTA DE SÃO JOÃO DA CALDEIRA - A Romaria

Hoje com poucas palavras o dia da Romaria e o desfile das Marchas, com uma atenção especial à da Ribeirinha (clique nas fotos para ampliar)
O interior da ermida de S. João, com o seu belo chão de mosaicos

Aspecto da Romaria

Outro aspecto da romaria

A primeira marcha, a da Ribeirinha claro! Confesso que cantaram muito bem


Um aspecto da coreografia


Outro pormenor da coregrafia

Pormenor da marcha da Praia do Almoxarife

A Marcha das Guias de Portugal da freguesia das Angústias


Pormenor da Marcha da Feteira

Marcha dos Cedros

Marcha dos Flamengos e os seus riquíssimos trajes

sexta-feira, 22 de junho de 2007

FESTAS DE SÃO JOÃO - Marchas

As romarias preservam tradições e o convívio social. O S. João da Caldeira foi uma das romaria mais importantes do Faial, além das merendas debaixo das árvores em torno da ermida, havia as tradicionais e espontâneas Chamarritas (a dança folclórica que mais cativa os faialenses, que numerosos jovens ainda hoje aprendem e mostram interesse em bailar) e as Marchas de S. João (de carácter organizado em que a juventude levava semanas a preparar-se).
Recentemente o S. João da Caldeira tem sido menos participado, mas este ano organizaram-se seis marchas na ilha.

Abaixo o ensaio geral da Marcha de S. João da Ribeirinha, uma das comunidades mais pequenas da ilha mas que tem mantido a tradição. A chuva reapareceu e impôs o teste dentro de casa, divido por grupos de trabalho. Para uma aldeia com pouco mais de 400 habitantes e envelhecida, reunir 54 marchantes e ainda músicos, incluindo composição, coreógrafos e costureiras, entre residentes e amigos, mostra bem a força desta freguesia.


Ensaio geral em curso
O arranque do ensaio para o segundo Grupo

O grupo III sob a batuta do coreógrafo


Um aspecto da coreoagrafia

Resta desejar a todos boa sorte, que se divirtam e Bom São João

quarta-feira, 20 de junho de 2007

PALACETE DE SANT'ANA- Um bom exemplo

Durante longas décadas o Palacete de Sant'Ana foi-se degradando e corria o risco de ter o destino dos vários solares e vivendas apalaçadas construídas no passado na cidade da Horta.
O seu aproveitamento, junto com terrenos das traseiras para instalar a Escola Profissional da Horta, serviu para recuperar aquele imóvel e dar-lhe um novo uso. Parabéns a quem soube aproveitar aquele espaço.
O Palacete de Sant'Ana recuperado.
O uso de alguns materiais na fachada pode-se questionar, não a recuperação ou o novo uso

segunda-feira, 18 de junho de 2007

O FAIAL CORTADO À FACA

Muito se tem discutido no Faial sobre a existência e a quantidade de Falhas Geológicas. Embora muitos não gostem de reconhecer os riscos a elas associados, o Faial parece um laboratório de falhas tectónicas, tal é o número das falhas evidentes, menos evidentes ou ocultas, cuja interpretação é indirecta, para já não contarmos com aquelas que ainda não foram descobertas.

Assim, de uma forma não exaustiva, eis uma carta, adaptada de um mapa da minha tese, onde se encontram representadas as principais falhas do Esboço Tectono-Vulcânico da Ilha do Faial, da autoria de José Madeira (meu professor e amigo da Faculdade de Ciências de Lisboa) em resultado da sua tese de doutoramento "Estudo Tectónico das Ilhas do Faial, Pico e S. Jorge (Arquipélago dos Açores), U.L. 1996. Uma das fontes consultadas para muitos dos posts neste blog.

Clique no mapa para o ampliar se pretender uma melhor leitura.

Aproveito para colocar na carta os nomes que vulgarmente denomino aos vários acidentes tectónicos (não são iguais entre todos os geólogos), bem como os locais que falei ou penso falar em posts neste blog.

domingo, 17 de junho de 2007

FESTA DO MUNDO RURAL E FEIRA VIVER CULTURAS

Apesar da chuva, está a decorrer no Faial um evento organizado, conjuntamente, pela Adeliaçor, Câmara do Comércio, Câmara Municipal e Direcção Regional das Comunidades, que reúne apresentação de vários artistas locais, de Angola e outras comunidades da diáspora, bem como mostras de empresas locais, pavilhões de divulgação turístico-cultural e ainda restaurantes de gastronomia de Angola, Brasil, Sao Tomé, Cabo Verde e Ucrânia.
Entre as várias coisas expostas, gostei sobretudo do modo como São Tomé mostrou o percurso do cacau ao chocolate... embora a baixa participação de público, devido ao tempo, aqui seguem as fotos, possíveis de publicação, do evento.
"do Cacau ao Chocolate", uma exposição simples, com pouco meios, mas muito informativa

O fruto ao fundo e o cacau seco em primeiro plano


Concurso equino: Éguas de cria em desfile

sábado, 16 de junho de 2007

AVARIA DE COMUNICAÇÕES

Enquanto se fala de choque tecnológico em Lisboa, para quem vive no campo e, para mais ainda, numa ilha, apanha com vários tipos de choques ao mesmo tempo, entre eles destaco os seguintes:
- Muitas das maravilhas, que as novas tecnologias disponibilizam nas maiores cidades, só chegam aqui quando desactualizadas em Lisboa... a velocidade da internet em banda larga é disso um bom exemplo, como as novas gerações de equipamentos e os serviços integrados de voz, dados e imagem;
- A velocidade de reparação de qualquer avaria ou regularização de um mau serviço prestado pela operadoras anda sempre em banda estreitíssima.

No fim-de-semana passada tive dificuldades de preparar posts e de os realizar como pretendida, pois devido à lentidão da net, cá pela minha zona, não era possível colocar fotos que servissem de base aos temas, e outras entretanto desactualizaram-se em importância.
Hoje, sábado, volto ao mesmo problema... se conseguir apresentar, sairá algo novo ainda neste período, onde posso produzir mais para a net devido aos compromissos que tenho ao longo dos dias úteis... se não, fica aqui exposto publicamente uma das razões que justificam a redução da minha produção por estes dias, como alguém que, pessoalmente, me argumentou ou se queixou ontem, mas agradeço a ele pois é um sinal de interesse e outros que por cá passam talvez sintam o mesmo.
Até 3.ª feira comunicam-me que reparam-me o telefone... só que o problema da lentidão da net é outro.

quarta-feira, 13 de junho de 2007

FESTAS DO ESPÍRITO SANTO VI - Contrastes além fronteiras

O meu colega da Escola Secundária da Horta, o picoense Zé Duarte, emigrado para as terras do Tio Sam, onde anima as comunidades lusoamericanas com as canções que compõe e interpreta, arte que lhe está nas veias e que já nos animava na escola, enviou o endereço do seu site onde mostra numerosas fotos das Festas do Espírito Santo em San Diego, realizadas no passado Domigo da Santíssima Trindade.
Face ao elevadíssimo interesse que os posts destas festas despertaram, sobretudo além mar, não resisto em colocar uma ligação à página do Zé Duarte, mas primeiro chamo à atenção para o contraste da sobriedade das festas cá na terra e a riqueza e diversidade destas festas realizadas pelos emigrantes em San Diego.
Ricas ou pobres, cá ou noutras partes do mundo, o certo é: onde há Açorianos, há a devoção ao Divino Espírito Santo, o símbolo que mais identifica e une a alma deste povo ilhéu.

sábado, 9 de junho de 2007

ENCONTROS DE PORTO PIM - Noite Mágica

Os encontros de Porto Pim, este ano uma organização conjunta da Ecoteca do Faial e da Câmara Municipal da Horta, a decorrer durante todo o mês de Junho, proporcionaram uma noite mágica, ontem no Centro do Mar, situado na antiga Fábrica da Baleia da líndíssima Baía e Praia de Porto Pim.
Perante um público que esgotou todas as cadeira e na sequência da junção de Música, executada por professores do Conservatório da Horta, de Poesia, escolhida e declamada no momento e de Pintura, feita sob a inspiração do que decorria na sala e sobre a temática do Mar, foi possível viver a magia que resulta da comunhão artística dos sons da palavra e da imagem.

Poesia, Música e Pintura, um triângulo perfeito... e o público atento, incluíndo o nosso ilustre tenor visitante Kurt Spanier (extremo esquerdo da foto), que mais uma vez deixou a sua Viena para estar nesta terra, onde continua a desenvolver um importante papel na dinamização musical do concelho.

quinta-feira, 7 de junho de 2007

IRAS DE GAIA - CLIMA LOUCO

Enquanto nos fins-de-semana de inverno gozei o bom tempo no meu recanto de sonho, agora que o Verão está à porta e estou de férias, eis como está a minha zona de banhos predilecta.

Consequências do vento forte de norte



Nem parece Junho...


Já reparam que quando se olha para a ponta da Ribeirinha a rebentação das ondas é perpendicular à costa?


Efectivamente, devido à morfologia das plataformas costeiras, as ondas do mar sofrem reflexões e a sua rebentação fica paralela à costa, repare que tal acontece, na generalidade, em todas as praias, independentemente do seu quadrante.
Todavia, como a ponta da Ribeirinha forma a extremidade oriental da costa norte da ilha, as ondas, na primeira centena de metros de costa leste, não sofreram ainda reflexões suficientes para terem uma rebentação paralela à costa. No porto, a rebentação é ainda oblíqua e sempre virada para sul, independentemente do quadrante do vento, uma especificidade do local.

terça-feira, 5 de junho de 2007

5 de Junho - DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

Apesar da minha actividade profissional, não me sinto um ecologista que considera tudo à sua volta mais importante que o Homem e onde este é um bicho mau que estraga este planeta.
Sempre adorei livros cientificamente arrojados e potencialmente polémicos, dois livros marcaram a minha consciência ambiental, porque me levaram a ver o Homem não como o mau da fita, mas sim a vítima dos seus actos irreflectidos, fruto da ganância económica neste mundo consumista e altamente industrializado que a inconsciência e a ignorância humana criaram, assim para questionar consciências neste Dia Mundial do Ambiente, aqui vão eles.


Este, polémico no mundo científico, onde, com o modelo do Planeta das Margaridas, James Lovelock considera a Terra como um ser vivo, que reage sempre que as condições são alteradas em busca de um novo equilíbrio e do qual podem resultar como vítimas os agentes da mudança.

Para muitos a sua teoria é criticada por utilizar na ciência conceitos teológicos e de pre-determinismo, por atribuir intenções à natureza. Para mim valeu porque me mostrou o homem de hoje ao nível das primitivas cianobactérias, que foram vítimas da sua própria actividade, o que conduziu à "Catástrofe do Oxigénio" e permitiu o aparecimento da vida nos moldes actuais, onde se insere o Homem com a sua provável catástrofe dos gases com efeito estufa.


Um manifesto político de Al Gore lançado antes de ter sido Vice-Presidente dos Estados Unidos. Tem a vantagem de apresentar aos políticos do primeiro mundo propostas para se alcançar um equilíbrio entre o desenvolvimento económico e o ambiente. É certo que quando ocupou o seu cargo mais elevado não foi capaz de tanto... mas ao menos não foi um obstáculo ao ambiente, como alguns líderes mundiais actuais o são. Presentemente, voltou às suas raizes, provando que nem sempre temos de renunciar aos ideiais para ter sucesso planetário.



Um desafio neste Dia do Ambiente, qual ou quais o(s) livros que moldaram a sua consciência ambiental?

domingo, 3 de junho de 2007

ALTAR - O SEGUNDO DOMO TRAQUÍTICO

Quando do primeiro Post do Morro de Castelo Branco referi a existência de dois domos traquíticos no Faial, omitindo proprositadamente o nome de um.
Depois alguém, pessoalmente, perguntou-me onde estava o segundo, eis agora a resposta.
O domo traquítico do Altar - visto do fundo da Caldeira
Após um olhar mais atento, os amantes das ciências da terra podem verificar que, de um modo incipiente, se desenvolveu neste domo disjunção prismática, permitindo a visualização de estruturas colunares na rocha. No caso de grande desenvolvimento, estas seriam semelhantes às colunas da Rocha dos Bordões da ilha das Flores... mas por agora é o melhor que temos nesta geologicamente jovem ilha.